Lula entrega a Haddad a missão de levar o PT ao segundo turno

Ex-prefeito de São Paulo tem três semanas para convencer o eleitorado de que é o verdadeiro herdeiro de Lula

Depois de esticar a decisão oficial até o último momento possível, o Partido dos Trabalhadores (PT) confirmou nesta terça-feira o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como seu candidato à Presidência da República. Haddad assume o lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cabeça da chapa petista, com a tarefa de levar o partido ao segundo turno e de mostrar aos eleitores que é o verdadeiro herdeiro político do ex-metalúrgico, preso há cinco meses condenado em Curitiba condenado por corrupção e lavagem de dinheiro e, por isso, impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa. A troca ocorreu no último dia do prazo dado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o partido indique o substituto de Lula, cuja inelegibilidade foi declarada em 1º de setembro.

Mais informações

"Levamos a candidatura de Lula até o limite possível", afirmou ao EL PAÍS um membro da Executiva Nacional do PT, que se reuniu na capital paranaense para sacramentar a unção de Haddad. A decisão oficial do partido foi anunciada na porta da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está detido desde abril e de onde ele vem conduzindo diretamente a campanha e as negociações políticas. Em cima de um modesto palco, um dos fundadores do PT, o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, leu uma carta escrita pelo ex-presidente na qual ele afirmou que teve que tomar uma decisão no limite imposto pela Justiça. Um dos presidentes mais populares da história recente e líder nas pesquisas de intenção de voto para as eleições de outubro capitulava, derrotado pela Operação Lava Jato que o condenou, em nome de não jogar a perder o futuro a possibilidade de recuperação de um partido em crise. "Eu sei que um dia a verdadeira Justiça será feita e será reconhecida minha inocência. E nesse dia eu estarei junto com o Haddad para fazer o Governo do povo e da esperança. Nós todos estaremos lá, juntos, para fazer o Brasil feliz de novo", disse ele, na carta. "Fernando Haddad será Lula para milhões de Brasileiros", complementou. "Até a vitória."

Na sequência, um emocionado Haddad disse sentir "a dor de muitos brasileiros e brasileiras que não verão o presidente que escolheram subir a rampa do Palácio do Planalto”. Exaltou os programas do Governo Lula, com destaque para os de educação que ele usará na campanha, e insistiu na mensagem do partido nos últimos anos, de atribuir às elites do país uma sorte de perseguição contra o PT por causa do rechaço à ascensão social dos mais pobres. Não mostrou a desenvoltura do mentor na hora de discursar: "É hora de sair para a rua de cabeça erguida e ganhar essa eleição. Vamos ganhar por Lula, pelo PT e pelos movimentos sociais", pediu. Ao lado dele estava sua vice Manuela D'Ávila, do PCdoB, a principal sigla aliada na coligação. Manuela, que desistiu de candidatura própria pelo posto, não discursou.

A operação de substituição do maior líder petista pelo ex-ministro da Educação cumpriu um ritual arrastado. Na segunda-feira, Haddad esteve por duas ocasiões com Lula e cancelou sua participação num ato político em São Paulo que estava previsto para a noite. Dormiu em Curitiba e, na manhã desta terça, se encontrou de novo com o ex-presidente. Deixou a prisão com a carta, posteriormente projetada em um telão da reunião da Executiva. Carimbada a troca entre os dirigentes partidários, Haddad e as principais figuras do PT, dentre as quais a ex-presidente Dilma Rousseff, retornaram à Superintendência da Polícia Federal, onde um ato político foi preparado. Tanto a carta lida por Greenhalgh como os militantes que estavam acampados nos arredores da PF em apoio a Lula foram gravados pela campanha para ser usado como material no horário eleitoral.

A decisão coloca um fim no imbróglio da candidatura petista, que nos últimos dias focou em tentar suspender a decisão da Justiça Eleitoral que declarou o ex-presidente inelegível ou em tentar, ao menos, adiar o prazo limite da sucessão. Os advogados do petista usavam como base para os pedidos a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU para que o Brasil garanta os direitos políticos de Lula até o trânsito em julgado de sua sentença. Mas, como era previsto pelo próprio partido, não houve sucesso. Com isso, o PT foi obrigado a desencadear a sucessão, sob pena de descumprir uma decisão da Justiça, o que abriria a brecha para que toda a chapa presidencial fosse questionada e, eventualmente, cassada.

Largada da campanha e divisões internas

Haddad inicia agora, de fato, a campanha eleitoral. Oficialmente, a largada oficial será nesta quarta, com uma reunião da coordenação da candidatura em São Paulo. Ele precisa, ao longo das próximas três semanas, sair do patamar de 9% que o coloca embolado no segundo lugar, ao lado de Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (REDE) e Geraldo Alckmin (PSDB), de acordo com a pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira, para tentar chegar ao segundo turno. Precisa, ainda, mostrar que é o real representante de Lula, especialmente na região Nordeste, onde Ciro Gomes, bastante ligado ao ex-presidente no Ceará, tem conseguido aumentar sua projeção nos últimos meses. Uma de suas dificuldades será a de ultrapassar a imagem de acadêmico paulistano, que por vezes rendeu a ele a pecha de ser um petista tucano. Para isso, o partido investe até o momento na estratégia de focar sua propaganda no número 13 e menos na trajetória política de Haddad.

A demora em indicar o nome petista viável para concorrer as eleições dividiu o partido. A ala de Haddad esperava que isso ocorresse antes, mas havia resistência de outra parte da sigla, especialmente ligada à presidenta da sigla Gleisi Hoffmann que acreditava que era preciso insistir no nome de Lula, para mostrar que o ex-presidente não havia sido abandonado — eles também avaliavam que, assim, a transferência de votos poderia acontecer mais facilmente. A demora também desagradou parte dos aliados. Um integrante da cúpula do PCdoB ouvido pela reportagem criticou a demora na definição em conversa com o repórter Gil Alessi. "Minha avaliação, que é compartilhada por muitos no partido, é de que essa demora foi um erro grave", afirmou. Ainda de acordo com ele, essa indefinição em uma eleição de "tiro curto", devido ao pouco tempo de campanha, ajuda a "pulverizar os votos de Lula entre candidatos do campo da esquerda", disse, citando Ciro Gomes. Mesmo a melhora no desempenho do ex-prefeito na última pesquisa Datafolha não foi vista como um resultado "ótimo": "Temos pouquíssimo tempo para crescer, perdemos um tempo precioso".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: