O “monstro da xenofobia” ronda a porta de entrada de venezuelanos no Brasil

Após ataque a imigrantes em Pacaraima, divisa com a Venezuela, refugiados expõem medo e brasileiros revoltados cobram soluções

Imigrantes chegam em Pacaraima.
Pacaraima (Roraima)

Um nó diplomático vai se adensando na cidade de Pacaraima, em Roraima, na fronteira com a Venezuela, desde que, no dia 18 de agosto, um grupo de brasileiros destruiu acampamentos improvisados de centenas de imigrantes. As imagens gravadas e distribuídas nas redes sociais correram o mundo para revelar a tensão entre as populações dos dois países. De um lado, o desesperado êxodo venezuelano. De outro, a falta de preparo do Brasil para lidar com os novos refugiados.

A gota d'água para  justificar o ataque aos imigrantes foi a notícia de que um comerciante de Pacaraima, Raimundo Nonato, havia sido roubado e espancado, um crime cometido supostamente por quatro venezuelanos. A polícia investiga o caso. Enquanto isso, 1.200 venezuelanos já foram expulsos após os ataques dos habitantes da área.

“Não é que não queremos os venezuelanos, mas temos que colocar os venezuelanos bandidos no seu devido lugar, como esses que me torturaram. A Polícia Federal precisa puxar os antecedentes dos imigrantes na fronteira”, disse Nonato ao EL PAÍS. Com alguns pontos na cabeça e o olho direito roxo, ele afirma que o crime que sofreu é uma das provas de que a imigração venezuelana em Roraima saiu do controle.

O comerciante Raimundo Nonato, que disse ter sido agredido por venezuelanos.
O comerciante Raimundo Nonato, que disse ter sido agredido por venezuelanos.

Em Pacaraima vivem 12.000 pessoas. Há meses, cerca de 800 venezuelanos chegam diariamente, sem que a cidade tenha infraestrutura suficiente para atendê-los, o que levou o rechaço aos refugiados  a crescer até o ponto do ataque aos acampamentos. "Eu teria feito o mesmo", diz o comerciante ferido, quase uma semana depois.

Após o episódio de violência, o número de imigrantes que cruzaram a fronteira em Pacaraima se reduziu. Segundo profissionais da triagem, as longas filas no posto de identificação, que eram diárias até a semana antes do ataque, desapareceram. O medo de ser atacado tem sido maior do que o de ficar na Venezuela. É o que contam os irmãos Roger, de 23 anos, e José, de 25 anos, que, na quarta-feira buscavam um lugar onde passar a noite. Fugindo do flagelo que se instalou no país de Nicolás Maduro, os dois tinham acabado de empreender uma viagem de 26 horas de ônibus de Puerto La Cruz, no Caribe venezuelano, até a fronteira, mas não chegaram a tempo de iniciar o pedido de refúgio. O centro do Exército que realiza a triagem já havia fechado. "Vamos ter que atravessar novamente para a cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén, aqui do lado, e achar algum lugar na rua para dormir. É melhor não se arriscar, não quero ser agredido", explicou o irmão mais novo. "Desde o conflito do fim de semana, estão recomendando que nenhum venezuelano passe a noite na fronteira ou acampado em Pacaraima", comenta. No dia seguinte, retornaram.

Embora seja o episódio mais grave, este não é o primeiro relato de discriminação aos refugiados em Pacaraima. É explícito o ressentimento na população afetada tanto pela precarização ainda maior de serviços públicos, pressionados pela demanda dos novos usuários, como pela sensação de insegurança. "Quando a gente chega nos postos de saúde, já não tem mais vaga, tudo ocupado pelos venezuelanos. Os médicos já te cumprimentam em espanhol. O último exame do meu filho tive que fazer em um laboratório privado", reclama a brasileira Fabiana J., atendente em uma lanchonete na cidade. Pacaraima tem somente dois postos de saúde e um hospital estadual com estrutura básica, que não realiza cirurgias.

O padre Jesus Fernandez, da paróquia de Pacaraima.
O padre Jesus Fernandez, da paróquia de Pacaraima.

Parece pouco, mas é o mínimo necessário para venezuelanas como Andrea Rodriguez, de 20 anos,  grávida de 36 semanas. Ela explica que estava evitando vir à cidade com medo das ações hostis, mas não pode esperar mais. Com os serviços médicos da sua cidade colapsados na Venezuela, quer pedir no posto de Pacaraima permissão para permanecer 60 dias no Brasil para dar à luz, se possível na capital Boa Vista. “Apesar do que aconteceu, sempre fui bem tratada aqui. Do jeito que as coisas estão piorando na Venezuela, é bem provável que eu me mude com o meu filho para o Brasil”.

O barril de pólvora na fronteira cresceu diante da indiferença do Governo brasileiro, segundo Jesús Fernández, padre da Paróquia de Pacaraima: “As autoridades demoraram muito para reagir diante de uma mudança tão brusca e o monstro da xenofobia foi crescendo”, diz o pároco do município com IDH abaixo da média brasileira no Estado menos populoso do país. O religioso, que todas as manhãs prepara um café da manhã para centenas de venezuelanos recém-chegados, chama de "metamorfose terrível" a vivida pela cidade nos últimos dois anos. Para ele, depois de ter virado notícia nacional e internacional no fim de semana por causa do ataque, o município vive em falsa calmaria. “É como um vulcão que entra em erupção, se acalma, mas pode entrar em atividade a qualquer momento”.

Se entre os venezuelanos há medo, alguns moradores brasileiros não escondem a revolta e outros fazem ameaças veladas. Na noite de quarta-feira, o EL PAÍS viu passar pelas principais ruas da cidade uma "carreata pela paz". Eram cerca 30 veículos buzinando e sacudindo bexigas brancas, pedindo "tranquilidade" no município. Quase todos os carros tinham cartazes questionando o fluxo migratório na região. "Não somos xenófobos. E se fosse sua família espancada?", dizia um cartaz. “Somos brasileiros de braços abertos, mas não queremos bandidos. Não iremos matar ninguém, mas, em última necessidade, faremos um bloqueio humano”, afirma Fernando Abreu, um professor de espanhol aposentado.

Campanha e 'fake news'

É a esse caldeirão com tintas xenófobas e circulação de notícias falsas que aderiram tanto a governadora de Roraima, Suely Campos, que busca se reeleger nas eleições de outubro, como o principal senador do Estado, Romero Jucá, um íntimo aliado do presidente Michel Temer que também concorre para tentar manter sua cadeira no Senado. O Governo Michel Temer já descartou fechar a fronteira, mas Campos e Jucá seguem afirmando que a medida é necessária e urgente, numa estratégia para explorar o sentimento anti-venezuelano e tentar melhorar suas posições nas pesquisas  — o senador está embolado entre segundo e terceiro lugar, segundo o Ibope, e governadora amarga uma terceira posição no mesmo levantamento de agosto. Não parece uma aposta desbaratada no Estado em que o candidato à presidência de ultradireita, Jair Bolsonaro, que já defendeu um campo de refugiados para os venezuelanos, lidera as pesquisas.

Cerca de 127 mil venezuelanos, entre o início de 2017 e junho deste ano, cruzaram a fronteira fugindo da escassez generalizada na Venezuela. É a principal porta de entrada dos imigrantes no país. Alguns vieram apenas para buscar mantimentos e remédios, mas boa parte chegou para tentar uma nova vida no Brasil ou ao menos usar o país como rota de passagem para outros destinos. O Governo Temer mantém uma operação para acolher os que chegam, mas só há um abrigo para a população indígena de etnia Warao na cidade. Um abrigo para os imigrantes em geral está sendo construído, mas ainda não há data de inauguração.

Para evitar que os imigrantes se aglomerem em Pacaraima, o Governo tenta incentivar que eles se dirijam à Boa Vista, onde há dez abrigos, mas, muitos, sem recursos, tem que fazer o trajeto de cerca de 200 km a pé. Outra estratégia, a de distribuir os venezuelanos por outros Estados do Brasil, também tem andado a conta-gotas —  pouco mais de 800 pessoas já aderiram ao programa — e não há perspectiva de que isso mude no curto prazo. Em visita a Pacaraima na quinta-feira, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a União não pode forçar outros Estados a aceitarem venezuelanos em meio à lenta recuperação econômica. “Não é uma questão fácil”. Mas concordou que não se pode tirar proveito político de uma tragédia como essa: "A disputa política precisa de limite e o limite é dignidade dessas pessoas".

MAIS INFORMAÇÕES