A luta das iranianas pelo direito de assistir futebol nos estádios

A proibição de mulheres na torcida de jogos masculinos foi imposta após a revolução de 1979

Uma torcedora iraniana durante o jogo entre Irã e Marrocos.
Uma torcedora iraniana durante o jogo entre Irã e Marrocos. ZURAB KURTSIKIDZE (EFE)

Há duas décadas as iranianas pedem que se permita sua entrada nos estádios do seu país e agora estão aproveitando a Copa da Rússia para lembrar o mundo disso. É o que deixam claro seus cartazes. Mas a reivindicação não é (só) desportiva. Como aconteceu na vizinha Arábia Saudita com a proibição de dirigir, a exclusão das mulheres nas arquibancadas do Irã tornou-se uma bandeira de sua luta pela igualdade.

Mais informações
A árdua missão de ser mulher e repórter em uma Copa do Mundo
Enfim, o futebol começa a ouvir o grito das mulheres
Objetificação de torcedoras em programa esportivo une clubes rivais contra assédio

“Não poder ir ver seus times favoritos faz com que se sintam como cidadãs de segunda classe”, disse ao EL PAÍS a feminista iraniana Sussan Tahmasebi, lembrando que o futebol é o passatempo nacional do Irã. “É uma questão de segregação. As iranianas são contra a existência de lugares vetados para elas, mas além disso, no caso dos estádios, a mensagem é de que elas não têm o direito de se divertir”, acrescenta.

A última vez que as mulheres puderam assistir a um jogo de futebol no Irã foi em 5 de outubro de 1981. Os muçulmanos tinham acabado de tomar o poder após a revolução que derrubou o xá e a proibição de acesso aos estádios em jogos com times masculinos foi mais uma das restrições impostas ao gênero feminino.

Como justificativa para essa medida, as autoridades iranianas apontam o ambiente grosseiro e boca suja nas arquibancadas. Com mal disfarçado paternalismo, argumentam que o comportamento dos torcedores “não é adequado para mulheres e famílias”, que a medida é para o bem delas. “Por que punir as mulheres pelo mau comportamento dos homens?”, pergunta-se Tahmasebi destacando o absurdo do argumento.

Se havia alguma dúvida, a classificação do Irã para a Copa de 1998 mostrou que o amor pelo futebol não era exclusivo dos homens. Animadas com a vitória sobre os EUA, e também com a abertura promovida pelo recém-eleito presidente Mohamed Khatami, cinco mil mulheres invadiram o estádio Azadi (Liberdade) para receber a seleção nacional que voltava da França. Elas esperavam que Khatami abolisse a proibição, mas seu reformismo não chegou a tanto.

Algo, porém, havia mudado. Desde então, tanto as fãs do esporte-rei como as ativistas dos direitos das mulheres não pararam de fazer campanha. Dentro e fora dos estádios, onde as mais ousadas por vezes conseguem entrar disfarçadas de homem, com perucas e barbas postiças. Isso foi retratado em Offside, filme de Jafar Panahi, que se inspirou em sua própria filha.

Algumas chegaram a ser presas na tentativa, como as 35 que tentaram entrar no estádio Azadi em março passado durante a visita de Gianni Infantino, o presidente da FIFA. Para a decepção das torcedoras, Infantino não levantou a questão publicamente enquanto esteve em Teerã, mas depois afirmou ter tocado no assunto com o presidente Hassan Rohani e que ele afirmou que aboliria o veto.

Além da vontade de fazê-lo, o cálculo político pode ser decisivo. O que inicialmente era uma reivindicação minoritária tornou-se parte da agenda e não só das mulheres. A decisão da rival Arábia Saudita de permitir a presença de mulheres nos estádios aumenta a pressão pelo fim de uma medida anacrônica e que, segundo as ativistas, não tem justificação religiosa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS