Eleições 2018

A estratégia de alto risco do PT na tentativa de transferir votos de Lula para Haddad

Ex-prefeito apresenta baixas intenções de votos. Mas quando eleitores são perguntados sobre o que fariam se ele tivesse o apoio de Lula, Haddad se torna mais viável eleitoralmente

Fernando Haddad grava um vídeo de campanha em frente à superintendência da Polícia Federal onde Lula está preso.
Fernando Haddad grava um vídeo de campanha em frente à superintendência da Polícia Federal onde Lula está preso. Rodolfo Buhrer (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Com o crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas pesquisas de opinião, o PT inicia a corrida eleitoral tentando descobrir a solução para uma equação que deve se tornar uma verdadeira obsessão dos dirigentes do partido nas próximas semanas: Fernando Haddad, vice na chapa petista e substituto de Lula caso a Justiça Eleitoral barre a sua candidatura, conseguirá herdar votos suficientes do seu padrinho político para chegar ao segundo turno?

As três sondagens divulgadas após o início oficial da campanha trouxeram dados divergentes sobre o poder de transferência de Lula, que chega ao patamar de 37% das intenções de voto tanto no levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) quanto na do Ibope; no Datafolha, desta quarta, ele alcança 39%. Na da CNT, 17,3% dos que manifestaram voto no ex-presidente disseram que, se ele for impedido de concorrer, passariam a apoiar Haddad (é importante destacar que a pergunta não mencionava que o ex-prefeito de São Paulo seria apoiado por Lula). Isso coloca Haddad com cerca de 6,5% da preferência do eleitorado, um ponto de partida frustrante para as ambições da legenda de reconquistar o Palácio do Planalto. No Datafolha mais recente, no entanto, que questionou se os pesquisados votariam em um candidato apoiado por Lula, 48% disseram "não", enquanto 31% afirmaram que "sim" e outros 18% que "talvez" —num cenário sem Lula, Haddad, entretanto, aparece com apenas 4% das intenções de voto, empatado num distante quinto lugar com Álvaro Dias (Podemos).

A do Ibope, por outro lado, associou Lula diretamente a Haddad em uma das perguntas. Se o ex-presidente for tirado da disputa e declarar apoio a seu vice, 13% dos entrevistados afirmaram que votariam em Haddad “com certeza” — outros 14% disseram que “poderiam votar” nele. Longe de ser um começo ruim para quem ainda é desconhecido de boa parte do eleitorado, o levantamento trouxe, entretanto, um dado que preocupa para o PT. No mesmo item, quando os entrevistados são perguntados sobre o que fariam se a candidatura de Lula for impugnada, 60% afirmaram que “não votariam em Haddad de jeito nenhum”.

“A gente não consegue mensurar muito bem ainda a força de transferência de votos”, avalia Marco Antonio Teixeira, cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo o especialista, as formas diferentes como os questionários foram formulados, por exemplo, influenciam nos resultados divergentes. “Ela [a força de transferência de votos] só vai ficar clara quando a candidatura de Lula não existir”, argumenta.

Lula foi preso em abril no âmbito da operação Lava Jato, condenado em segunda instância por, segundo a Justiça, ter aceitado um tríplex no Guarujá como propina de uma empreiteira. Por isso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve declarar Lula inelegível com base na Lei da Ficha Limpa, mas desde a prisão do ex-presidente o PT redobrou a aposta na candidatura do seu maior líder. Não que os aliados de Lula acreditem numa reviravolta no Judiciário que libere a candidatura do ex-presidente no último instante, mas apostam que a estratégia de insistir no capital político (e na vitimização) de Lula surtirá resultados. Para se ter uma ideia, no Ibope divulgado nesta segunda, o ex-presidente reúne 47% dos votos válidos, um desempenho que, para qualquer postulante sem os obstáculos legais no caminho do ex-mandatário, significaria chances reais de levar o pleito ainda no primeiro turno.

A expectativa, neste momento, é que o Tribunal Superior Eleitoral julgue o registro de Lula até o final deste mês, portanto antes do início do horário eleitoral gratuito, em 31 de agosto.

“Fato acachapante”

As reações de petistas ouvidos pelo EL PAÍS às pesquisas têm ido em duas direções. Primeiro, dizem que o potencial de transferência medido pelo Ibope, de 13%, é positivo neste momento. Segundo, minimizam a alta parcela de entrevistados que, caso Lula seja impedido de concorrer e declare apoio a Haddad, disseram que não votariam no ex-prefeito paulistano “de jeito nenhum”. “Essa pergunta mostra um cenário em que o Lula só transfere a rejeição para o Haddad, o que não é crível”, avalia o ex-presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia. "Eu acho um número estranho, a rejeição ao Haddad não é tão alta. De qualquer forma, a rejeição é trabalhada durante a campanha e é uma questão que importa muito mais no segundo turno", complementa um ex-ministro petista.

Existe entre as lideranças do PT a avaliação de que qualquer estimativa do real poder de transferência de votos é quase impossível de ser feita a esta altura. Trata-se de algo que vai depender, dizem, dos efeitos da campanha de comunicação que a sigla prepara para associar Haddad a Lula; da forma como o ex-prefeito poderá aparecer nos primeiros programas de rádio e tevê, caso a impugnação não ocorra antes do horário eleitoral; e, inclusive, do quanto o partido conseguirá adiar a troca lembrando que o prazo final para a substituição de candidato é 17 de setembro. 

Um parlamentar argumenta, por exemplo, que o potencial de migração de votos só será “mensurável” quando o “fato político se impuser”. “O fato em si [a impugnação de Lula e a sua substituição] será acachapante. É óbvio que o potencial real só será medido com o fato concreto em si, se ele vier a ocorrer”, diz.

Até lá, o Q.G. da campanha Lula-Haddad corre contra o tempo para tornar o ex-prefeito de São Paulo mais conhecido e, principalmente, para colar sua imagem na do ex-presidente. Foi publicado nesta terça nas redes do partido um vídeo em que Haddad, em meio a cenas do comício que o ex-presidente improvisou horas antes da sua prisão em abril, é apresentado como “vice-presidente do Lula”. Na peça, Haddad afirma que andará por todos os cantos do Brasil levando “as ideias e sonhos” do líder petista.

Não por acaso, a largada desse esforço de tornar Haddad conhecido começou pelo Nordeste, que se consolidou como o maior bastião de votos do partido nas últimas eleições presidenciais. Depois de desembarcar no Piauí, Haddad passou esta terça-feira em Salvador, de onde seguirá para Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão. Na semana seguinte, nova investida, dessa vez por Pernambuco, Ceará e Alagoas.

A aposta do PT pelo Nordeste encontra eco nos dados do Ibope. Quando perguntados o que fariam caso Lula, uma vez impedido, declarasse seu apoio a Haddad, o número de entrevistados da região que dizem que votariam no ex-prefeito paulistano “com certeza” sobe quase dez pontos percentuais em relação à média do Brasil: vai para 22%. “Quando a coisa for consumada [a impugnação do Lula] o Haddad precisa estar mais conhecido. Então ele está dando aquele rolé pelo Nordeste”, brinca um dirigente do PT da Bahia.

O cenário altamente atípico das eleições atuais (o líder das sondagens preso e virtualmente inelegível, cujo capital político, segundo as atuais pesquisas, se converte em votos brancos, nulos e se fragmenta em maior ou menor grau entre quatro candidatos) faz com que a equação crucial deste pleito esteja longe de ser resolvida. A única certeza é que será uma aposta de alto risco para o PT. Até o momento, o o partido parece disposto a levá-la adiante.

Arquivado Em: