Seleccione Edição
Login

Bolsonaro: “Quero agradecer ao Alckmin por reunir a nata do que há de pior do Brasil ao seu lado”

Presidenciável de extrema-direita lança sua candidatura minimizando a falta de alianças e atacando o centrão, que deve apoiar o tucano

"Eu sei do desconforto que venho causando. Eu sou o patinho feio nessa história”, afirmou

Bolsonaro entre seus filhos e apoiadores, neste domingo.
Bolsonaro entre seus filhos e apoiadores, neste domingo. AP

Em convenção partidária neste domingo, o Partido Social Liberal (PSL) oficializou a candidatura do deputado federal Jair Messias Bolsonaro à Presidência da República sem o apoio de qualquer outro partido, confirmando o isolamento político do ultraconservador. Algo que foi minimizado ao longo do dia. “Quero agradecer ao Geraldo Alckmin por reunir a nata do que há de pior do Brasil ao seu lado”, disse o presidenciável, se referindo às alianças partidárias do tucano. No evento, no centro do Rio de Janeiro, também foi reiterado o convite para que a advogada criminalista Janaína Paschoal, coautora do pedido de impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), aceitasse ser vice na chapa do capitão reformado do Exército. A defensora estava sentada ao lado de dele e foi ovacionada em diversas ocasiões. Mas pediu mais tempo para conversar e pensar sobre a proposta.

Com o lema “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, não faltaram ao longo de toda a convenção falas contra a chamada “ideologia de gênero”, o aborto, as drogas e a violência. Durante seu discurso, Bolsonaro também questionou o acordo do clima de Paris, alertando para uma suposta perda de soberania do Brasil na região da Amazônia. Levantou, inclusive, a possibilidade de deixar o tratado, como fez o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na área econômica, prometeu “não apenas privatizar como extinguir” estatais, mas preservando aquelas que sejam estratégicas, além de falar em desregulamentações e garantias a propriedade privada. Mencionando o formulador de seu programa econômico, o ultraliberal economista Paulo Guedes, disse que "Deus não chama os capacitados, capacita os escolhidos" — uma referência ao fato de que não entende de economia, segundo admitiu em diversas ocasiões.

Quando falava de sua trajetória, disse que sua mãe era muito religiosa e que, por isso, resolveu colocar o "Messias" em seu nome. "Mas eu não sou salvador da pátria", disse. Também pediu a união de brancos e negros, homens e mulheres, heterossexuais e homossexuais — "ou trans também, não tem problema" —, nordestinos e sulistas. Falou que a ideologia é mais grave que a corrupção, e que o país não aguenta mais quatro anos de PT ou PSDB. Sinalizou que indicará um militar para o ministério da Defesa e prometeu que todas as corporações policiais do país serão reconhecidas em sua gestão, algo que levou a plateia ao delírio.

As lideranças presentes no evento dirigiram seus discursos inflamados e gritos de ordem, recebidos com fortes aplausos, contra a “esquerdalha” e a “grande mídia”, mas sobretudo menosprezaram os partidos do chamado centrão — DEM, PP, SD e PR —, que se inclinam a apoiar em bloco o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), mas também flertam com Ciro Gomes (PDT). A falta de apoio partidário a Bolsonaro foi publicamente minimizada. Na semana passada, ele foi recusado por dois partidos, o PR e o PRP, o que deve fazer com que ele chegue à campanha com apenas oito segundos de tempo de televisão. “Não temos um grande partido, não temos um fundo partidário, não temos tempo de televisão, mas temos vocês”, discursou o deputado. "Eu sei do desconforto que venho causando. Eu sou o patinho feio nessa história. Mas tenho certeza que seremos bonitos navegantes".

Ele garantiu, contudo, ter entrado em contato com 110 parlamentares que, sim, querem apoiá-lo, e taxou os dirigentes das siglas de “dirigentes de sindicatos”. Em outro momento, disse que 40% dos deputados do centrão “estão conosco”. Durante a coletiva de imprensa convocada após a convenção, disse estar aberto a conversar com todas aquelas legendas que "não são de esquerda", mas rejeitou a lógica do “toma lá, da cá”, falando que seus ministérios serão ocupados por pessoas com mérito e conhecimento nos temas que lhes corresponderem. “Vocês da imprensa falam que sem aliança não tem governabilidade e que o país fica parado. É melhor o Brasil parado do que afundando”, disse. Visivelmente nervoso diante dos jornalistas, mexendo as mãos sem parar, não detalhou nenhum plano ou proposta de Governo. Ao ser questionado sobre o que faria com a educação, por exemplo, disse que não haveria “milagre”, já que todos os recursos vão para as chamadas “despesas obrigatórias”. Mas se disse favorável a mais investimentos no ensino fundamental. “E não pode ter ideologia de gênero, tem que ter escola sem partido”, resumiu.

Ideais ultraconservadores

O deputado foi recebido por um forte coro de “mito”. Cerca de 3.000 simpatizantes, segundo informações do próprio presidenciável, lotavam o auditório do centro de Convenções Sul América. Muitos estavam enrolados em bandeiras do Brasil, vestindo camisetas amarelas da CBF ou que estampavam uma foto do deputado ultraconservador. Pequenos pixulecos de um ex-presidente Lula presidiário ou bonecos infláveis do próprio Bolsonaro faziam parte do cenário. Um senhor com máscara de Donald Trump agitando uma bandeira do Brasil fazia a alegria de alguns presentes, que se aproximavam para tirar foto. Alguns rostos conhecidos circulavam e também posavam para fotos, como a jornalista Joice Hasselmann e o general da reserva Paulo Chagas, pré-candidato ao governo do Distrito Federal. Durante os discursos, buzinas e vuvuzelas ecoavam em meio a gritos e aplausos constantes.

"Eu apoio o Bolsonaro porque estou cansado de gravatinha roubando o povo", disse o aposentado Tubiraci Alves dos Santos, de 71 anos. "Não era para eu estar apoiando ele. Nos anos 70, quando eu era tenente, fui acusado de ser subversivo e fui expulso do Exército. Sempre militei pela educação e por mais de 30 anos fui do PDT. Mas hoje meu voto é de revolta", acrescentou. Já Erson da Silva, de 28 anos, gosta das falas diretas do presidenciável. "Ele fala o que pensa, e tem uma ideia muito de contenção, de acabar com o que está ruim, como a violência. Nem sempre é pela força, mas também pelo ensino. Acho que quando ele assumir vai perceber isso", aposta ele, que é formado em Educação Física.

Entre os que compunham a mesa do evento, os mais aplaudidos foram os filhos de Bolsonaro — Eduardo, deputado federal de São Paulo; Carlos, vereador do Rio; e Flavio, deputado estadual do Rio — o general da reserva Augusto Heleno, o senador Magno Malta (PR) e a advogada Janaína Paschoal. Os três últimos foram cotados para o posto de vice na chapa presidencial, mas acabou prevalecendo o nome da última, uma vez que tanto o PR, de Malta, como o PRP, de Heleno, resolveram não aderir à candidatura Bolsonaro. “Meu partido está perdendo o bonde da história”, lamentou Malta, que reafirmou sua lealdade ao capitão do Exército. Em tom inflamado, disse que a população quer um presidente cristão que saiba "emparedar bandido", ao mesmo tempo que dizia que a vida deve ser um valor fundamental. Também defendeu uma mudança na Constituição para colocar "mais uns 10 ministros no STF" com outros valores, mas que tenham mandatos de oito anos. E, assim como fez Trump, propôs mudar a embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém. Por sua vez, o general Heleno discursou contra a imprensa e chamou a ex-presidenta Dilma Rousseff de terrorista, em referência ao período em que lutou contra a ditadura militar (1964-1985).

Já Paschoal relacionou o "petismo" ao totalitarismo, dizendo que durante os governos do PT não era possível discordar, sobretudo nas salas de aula, de ideias como a liberação do aborto e das drogas. "O impeachment [de Rousseff] foi o início de um processo de depuração, e agora existe uma união de varias forças para destruir o meu trabalho", disse ela. Assim, pediu aos presentes um pacto pela "governabilidade" que resulte em mais diálogo entre todos, e que não significa, afirmou, excluir as pessoas que discordem de um ponto ou outro das propostas de Bolsonaro. "Não vim aqui com o objetivo de aderir, mas para somar. Se não somos capazes de somar, não seremos capazes de governar", discursou ela. "Não caiam nessa armadilha, é contra o autoritarismo que estamos lutando. (...) Para unir toda a a nação, nós não precisamos de mais de sete segundos [em referência aos oito segundos que o presidenciável terá na campanha]".

MAIS INFORMAÇÕES