Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

A política “corrompida, carcomida e podre” de Datena

O apresentador candidato ao Senado, que quer se apresentar como “não político”, ganhou fama por seus programas sobre violência, apresentada com a morbidez do sangue e da crueza

José Luiz Datena anunciou sua candidatura ao Senado em São Paulo
José Luiz Datena anunciou sua candidatura ao Senado em São PauloDivulgação
Mais informações
“A Europa é mais triste que o Brasil”
Alckmin escorrega ao dizer que Bolsonaro é como o PT
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?

O apresentador José Luiz Datena, que anunciou sua candidatura ao Senado em São Paulo, o Estado mais importante do país, com uma população maior do que muitos países europeus, foi apresentado como o primeiro “não político” lançado na arena das eleições e já são feitas profecias sobre o enorme sucesso de sua candidatura.

Em sua primeira aparição pública como concorrente ao Senado alardeou seu desprezo pela chamada velha política que chamou de “corrompida, carcomida e podre”. Fiel a sua linguagem nada formal, defendeu que os que não estão de acordo com ele “se explodam”.

Datena, que quer se apresentar como “não político” ou “político novo”, se preferir, ganhou fama nos últimos anos de sua carreira na televisão por seus programas de cunho policial e populismo da violência apresentada com a morbidez do sangue e da crueza. Se alguns pré-candidatos à Presidência são acusados de ter peregrinado por até oito partidos, como Bolsonaro e Ciro Gomes, o novo político Datena também não pode apresentar credenciais de fidelidade profissional e política. Peregrinou como afiliado a partidos tão diferentes como o PT e o PP e agora é candidato pelo DEM. E viveu essa mesma peregrinação com as emissoras de televisão em que trabalhou, das locais às nacionais, Globo, Rede TV, Record e Bandeirantes. E nem sempre pacificamente.

O apresentador candidato ao Senado lembra por suas declarações aos que nessa mesma coluna chamamos de “magos de receitas simples para problemas complexos”, que é tudo o que o Brasil não precisa nesse momento de tensão social. Os problemas que assolam esse país, sua política, sua Justiça e suas instituições em geral, são complexos e com raízes em velhas práticas coloniais que acabaram criando um país de casta com graves feridas de desigualdade social.

Em um ímpeto de sinceridade populista, o guru televisivo iniciou sua carreira de político novo com essa confissão, publicada pela Folha de S. Paulo: “Não queria estar aqui, estou aqui a contragosto para caramba, mas estou aqui por um compromisso sagrado com o povo do Brasil”, e acrescentou: “Vocês podem ter um político de péssima qualidade, uma porcaria, mas terão um cara que vai ser uma coisa só: honesto com vocês”.

É inegável que o Brasil precisa de políticos honrados, pelo grau de corrupção que tantos deles demonstram, praticamente de todos os partidos. Acreditar, entretanto, que um “político de péssima qualidade, uma porcaria”, como Datena se define, pode governar um país império como o Brasil, com mais de duzentos milhões de habitantes, somente não aparecendo na lista dos corruptos, soa a demagogia.

Que a velha política brasileira, como em parte a mundial, precisa de sangue novo é indiscutível. O mundo de hoje decorre acelerado e tudo envelhece à grande velocidade. Está órfão de grandes estadistas capazes de captar ao mesmo tempo as ondas de desencanto e as ânsias de novidade que fermentam na sociedade. Capazes de interpretar os sonhos não fáceis das novas gerações que assassinaram o pai e lutam por uma nova identidade. Para isso não servem santos e demônios, heróis e redentores. A política é uma arte e uma ciência ao mesmo tempo, que exige de quem a exerce a capacidade de interpretar o melhor e mais complexo da nova sociedade e fidelidade a sua etimologia de entrega à “polis”, às pessoas. De serviço às necessidades da comunidade e não de trunfo para inconfessáveis sonhos de poder.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS