Jorge Drexler, o grande vencedor do Grammy Latino

Artista uruguaio ganhou os prêmios de melhor música, gravação do ano e álbum de cantor e compositor

O cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler no Grammy Latino.
O cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler no Grammy Latino.ROBYN BECK (AFP)
Mais informações

O compositor uruguaio Jorge Drexler foi coroado como o grande vencedor da 19ª edição do Grammy Latino. Sua canção, Telefonía, ganhou os maiores prêmios: melhor música e gravação do ano. E seu disco, Salvavidas de Hielo, recebeu o prêmio de melhor álbum de cantor e compositor. Drexler foi o protagonista de uma das edições mais surpreendentes dos últimos anos. Uma cerimônia que deu uma guinada e com Drexler estabeleceu um precedente: o latino nem sempre é reggaeton. Foi o que disse o artista ao receber um dos três prêmios, incentivando a acabar com a rivalidade entre os gêneros: “Viva Borges, Pessoa. Mas também viva a cumbia e o reggaeton!”.

J Balvin, o rei do gênero urbano, indicado para oito prêmios, chegou a esta edição como favorito, mas subiu apenas uma vez ao palco. Seu disco Vibras, que estava entre as categorias mais relevantes, ganhou o prêmio de melhor álbum de música urbana. Seus temas X, Mi Gente e Sensualidad – os três indicados em uma categoria de cinco – perderam para o bem-sucedido Dura, de Daddy Yankee. O caso de Balvin foi a surpresa da noite. Yankee nem sequer compareceu à cerimônia.

Rosalía deixa Las Vegas com dois prêmios nas mãos: melhor música alternativa e melhor fusão urbana. Mas, acima de tudo, com a oportunidade de ter mostrado sua arte a todo o continente. Sua atuação na cerimônia foi uma das mais espetaculares da noite. A catalã irrompeu em Las Vegas sentada em uma vitrine de joalheria, usando um vestido branco cujo corte já é sua marca registrada, coroada por um letreiro luminoso anunciando seu hit, Malamente, a um auditório para o qual ainda é uma descoberta. Depois de receber os prêmios, fez um dos discursos mais comprometidos da noite: “Nunca vou parar de lutar até ver o mesmo número de mulheres que de homens em um estúdio de gravação”. E entre seus agradecimentos, fez um especial: “Quero agradecer àqueles que estão nesta indústria, que me ensinaram que é possível e graças a eles eu estou aqui”.

O grupo mexicano Maná, que recebeu o prêmio de Personalidade do Ano das mãos de Miguel Bosé, quis lembrar os migrantes que chegaram nestes dias à fronteira. Fher, o vocalista do grupo, disse que eles visitaram alguns dos abrigos no México e fez um apelo à solidariedade internacional. “Sabemos que há uma formalidade legal que impede que todos atravessem as fronteiras, mas é preciso tentar integrá-los, encontrar uma forma. Nós fomos integrados neste país”, disse o vocalista. O Maná, que não fazia um show há dois anos, anunciou na quinta-feira que em 2019 lançará um novo álbum e sairá em turnê.

O momento mais tenso da noite veio com o prêmio para o melhor disco do ano. Naquele momento, aconteceu o inesperado. Uma sorridente Thalía, irônica com o público, anunciou contente o vencedor de uma das categorias mais importantes: Luis Miguel. México por Siempre, o disco do ano. Um álbum que tinha passado despercebido nesta edição, inclusive para o cantor, que tampouco compareceu para receber o prêmio. Pouco depois de a cantora mexicana ter pronunciado o nome do amigo, a plateia vaiou estrepitosamente o resultado. Tanto que Thalía teve de pedir silêncio e encerrar a polêmica com uma brincadeira que nunca falha: “Não se preocupem, eu vou entregar pessoalmente”.

Depois da cerimônia, Drexler comentou a surpresa de sua vitória: “A vida me coloca em situações tão pouco previstas, a verdade é que eu deixei de raciocinar em função das expectativas”. Sobre a tradicional rivalidade no prêmio entre pop, rock e música urbana, o artista quis resolver a questão diplomaticamente: “O que está acontecendo com o reggaeton também aconteceu com o tango na sua época, eu adoro vê-lo nos clubes de todo o mundo. Conseguimos mover corações e quadris, vamos continuar fazendo isso. Não vamos estabelecer mais categorias”.

O uruguaio também prestou uma homenagem a Rosalía, que, juntamente com J Balvin, se destacou pelo número de indicações para ser uma das vencedoras da noite: “Dediquei-me a admirar os versos de Rosalía e de C. Tangana, que se recuperaram o romanceiro espanhol. Vamos fazer uma música como Di Mi Nombre, de Rosalía, entrar todas as emissoras do continente”.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: