Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Sinta-se melhor do que ele

Imagine que uma contagem regressiva acaba de começar dentro de você. Pense que você irá suportar essa agonia com perfídia e dignidade

Pergunte-se onde está o homem com quem não era preciso “ter um plano”, porque ele era o plano.
Pergunte-se onde está o homem com quem não era preciso “ter um plano”, porque ele era o plano.© GETTYIMAGES
Mais informações

Deixe a xícara de café sobre a mesa da sala. É domingo, são duas da tarde. Recorde que aos domingos às duas da tarde vocês costumavam fazer outras coisas: acordar de ressaca, ler na cama, tocar-se. Agora estão falando há duas horas e ele já disse frases como “temos que ter um projeto juntos”, e depois de cada uma dessas frases você sentiu náuseas, a sensação de estar gritando dentro de um balde. Pense: “Ele fala como um livro de autoajuda”. Pense: “Cale a boca, você está arruinando tudo”. Pergunte-se onde está o homem com quem fazer sexo era, a cada vez, como descobrir o fogo. O homem com quem não era preciso “ter um plano”, porque ele era o plano, e que agora diz palavras como “casal”, “reavivar”. Sinta que, com cada uma dessas palavras, ele atira pedras sobre uma superfície de vidro. Veja como parece satisfeito, sorri melifluamente, estica a mão, quer tocar a sua. Retraia-se com um gesto que pareça casual, mas não permita que a toque. Pense em todas as amigas e amigos que lhe contaram suas próprias “conversas de casal”, suas próprias “crises”, e em todas as vezes que você lhes disse: “Não se preocupe, com certeza vai se arranjar”, enquanto pensava: “Já terminou, só que você ainda não sabe”. Pergunte-se: “Onde está o homem que era meu herói”. Sinta-se selvagem e maléfica. Sinta-se melhor do que ele. Pense que esta conversa os empurrou até a última fímbria que separava a terra do abismo. Olhe como ele tem o rosto cheio de súplica. Sinta-se traída. Sinta desprezo e desejo de lhe fazer mal. De esquecê-lo neste mesmo momento. Escute como ele diz: “Estamos juntos nisto, não é, amor?”. Sinta que uma contagem regressiva acaba de começar dentro de você. Pense que você irá suportar essa agonia com perfídia e dignidade. Diga: “Sim, amor, claro”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: