Ex-bilionário Eike Batista é condenado a 30 anos de prisão por corrupção

Juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, condena empresário por pagar propina a Sérgio Cabral

Eike Batista em depoimento à CPI do BNDES em novembro de 2017.
Eike Batista em depoimento à CPI do BNDES em novembro de 2017.Lula Marques/AGPT (Fotos Públicas)
Mais informações

O juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação Lava Jato no Rio, condenou o empresário e ex-bilionário Eike Batista a 30 anos de prisão em regime fechado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de fazer pagamentos indevidos no valor de 16,5 milhões de dólares ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral, em 2011, e de tentar ocultar a propina, segundo informações da Agência Brasil.

Batista, que já foi considerado o homem mais rico do Brasil e o oitavo homem mais rico do mundo à frente inclusive de outro condenado pela Lava Jato, Marcelo Odebrecht, cumpre prisão domiciliar no Jardim Botânico, zona nobre do Rio, desde maio de 2017. O empresário chegou a ficar detido preventivamente em Bangu, dividindo cela de quinze metros com outros seis acusados de participar em esquemas de corrupção. Ele também terá que pagar uma multa de R$ 53 milhões, de acordo com o colunista Lauro Jardim.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, a fim de ocultar o pagamento a Cabral, o doleiro Renato Chebar criou uma offshore chamada Arcadia Associados, que assinou um contrato fictício com a empresa Centennial Asset Mining Fund, de Eike Batista, para a possível aquisição de uma mina de ouro.

No mesmo processo, também foi condenado o ex-governador Sérgio Cabral, a 22 anos e oito meses em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Essa foi a sexta condenação de Cabral em processos que apuram esquemas de corrupção no estado do Rio de Janeiro. O ex-governador já soma penas que ultrapassam 120 anos de prisão.

Outros condenados foram a ex-primeira dama Adriana Ancelmo (4 anos e seis meses); o ex-secretário Wilson Carlos (9 anos e 10 meses); o ex-braço direito de Cabral, Carlos Miranda (8 anos e 6 meses); e o braço-direito de Eike, Flavio Godinho (22 anos). O advogado de Eike Batista, Fernando Martins, informou, por meio de nota, que recorrerá da decisão.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: