Nicolás Maduro acusa Bolsonaro de tramar sua deposição e assassinato

Presidente venezuelano diz que Brasil e Colômbia cooperam com plano dos Estados Unidos

Maduro, durante uma entrevista coletiva
Maduro, durante uma entrevista coletivaC. Hernández (EFE)

Nicolás Maduro tem oficialmente um novo inimigo: o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro. O Executivo venezuelano denunciou nesta quarta-feira, 12, que os Estados Unidos estariam preparando um plano de magnicídio com a cumplicidade os Governos brasileiro e colombiano. “Hoje venho, outra vez, denunciar o complô que se prepara na Casa Branca para violentar a democracia, me assassinar e impor um governo ditatorial na Venezuela”, disse. “Ninguém no Brasil quer que o futuro Governo de Jair Bolsonaro se meta numa aventura militar contra o povo da Venezuela”, acrescentou.

O mandatário acusou diretamente John Bolton, assessor de segurança da Casa Branca, de encabeçar o suposto complô. E aproveitou sua denúncia pública para dedicar uma série de desqualificações a seu homólogo colombiano, o direitista Iván Duque: “Ele não quer relações diplomáticas, nem políticas, nem de comunicação com o Governo legítimo da Venezuela”.

MAIS INFORMAÇÕES

O discurso do inimigo externo é recorrente no chavismo. Maduro pediu às Forças Armadas que estejam “preparadas” para um ataque estrangeiro. “Que nunca se enganem, porque vamos dar uma lição”, advertiu. Na segunda-feira, 10, o presidente havia alardeado a presença de dois bombardeiros russos, com capacidade para transportar armas nucleares, e manobras militares no aeroporto Simón Bolívar, nos arredores de Caracas. As relações entre a Rússia e a Venezuela são estreitas desde que o chavismo assumiu o poder, a exatos 20 anos. Sua aliança se baseia na troca de armas e equipamentos militares por petróleo.

A demonstração de força desagradou a Administração de Donald Trump. O secretário de Estado Mike Pompeo qualificou-a como um ato de “dois Governos corruptos esbanjando dinheiro público”. Enquanto isso, o Governo de Vladimir Putin respondeu que as palavras do norte-americano eram “inapropriadas”.

O herdeiro político de Chávez não se apoia apenas em seu homólogo Putin. Há alguns dias, gabou-se do respaldo da Turquia, país com o qual firmou acordos no valor de 5,1 bilhões de dólares (19,7 bilhões de reais). Trata-se de uma estratégia para demonstrar que não está plenamente isolado nesta reta final para o 10 de janeiro, quando toma posse em seu segundo mandato, cuja legitimidade é colocada em dúvida por vários governos democráticos. Acusam-no de ter sido reeleito em um pleito “fraudulento” e não admitido pela oposição, em 20 de maio. “Os Governos que façam o que quiserem. Se quiserem ir embora da Venezuela com seus embaixadores, podem ir todos, já!”, disse o mandatário.

Nunca antes um presidente venezuelano tinha contado com tanta reprovação na América. Mas a baixa popularidade e a rejeição não detêm Maduro, segundo quem várias das “mais importantes potências” internacionais “respeitam, apoiam e gostam” do seu Governo.

Arquivado Em: