Cúpula do G20 vê nascer ‘novo Nafta’ enquanto acordo de Mercosul e UE não avança

Liderado por Trump, pacto de livre comércio atualiza entendimento entre EUA, México e Canadá. Já Maurício Macri não logrou encaminhar tratado do bloco sul-americano com a União Europeia

Foto conjunta dos três presidentes e seus ministros, durante a assinatura.
Foto conjunta dos três presidentes e seus ministros, durante a assinatura.EFE

No centro, Donald Trump. Enrique Peña Nieto e Justin Trudeau, dos lados. O primeiro a falar, também Trump. Depois o fizeram o presidente do Canadá e o mexicano. O local escolhido: o hotel em que Trump se hospeda em Buenos Aires, onde está para participar da reunião do G20. As testemunhas: somente a imprensa que acompanhou as comitivas e dezenas de funcionários de alto escalão. A execução da assinatura do novo acordo comercial entre os Estados Unidos, o México e o Canadá, o T-MEC ou USMCA, na sigla em inglês, que substituiu o antigo Nafta (North American Free Trade Agreement, ou tratado norte-americano de livre comércio) esteve longe da pompa televisionada com a qual o presidente norte-americano anunciou o fim das negociações em 1º de outubro. Mas deixou bem claro quem manda nessa história.

Mais informações

A assinatura do T-MEC em Buenos Aires não deixa de ser paradoxal. Um acordo pactuado bem ao norte da América é assinado bem ao sul. Enquanto isso, no Mercosul, o mercado integrado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, há anos tem negociações fracassadas com a União Europeia para acertar um tratado comercial. Macri sonhava em assinar o acordo no G20, mas não conseguiu. O presidente da França, Emmanuel Macron, foi claro no quinta-feira. Após se reunir com seu homólogo argentino, disse que as relações com a Argentina são as melhores, mas que ainda persistem diferenças insuperáveis à realização de um tratado de livre comércio com o bloco sul-americano.

Questionado sobre as declarações de Macron, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse que vai procurar "fazer o melhor". "Somos responsáveis com o meio ambiente, mas não podemos ter gente no [Ministério do] meio ambiente com pensamento xiita", disse Bolsonaro. Durante agenda em Guarantinguetá (SP), o presidente eleito mencionou apelo de Macri ao futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sobre o acordo com a União Europeia. O argentino teria recomendado “ter um pouco mais de paciência”. “A partir do momento que requerem diminuir a quantidade de exportáveis nossos, essas commodities, logicamente, não pode contar com nosso apoio. Mas não é um ‘não’ em definitivo, nós vamos é negociar”, disse Bolsonaro.

USMCA

Para Peña Nieto, o acordo com EUA e Canadá foi seu último ato como presidente: deixará o cargo neste sábado, 1º de dezembro, quando Andrés Manuel López Obrador tomará o comando da segunda maior potência latino-americana, atrás do Brasil. “Eu o cumprimento por acabar sua presidência com esse incrível feito”, disse Trump em seu habitual tom hiperbólico, e se despediu do mexicano. Antes da assinatura, o ainda chefe de Estado e de Governo mexicano condecorou — apesar da enorme polêmica — com a maior distinção nacional, a Ordem da Águia Asteca, Jared Kushner, genro de Trump e uma das figuras fundamentais nas negociações apesar de não ter cargo formal no organograma da Casa Branca.

A presença dos presidentes foi puramente protocolar. Após seus discursos, os três assinaram, sentados na mesma mesa, onde ordenaram seus ministros do Comércio — autênticos negociadores do texto. Estiveram com eles o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer; o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo, e a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland. Os três países, a partir de agora, farão suas trocas comerciais sob novas regras, após negociar mudanças no Tratado de Livre Comércio da América do Norte (TLC), o marco que os unia desde 1994. As negociações, ásperas, foram para Trump uma vitória política. E deixou isso claro na sexta-feira em Buenos Aires.

“Esse é provavelmente o maior acordo comercial jamais alcançado, um modelo de acordo que modifica para sempre o panorama do comércio. Todos os nossos países se beneficiarão muito”, disse sobre o pacto. Depois prometeu “trabalhos bem pagos no setor das manufaturas”, e “um tratado fenomenal aos agricultores” dos EUA. Foi um discurso aos norte-americanos, aos quais prometeu insistentemente durante meses que conseguiria um tratado “mais justo” para os trabalhadores de seu país ou sairia do acordo comercial que permitiu a criação da maior área de livre comércio do mundo e que multiplicou as trocas entre os três países. Seus dois parceiros escutavam ao seu lado em uma cena que lembrava muito a de três meses atrás, com Trump ouvindo seu homólogo mexicano pelo telefone no Salão Oval: todos os holofotes, à época e agora, estavam no norte-americano. “Os acordos comerciais não podem permanecer estáticos, precisam avançar de acordo com as necessidades de nossa economia”, acrescentou por sua vez Peña Nieto nesta sexta-feira, em uma de suas últimas falas como presidente.

O novo pacto foi assinado sob a sombra das taxas alfandegárias. A intenção do México e do Canadá foi chegar a esse dia sem as tarifas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio impostas pelos EUA. Mas por fim aceitaram que esses impostos continuarão vigentes, à espera de novas negociações. Para o México, entretanto — e cessões à margem —, a assinatura do acordo é uma boa notícia: Washington é, de longe, seu maior investidor e seu primeiro parceiro comercial — 80% de suas exportações acabam no vizinho do norte —, especialmente no setor automobilístico. Essa indústria concentra o grosso das concessões mexicanas para que o tratado fosse assinado: uma porcentagem dos carros fabricados na América do Norte precisará ter um conteúdo mínimo produzido em regiões de alto salário — EUA e Canadá, o México fica implicitamente incluído —; o capítulo trabalhista será reforçado, um dos pontos em que se apoiou a competitividade mexicana nas últimas décadas — o salário manufatureiro é até seis vezes menor no México do que nos seus parceiros regionais —; e em propriedade intelectual, com mudanças nas patentes farmacêuticas que afetarão as operações dessa indústria em solo mexicano.

Trump pôde hastear o T-MEC como arma contra os que o acusam de dinamitar as regras do livre comércio. De qualquer maneira, as formas do ato de sexta-feira em Buenos Aires deixaram claro que os Estados Unidos defenderão as trocas globais, mas sob suas regras. Assim são as negociações em tempos de Trump.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: