Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Bolso Mirror

A exemplo do filme 'Bandersnatch', cria do seriado 'Black Mirror', o eleitor escolhe que roteiro seguir

Bolsonaro na posse do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.
Bolsonaro na posse do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.Joédson Alves (EFE)
Mais informações

A primeira semana do governo de extrema direita foi uma sessão de horror. Com várias opções de enredo para a livre escolha do distinto público. No episódio protagonizado pelo ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores), o espectador da aldeia globalista foi provocado a escolher, mesmo com chance zero de alterar a narrativa: The New York Times ou José de Alencar? CNN ou Raul Seixas?

Deus ou o Diabo na Terra do Sol? Sebastianismo ou marxismo? Tudo como se fosse apenas a primeira pergunta do Bandersnatch (Netflix): sucrilho ou cereal?

Segura o controle remoto, nobre patriota, que o seriado está apenas começando. A ministra Damares Alves (Família) não ofereceu alternativas: menino veste azul, menina veste rosa. E “play” na fita.

Há quem desconfie que a pauta moral da pastora seja cortina de fumaça para encobrir as bombas da economia, educação, agricultura, meio ambiente etc.

Enquanto os botecos da esquina e das redes sociais pegam fogo em discussões sobre modos de homem & modinhas de fêmea, a caneta Bic ou Compactor do Messias assina medidas que protegem apenas os portadores de Montblanc e arrocha ainda mais os desprotegidos, “feios, sujos e malvados”.

Igualdade de gêneros ou menos oito reais no salário mínimo? Não deixa de ser outra pergunta para o cidadão-telespectador do seriado em cartaz. Em um país tropical esquecido por Deus — recordista em assassinatos de gays e feminicídios provocados por homens que sempre se vestiram de azul —, vejo as duas pautas como importantíssimas. Deixo o filme correr solto.

Assim como na distopia geral de Black Mirror, alguns de nós vivemos a ilusão de donos do controle remoto da fábula. Mas que nada. Como se um post lacrador ou um meme de escárnio fosse capaz de frear o horror, o horror.

Messias no comando, auxiliado por gentes e robôs, segue firme no combate ao “socialismo” da nação cujos deuses são os banqueiros, latifundiários, pastores universais da infâmia e coronéis eletrônicos da tevê. Maldito comunismo tropicaliente: quase 30% da renda do Brasil está nas mãos de apenas 1% dos habitantes do país, a maior concentração do tipo no mundo — é o que indica a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, coordenada, entre outros, pelo economista francês Thomas Piketty, conforme revelou o EL PAÍS Brasil.

Tempo de contribuição ou idade mínima para a aposentadoria? Com ou sem Justiça do Trabalho? Índio ou madeireiro na Amazônia? Terra redonda ou plana?

São tantas indagações que o filme não anda. Escolha o seu rumo na história. No GPS da vida real pós-eleições não costumamos encontrar postos Ipiranga em qualquer esquina. Nem para abastecer o carro do motorista Queiroz, condutor dos gabinetes da família oficial.

Sorria, você perdeu o controle das ações.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de “Big Jato” (editora Companhia das Letras), entre outros livros

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: