Campos Neto, diretor do Santander, vai presidir o Banco Central de Bolsonaro

Atual secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, segue no cargo. Funções foram definidas por Paulo Guedes

O ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes.
O ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes.SERGIO LIMA (AFP)
Mais informações

O Governo de Jair Bolsonaro (PSL) definiu nesta quinta-feira mais dois nomes para a área econômica. O presidente do Banco Central será o economista Roberto Campos Neto, atual diretor do banco Santander. E o economista Mansueto Almeida aceitou o convite para permanecer na Secretaria do Tesouro Nacional. As informações foram reveladas pelo jornal Valor Econômico no início da tarde e confirmadas ao longo do dia pela assessoria de imprensa do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Em janeiro, nome de Campos Neto será levado ao Senado, que terá a incumbência de aprová-lo ou não. Até lá, a diretoria da instituição permanece como está.

Até o início desta semana havia a previsão de que o atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, seguiria na função, mas ele teria dito a Guedes que não teria interesse em ficar na função por razões familiares. Tanto Guedes como Goldfajn defendem a autonomia do Banco Central e essa será uma das metas de Bolsonaro junto ao Congresso Nacional já no início de sua gestão. A expectativa é que Campos Neto também siga essa cartilha. Já tramita no Senado um projeto defendido pelo futuro chefe da economia que prevê que o mandato da diretoria do BC seja fixo e não coincidente com o do presidente da República. Além disso, a política monetária que passaria a se preocupar com o controle da inflação, o crescimento econômico e a geração de empregos. O modelo é semelhante ao do Federal Reserve, que é o Banco Central dos Estados Unidos.

A escolha pelo profissional do Santander tem seguido um método característico de Bolsonaro. Primeiro, lança alguns balões de ensaio. Sente qual será a recepção junto ao meio político e econômico. Depois, anuncia como se nunca tivesse havido outro candidato ao cargo. Isso ocorreu em ao menos quatro ministérios divulgados recentemente: Ciência e Tecnologia, Agricultura, Defesa e Relações Exteriores. Os outros três ministérios que já tiveram suas indicações oficializadas – Economia, Casa Civil e Justiça – não foram alvo dessa estratégia. Os dois primeiros já tinham os nomes definidos durante a campanha, Guedes e Onyx Lorenzoni. Já para a Justiça, a escolha por Sérgio Moro surpreendeu até a parte do núcleo duro de presidente eleito.

Campos Neto é reconhecido como um profissional com perfil técnico. É o atual responsável pela Tesouraria do Santander. É especialista em finanças pela Universidade da Califórnia. Está no banco espanhol há quase 18 anos. O economista é neto de Roberto Campos, um economista liberal que foi ministro do Planejamento durante o regime militar brasileiro, na gestão Castelo Branco.

Já Mansueto Almeida está no Tesouro Nacional desde o início de 2018. Já ocupou funções públicas no Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e no próprio Ministério da Fazenda. Doutor em políticas públicas é uma das principais referências entre os economistas liberais brasileiros.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: