Seleccione Edição
Login

Grécia investiga “atividade suspeita” na onda de incêndios mais mortal de sua história

Governo pediu drone especial aos EUA após indícios de que chamas foram provocadas intencionalmente

Bombeiros e voluntários em Kineta
Bombeiros e voluntários em Kineta AFP

A pior tragédia natural na história recente da Grécia deixou até esta quarta-feira, 25, pelo menos 79 mortos e mais de 180 feridos após a passagem, na segunda-feira, de uma língua de fogo pelo norte e noroeste de Ática, a região que cerca a capital grega. Todas as vítimas, entre as quais existem adolescentes, crianças e até um bebê de seis meses, foram encontradas na área compreendida entre o porto de Rafina, a 30 quilômetros de Atenas, e Nea Makri, 10 quilômetros mais ao norte, com a zona zero localizada em Mati, uma típica localidade balneária muito frequentada pelos moradores da região. A suspeita de que por trás dos incêndios possa estar a especulação imobiliária e até mesmo a evidente tentativa de se construir parques eólicos são hipóteses plausíveis para muitos gregos.

As autoridades gregas sugerem que os incêndios possam ter sido intencionais. Pediram um drone especial aos Estados Unidos para rastrear todos os indícios de “atividade suspeita” – como a chamou na terça-feira o porta-voz do Governo – ao se constatar, na tarde de terça, a existência de 15 focos de incêndio simultâneos em três locais diferentes de Ática. Os serviços de emergência procuram um número indeterminado de desaparecidos, como informam veículos da imprensa grega como o jornal Kathimerini.

Parece que a resistência de muitos moradores em abandonar suas casas – a maioria, segundas residências dentro da mata – foi a principal causa da dimensão da tragédia. A maioria dos corpos foi encontrada dentro das casas e alguns no interior dos veículos em que pretendiam escapar do fogo, como informou na terça-feira o porta-voz do Governo, Dimitris Tzanakopoulos. Além do apego dos habitantes por seus bens, outras causas, como a abundância de construções, muitas delas ilegais, e a quantidade de cortes desde 2010, que deixaram os serviços públicos gregos muito prejudicados, surgem outros fatores que explicam, a grosso modo, a magnitude dessa tragédia.

Em fevereiro de 2007, por exemplo, 4.000 bombeiros viram expirar seus contratos temporários, feitos em 2012. Uma votação no Parlamento, levada a cabo pelo Governo, trouxe apenas metade deles de volta (2.160). Nos trabalhos de extinção desse último incêndio participaram nove barcos da Guarda Costeira, dois destacamentos militares e dezenas de embarcações privadas, auxiliados por helicópteros do Exército, em apoio aos aproximadamente 700 bombeiros mobilizados no interior com ajuda de 80 veículos. Pelo fato da zona zero do incêndio se encontrar a apenas 300 metros do mar, muitos afetados procuraram refúgios na orla. A Guarda Costeira resgatou 900 pessoas no litoral, e vinte de dentro da água. A poucos metros do mar, um grupo de resgate da Cruz Vermelha encontrou a cena mais horripilante dessa tragédia: um grupo de 26 pessoas abraçadas, carbonizadas no pátio de uma taverna.

O afã especulador também demonstrou ser um fator fundamental nos incêndios registrados nos últimos anos, como os que em agosto de 2009 afetaram regiões florestais ao norte e noroeste de Atenas, menos graves e sem danos pessoais. A superpovoada capital grega como epicentro ao redor do qual gravitam, ano após ano, diversos incêndios: acontecimentos provocados para conseguir a reavaliação de terrenos, somados à ânsia de corretores imobiliários.

Até segunda-feira, o pior incêndio da história recente da Grécia era o do verão de 2007 no Peloponeso e na ilha de Evia, que vitimou de 70 a 77 pessoas, de acordo com as fontes. O número de mortos foi superado na quarta-feira.