Seleccione Edição
Login

Centro-esquerda latino-americana pede uma frente anti-neoliberal dias antes do G20

Dilma Rousseff e Cristina Kirchner participam de fórum do pensamento crítico em Buenos Aires.

Fernando Haddad e Manuela d'Ávila também são convidados para o evento, que acontece até o dia 23

Dilma Rousseff pede a libertação de Lula com a mão esquerda e faz o V do movimento peronista com a direita
Dilma Rousseff pede a libertação de Lula com a mão esquerda e faz o V do movimento peronista com a direita AFP

Afastados do poder nos grandes países da América do Sul, ex-dirigentes de centro-esquerda regionais escolheram se reencontrar em Buenos Aires, sede da iminente reunião do G20, que começa no dia 30 de novembro. Reivindicaram conquistas de direitos sociais que agora veem em perigo, mas também pediram unidade para deter o avanço da direita. “Voltaremos, voltaremos, nós voltaremos”, cantavam na tarde desta segunda-feira, 19, milhares de pessoas no estádio Ferro Carril Oeste quando a ex-presidenta argentina, Cristina Kirchner, subiu ao palco. “Devemos criar uma nova categoria de frente social cívica patriótica em que se agrupem todos os setores que são agredidos pelas políticas do neoliberalismo que não é de direita e de esquerda”, disse Kirchner durante seu discurso no primeiro Fórum mundial de pensamento crítico. “Precisamos da mais ampla frente democrática possível” contra o neoliberalismo e o neofascismo, disse algumas horas antes a ex-mandatária brasileira Dilma Rousseff, recebida aos gritos de “Lula livre”.

As duas políticas foram as estrelas do primeiro dia do fórum organizado pelo Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (Clacso) dez dias antes da reunião de chefes de Estado do G20. No fórum também está prevista a participação do petista Fernando Haddad, que ficou em segundo lugar na corrida presidencial brasileira e da vice em sua chapa, Manuela d'Ávila (PCdoB), além dos ex-presidentes José Mujica (Uruguai) e Ernesto Samper (Colômbia). Mas estarão ausente os líderes governantes que resistem ao giro à direita continental, como o boliviano Evo Morales e o uruguaio Tabaré Vázquez. “O G20 é a contra-reunião, porque eles se fecham para discutir o que nunca dizem: eles não dialogam com o povo”, disse o secretário-geral do Clacso, Pablo Gentili, entre aplausos do público.

Quase 50.000 pessoas se inscreveram para participar no Fórum, mas somente uma pequena parte pôde entrar no estádio, que no começo da segunda-feira feira de feriado já estava lotado. Milhares de pessoas invadiram as ruas e trilhos de trens ao lado. Ao ver que não podiam entrar optaram por acompanhar os discursos em telas gigantes colocadas na rua e pela Internet em suas casas. Dentro, nas primeiras filas, estavam políticos, prefeitos e ex-ministros kirchneristas ao lado de vários dirigentes sindicais.

Cristina Kirchner, no estádio Ferro Carril, em Buenos Aires
Cristina Kirchner, no estádio Ferro Carril, em Buenos Aires AFP

Dilma destacou a importância do encontro em Buenos Aires, realizado poucas semanas depois da eleição do ultradireitista Jair Bolsonaro como novo presidente do Brasil. “Venho principalmente conversar com nossa América Latina, a que hoje os que venceram as eleições estão dando as costas”, disse a ex-mandatária. O bloco regional Mercosul - formado por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai - não será uma prioridade para Bolsonaro, como deixaram subentendido membros de seu futuro Governo.

Para Dilma, o julgamento político responsável por seu impeachment “foi feito para devolver o Brasil ao neoliberalismo” e alertou sobre o uso perverso das notícias falsas através das redes sociais durante a campanha eleitoral. “Essa eleição criou um novo território de disputa, que não precisou da participação de organizações partidárias. Se os Estados Unidos usaram o Facebook, o Brasil usou o WhatsApp”.

Cristina Kirchner também entrou no debate sobre a manipulação nas redes sociais: “Estamos em uma sociedade onde através dos meios eletrônicos você é estudado e segmentado como se fosse um rato de laboratório, dizendo o que você quer ouvir. Não é A Vida dos Outros, mas não se parece muito?”. A atual senadora também pediu para “repensar novas arquiteturas institucionais” que deem conta do mundo atual e permitam regular atores que antes não existiam, como as empresas transnacionais e os órgãos de crédito.

Ovacionada por seus seguidores e visivelmente relaxada apesar do calor, a ex-presidenta argentina transformou seu discurso em um comício em que atacou a política econômica de Mauricio Macri. O endividamento, o resgate pedido ao Fundo Monetário Internacional, a inflação anual superior a 40% e o aumento da pobreza foram algumas das críticas dirigidas contra o Governo da aliança conservadora Mudemos. A ex-mandatária denunciou também o discurso xenófobo que ganha força no continente: “Existem alguns Hitlers modernos que acusam os imigrantes de ser os responsáveis pela falta de trabalho em um país. A falta de trabalho deve ser procurada nas políticas públicas implementadas”, frisou.

Cristina Kirchner, possível candidata à presidenta em 2019, perguntou “o que fazer quando a pessoa chega ao governo e faz o contrário do que disse em campanha”, ao citar várias das promessas não cumpridas de Macri, como a diminuição de impostos aos trabalhadores e aos empresários e o controle da inflação. A crise econômica da Argentina e a queda de popularidade de Macri a fazem sonhar com um retorno ao poder.

MAIS INFORMAÇÕES