Facebook elimina 650 páginas falsas ligadas à Rússia e ao Irã que procuravam influenciar vários países

Campanha de desinformação era dirigida aos EUA, Oriente Médio, América Latina e Reino Unido

Mark Zuckerberg em uma das sedes de Facebook.
Mark Zuckerberg em uma das sedes de Facebook.Marcio Jose Sanchez (AP)

O Facebook eliminou 652 páginas, grupos e contas falsas de duas campanhas de desinformação não vinculadas —organizadas por Rússia e Irã— dirigidas a pessoas em todo o mundo, anunciou a empresa nesta terça-feira. Diferentemente das operações identificadas anteriormente, cuja origem era situada na Rússia, agora são dois os países que abrigam hackers e múltiplos alvos, de acordo com a empresa de segurança cibernética FireEye.

Mais informações
Quem espalha desinformação? E quem não espalha?
Facebook retira do ar rede ligada ao MBL antes das eleições
Grupos direitistas difundem ‘fake news’ para criticar combate do Facebook às ‘fake news’

“Eliminamos 652 páginas, grupos e contas por causa de comportamentos não autênticos coordenados que se originaram no Irã e eram veiculados através de vários serviços de Internet no Oriente Médio, na América Latina, no Reino Unido e nos EUA”, diz em seu blog Nathaniel Gleicher, diretor de segurança cibernética da rede social.

Poucos dias atrás, o Facebook encerrou 32 páginas e perfis falsos na rede social e no Instagram por integrarem um esforço “coordenado” para espalhar desinformação sobre questões políticas e sociais críticas para Donald Trump. Embora ainda não se saiba de onde são os hackers, cujas mensagens alcançaram 290.000 usuários, Mark Zuckerberg revelou que o padrão guarda alguns paralelos com a ação dos hackers russos durante a campanha de 2016. Naquele ano, foram criados centenas de perfis falsos para compartilhar mensagens polêmicas em questões relacionadas a raça, controle de armas e meio ambiente. O objetivo era favorecer Trump.

O episódio das últimas eleições presidenciais é um alerta para as empresas tecnológicas às vésperas das eleições legislativas em novembro. Os serviços de inteligência já advertiram que, provavelmente, haverá novas tentativas de interferência de hackers russos e estão trabalhando para descobrir qualquer ataque a quatro meses das eleições nos EUA.

A revelação do Facebook vem um dia após a Microsoft anunciar a eliminação de seis sites criados pelo grupo russo APT28. Dois dos sites falsos imitavam os think tanks de Washington que criticaram a Rússia: o Instituto Republicano e o Instituto Hudson. Os outros passavam por sites relacionados ao Senado dos EUA. O objetivo era fazer os usuários acreditarem que estavam acessando sites conhecidos quando, na realidade eram redirecionados a sites falsos onde os hackers poderiam roubar suas senhas e outros dados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS