Facebook, Amazon e Google desabam na Bolsa após possível investigação por monopólio

Comissão Federal de Comércio e o Departamento de Justiça dos EUA combinam a divisão da investigação sobre os gigantes da tecnologia

Tela com aplicativos do Facebook, Google e Amazon, entre outros.
Tela com aplicativos do Facebook, Google e Amazon, entre outros.AFP

Mais informações

As autoridades assistem como meros espectadores o assombroso crescimento dos gigantes da tecnologia norte-americanos, a Amazon, o Google e o Facebook, que transformam, até deixá-los irreconhecíveis, os setores em que desembarcam. Tem sido assim até hoje, pelo menos. Mas agora, além dos golpes dirigidos contra suas práticas fiscais e seu viés político, o Governo dos Estados Unidos prepara o terreno para se dirigir ao seu tendão de Aquiles: suas possíveis práticas monopolísticas. Diante da abertura de possíveis investigações, o setor registrou fortes perdas em Wall Street. Transcorrida metade da sessão, o Facebook havia perdido mais de 8%, o Google 7% e a Amazon, por volta de 5%.

A Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) e o Departamento de Justiça, que compartilham a salvaguarda das leis da concorrência, dividiram o trabalho de escrutínio e investigarão o Facebook e a Amazon primeiro, e o Google em segundo lugar, como adiantou o The Wall Street Journal. Ainda não está claro se a FTC tem planos a curto prazo de lançar formalmente uma investigação antimonopólio sobre o Facebook — empresa que há mais de um ano é investigada pelo órgão por sua utilização de dados pessoais —, mas o fato de que formalmente tenha se assegurado da jurisdição sobre o assunto indica que considera um escrutínio profundo da rede social.

O acordo entre o Departamento de Justiça e a FTC também pode aumentar a pressão sobre a Amazon, de acordo com o The Washington Post, ao colocar suas práticas de concorrência sob o escrutínio mais direto da FTC. Em relação ao Google, o Departamento de Justiça já está preparando o terreno para uma investigação antimonopólio.

A divisão da jurisdição sobre as grandes empresas de tecnologia é o primeiro passo do Governo norte-americano para explorar como o crescimento dos gigantes do Vale do Silício afeta o panorama da concorrência. O impacto agitou a Bolsa: as ações da Alphabet (matriz do Google) chegaram a cair mais de 6% na segunda-feira, o mesmo que as do Facebook e dois pontos a mais do que as da Amazon, provocando uma queda da Nasdaq de 1,2%.

Na mesma segunda-feira, o congressista David Cicilline, presidente do grupo de discussão sobre concorrência da Câmara de Representantes, anunciou que a maioria democrata dessa Câmara planeja também uma investigação em grande escala para determinar se as grandes empresas de tecnologia adquiriram tanto poder que minam a concorrência. É uma ofensiva sem precedentes contra o possível excesso de poder da indústria, temor compartilhado por democratas e republicanos. A investigação não será voltada contra uma empresa especifica, disse Cicilline, terá seu foco na crença de que “a Internet está quebrada”.

A atividade desses gigantes tecnológicos significa um desafio conceitual à lei antimonopólio. É inegável seu domínio nos setores em que operam, seja nas redes sociais, nas buscas de informação, no comércio eletrônico e na publicidade online, e o fato de que frequentemente suas práticas os protegem de eventuais competidores. Mas não é tão claro que incorram nos prejuízos aos consumidores que as leis antimonopólio tentam evitar: não produzem aumento de preços (de fato, seus serviços costumam ser gratuitos), e não reduzem necessariamente a capacidade de escolha dos clientes (frequentemente, pelo contrário, facilitam a busca e comparação de produtos).

O debate é mais complexo: é possível afirmar que os serviços prestados não são gratuitos, e sim pagos com a valiosa informação pessoal que recebem. E a grande porção do mercado da publicidade digital que dominam pode fazer com que, pela falta de concorrência, o preço dos anúncios suba e isso cause um encarecimento dos produtos aos consumidores.

Os movimentos da FTC coincidem com uma série de pedidos por parte de organizações de consumidores e figuras da política, particularmente de esquerda, que pedem um controle maior a essas empresas. A candidata às primárias democratas Elizabeth Warren, por exemplo, pediu que esses gigantes sejam obrigados a se desmembrar em diversas empresas. A FTC já anunciou em fevereiro a criação de um grupo de trabalho para examinar assuntos de concorrências das companhias de tecnologias, incluindo a revisão de decisões que permitiram aos gigantes adquirir empresas menores que poderiam ter se transformado em competidoras, como quando o Facebook comprou o Instagram e o WhatsApp.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete