Seleccione Edição
Login

2019: guia político mundial para um ano de luta entre potências e de classes

Desaceleração econômica pode exacerbar tensões em um período marcado, entre outras coisas, pelo ‘Brexit’, as eleições europeias e a guerra comercial

Um 'colete amarelo' durante protesto em Burdeos, em 29 de dezembro.
Um 'colete amarelo' durante protesto em Burdeos, em 29 de dezembro. AFP

O ano de 2019 se apresenta como potencialmente muito turbulento, marcado por uma dupla luta que pode ser exacerbada por uma preocupante desaceleração econômica, os conflitos entre potências e entre classes.

Entre potências porque vivemos um momento de mudança, com a superpotência hegemônica – os Estados Unidos de Donald Trump – que busca de forma agressiva manter sua supremacia, com o confronto mais que com a cooperação. Isto porque a ascendente – China – se sente cada vez mais segura de si e aspira a uma maior proeminência; a decadente – Rússia – está cada vez mais insegura e, portanto, disposta a dar pontapés para reequilibrar seu declínio; e a União Europeia ainda afligida por desafios existenciais.

Entre as classes, no Ocidente, pela crescente tensão entre os setores até recentemente dominantes que defendem o modelo globalista e as classes populares que, ao se verem prejudicadas, abraçam propostas antagônicas. O nacionalismo, em poderosa ascensão nesta década, é o grande emblema em todo este panorama.

No Ocidente esse nacionalismo está emergindo como o principal catalisador da raiva e do medo das classes perdedoras na globalização. Trabalhadores que sofrem desindustrialização; classes média e baixa, sem a formação e a cultura para surfar na onda da nova economia; agricultores que sofrem concorrência de outros mercados e vivem mal, apesar dos subsídios; jovens que não encontram lugar no mundo do trabalho.

Esses segmentos sociais rejeitam o sistema que os desfavorece e culpam as elites por tê-lo moldado de maneira injusta. Apegam-se a propostas nacionalistas como vetor dessa rejeição, para confrontar as elites liberais e cosmopolitas que, junto com setores sociais protegidos (funcionários públicos, aposentados...), tendem a defender o sistema. É de onde vêm Trump, Salvini e o Brexit, assim como outros movimentos ideologicamente indefinidos, como o dos Coletes Amarelos (França) e o Cinco Estrelas (Itália).

Nas potências emergentes também o nacionalismo é a principal bandeira neste tempo. Na China, o regime autoritário o utiliza em chave interna para manter o controle sobre suas fileiras num momento de desaceleração econômica, e em chave externa para consolidar seu impulso por um reequilíbrio geopolítico global. A democrática Índia também optou pela proposta nacionalista de Narendra Modi – resta ver se será reconduzida neste ano. A Rússia vive também apegada ao nacionalismo de Putin desde o começo deste século XXI.

A saída do Reino Unido da UE, prevista para 29 de março, as eleições para o Parlamento Europeu em 26 de maio, a guerra comercial global, a luta da China para evitar uma abrupta desaceleração econômica, o pleito legislativo na Índia, a acirrada disputa entre as potências regionais no Oriente Médio etc.. Quase tudo pode ser decodificado através do prisma do nacionalismo, ainda em circunstâncias muito diferentes. Vejamos.

Brexit

A primeira-ministra britânica, Theresa May, em Londres.
A primeira-ministra britânica, Theresa May, em Londres. AP

A Britannia que governava as ondas hoje se encontra até o pescoço com as águas do Brexit. O referendo que aprovou o desligamento foi o primeiro grande símbolo da insatisfação das classes populares com as sociedades abertas. No fim de março expiram os dois anos de negociação previstos pelo artigo 50 do tratado da UE, e deve se materializar o divórcio com Bruxelas. Até onde a vista alcança, não há em Westminster uma maioria parlamentar para Brexit algum: nem o que Theresa May selou com os 27 países restante, nem qualquer alternativa.

Não se pode descartar que ao final o pragmatismo prevaleça, como está na tradição britânica, mas a esta altura ganha força a hipótese do recurso a algum mecanismo que permita ganhar tempo e evitar uma saída abrupta em março. Isto poderia ocorrer através de uma solicitação de Londres aos sócios para que concedam uma prorrogação ou, menos plausível, com uma revogação unilateral britânica da ativação do artigo 50 (direito reconhecido a Londres pelo Tribunal de Justiça da UE). Ou seja, um abandono unilateral do Brexit.

O tempo ganho abriria espaço para múltiplas opções; desde insistir na busca de um consenso em Westminster (e posterior verificação de até que ponto esse consenso seria aceitável pelos 27) ou devolver a bola para a opinião pública, através de eleições antecipadas ou outro referendo. Embora esta pareça ser a opção mais provável, não se pode descartar a perspectiva de um Brexit duro (sem acordo), que aterroriza os mercados, levando-se em conta o elevado grau de animosidade/irracionalidade do debate político britânico.

Mesmo se o pragmatismo se impuser antes de 29 de março, poderia ser necessária uma prorrogação, porque depois da votação em Westminster, na terceira semana de janeiro, será necessário um tortuoso procedimento para incorporar o combinado no novo tratado à legislação britânica.

Eleições europeias

A votação para escolher o novo Parlamento Europeu será um enorme campo de batalha onde medirão forças os defensores e antagonistas do atual modelo globalista. Pela primeira vez, estas eleições não serão uma mera transferência em escala europeia de disputas internas dos Estados membros, e sim um verdadeiro censo ideológico pancontinental. Dadas suas características (certa percepção de distância), os eventos eleitorais europeus são terreno muito fértil para o voto de protesto. Há duas cifras a ter em mente na hora de avaliar o resultado.

Em primeiro lugar, o conjunto de votos obtidos pelo núcleo do consenso europeísta – populares, sociais-democratas, liberais, verdes. Em 2009, esses quatro blocos obtiveram juntos 80% dos votos; em 2014, 70%. Em segundo lugar, a taxa de participação, em inexorável queda desde 1979 (62%) até 2014 (42%).

Embora o núcleo europeísta retenha a maioria na Câmara, um forte avanço dos grupos antagonistas seria uma mensagem política fortíssima e dificilmente evitável em um ano em que será preciso renovar os líderes das instituições (presidente da Comissão, Conselho, Parlamento, Banco Central e representante de Relações Exteriores) e confrontar assuntos complexos. A UE mantém abertos sobre a mesa pelo menos dois espinhosos dossiês nos quais a mensagem eleitoral se fará notar: um, a reforma da zona euro, na qual os líderes se propuseram a especificar avanços na constituição de um orçamento justamente no mês de junho, depois das eleições; e, dois, a questão migratória, um intricado labirinto de normas e interesses divergentes que dizem respeito ao sistema de asilo, a solidariedade interna dos 27 e a porosidade das fronteiras internas. Um sudoku insolúvel até agora.

Guerra comercial

Donald Trump e Xi Jinping, em Buenos Aires.
Donald Trump e Xi Jinping, em Buenos Aires. AP

A matéria comercial é, junto com a questão migratória, o coração da reação nacionalista ao mal-estar social no Ocidente. Muitos cidadãos percebem que a globalização produziu uma forte emigração dos empregos no setor industrial; e que os fluxos imigratórios criam uma forte concorrência pelos postos de trabalho e minguantes serviços sociais. Correta ou não, essa é a percepção de muitos, e a resposta dos líderes nacionalistas é simples: protecionismo comercial e fronteiras seladas.

A investida protecionista de Trump provocou grandes turbulências nas relações com a UE e a China. Washington obteve uma vantajosa renegociação de seu tratado de livre comércio com o Canadá e o México em 2018. Mas, obviamente, a UE e a China são atores com um peso específico muito superior.

Ao mesmo tempo, o Dow Jones está mandando mensagens inquietantes. Após um potente período de alta em 2017, o índice mercantil está claramente sofrendo, e viveu um dezembro muito negativo (perdeu cerca de 10%). Talvez estes dois fatores expliquem por que Trump aceitou uma trégua na batalha comercial com Pequim e Bruxelas. Os primeiros compassos de 2019 serão cruciais para ver se a guerra é retomada, ou se a situação se torna menos tensa.

EUA

Nos Estados Unidos há pelo menos duas dinâmicas que poderão ter um grande impacto global. Em primeiro lugar, o risco de radicalização da Administração Trump depois da saída das figuras que representavam a ancoragem de pragmatismo e experiência (Tillerson, Kelly e Mattis, para citar apenas três) em um Governo em geral bem pouco ortodoxo.

Em segundo lugar, será interessante observar a evolução do Partido Democrata. Em primeiro lugar, em sua atitude no Congresso depois de recuperar o controle da Câmara de Representantes (deputados) e, mais em geral, na apresentação dos aspirantes a candidato(a) do partido nas eleições presidenciais de 2020. Como todos os partidos de sua área, o Democrata norte-americano deve decidir entre a ancoragem centrista (que, com diferentes características, tem sido defendida pelos Clinton e por Barack Obama) ou virar à esquerda (em um eco de Sanders, seguindo a rota dos trabalhistas britânicos comandados por Jeremy Corbyn).

Há uma terceira dinâmica importante em âmbito nacional: a primeira onda de decisões de uma Suprema Corte claramente conservadora, depois das nomeações feitas por Trump.

Desaceleração chinesa

A China entrou nesta década com 10% de crescimento anual do PIB. Sairá dela provavelmente a um ritmo de 6%. Esta desaceleração do ciclo expansivo inquieta a cúpula chinesa, que menciona abertamente o assunto como um grande desafio para os próximos anos. Os líderes do Partido Comunista da China (PCC) encaram o desafio de manter vivo o contrato tácito que selou com sua população há muito tempo: prosperidade em troca da renúncia às liberdades políticas. As expectativas da população são enormes, e diretamente proporcional pode ser a frustração.

Este ano é especialmente sensível para as autoridades chinesas por causa do 30º aniversário da repressão na praça Tiananmen, do centenário do movimento estudantil que desembocou na formação do partido em 1921 e do 70º aniversário da fundação da República Popular. Cada um, à sua maneira, pode ser um catalisador de incômodas manifestações de desacordo. As autoridades investem copiosamente em ferramentas de inteligência artificial para incrementar seu controle.

Eleições na Índia e Indonésia

A primeira (Índia, 1,34 bilhão de habitantes) e a terceira (Indonésia, 265 milhões) democracias mais povoadas do mundo voltarão às urnas. O nacionalista hindu Narendra Modi buscará um novo mandato nas eleições legislativas previstas para abril e maio de 2019 na Índia. As pesquisas lhe conferem uma vantagem frente ao seu principal competidor, Raul Gandhi, do histórico Partido do Congresso. Essa eleição tem enorme importância. Uma revalidação de Modi poderia lhe dar impulso para desenvolver uma política mais abertamente nacionalista.

Também na Indonésia o atual presidente busca um segundo mandato na eleição de abril. Joko Widodo deve enfrentar, como em 2014, o ex-general Prabowo Subianto. Para dissolver as dúvidas sobre sua lassa religiosidade, Widodo escolheu como vice o líder da maior organização islâmica do país.

América Latina

Venda de camisetas com a imagem de Bolsonaro.
Venda de camisetas com a imagem de Bolsonaro. EFE

O ano de 2019 na América Latina será marcado pela dicotomia entre os primeiros compassos dos novos líderes dos dois titãs da área: Brasil e México. O populista de ultradireita Jair Bolsonaro e o populista de esquerda Andrés Manuel López Obrador enfrentam, entretanto, a tarefa em condições muito diferentes. Bolsonaro, com um Parlamento muito fragmentado, mas com uma perspectiva de grande sintonia com Washington e em meio a uma generalizada onda direitista no continente; Obrador com uma sólida maioria parlamentar, mas com a latente ameaça de graves atritos com o vizinho do norte e substancialmente isolado no continente.

O desempenho dos dois em seu primeiro ano de mandato terá importância não só para seus próprios países, mas também provavelmente para toda a região. Pelo peso de ambos, e pela tendência da América Latina ao rápido contágio transfronteiriço de experiências políticas, como mostram o movimento pendular continental para a esquerda na primeira década deste século, com a posterior maré generalizada à direita neste momento. Quem terá maior força de arrasto? O modelo Bolsonaro, ou o modelo Obrador?

Entre outros acontecimentos no continente, cabe destacar os pleitos presidenciais na Argentina, onde Mauricio Macri lutará pela reeleição ferido pelo desmoronamento econômico; e as eleições da Bolívia, onde Evo Morales procura competir pela enésima vez, apesar dos reiterados rechaços à constitucionalidade de sua candidatura.

Oriente Médio

A região enfrenta inúmeros desafios, alguns muito desestabilizadores. É preciso observar como o Irã absorve o golpe das sanções, e se o descontentamento popular irá derivar em protestos; Israel volta às urnas em abril, e Netanyahu procura se tornar o primeiro-ministro mais idoso da história do país.

A monarquia saudita tentará se estabilizar depois do grave dano sofrido por causa do assassinato do jornalista Khashoggi; O Iêmen experimenta frágeis sintomas de um possível cessar-fogo, o qual resta ver se persistirá; a Síria provavelmente avançará na tarefa de reconstrução e retorno de refugiados, com Bashar al Assad no comando sob a pax russiana. Moscou ganhou muita influência na região, enquanto os EUA estão em clara retirada.

África

O maior país do continente em população (Nigéria, quase 200 milhões) e o segundo maior em superfície (República Democrática do Congo), com mais de um quarto do tamanho do Brasil, e praticamente empatado com o maior, a Argélia) passam por processos eleitorais.

No caso do Congo, ele já começou de forma incompleta e muito polêmica. A Nigéria o encara em fevereiro. É difícil superestimar a importância de um desenrolar positivo dessas eleições.

MAIS INFORMAÇÕES