Novo Governo da Espanha terá o maior número de ministras da história do país

Elas ocuparão postos considerados chave para o poder Executivo, como o ministério da Fazenda, que será ocupado por María Jesús Montero

ATLAS
Mais informações
Mariano Rajoy é destituído e Pedro Sánchez é novo premiê da Espanha
Sánchez, o sobrevivente inesperado
Há um caminho à esquerda

O novo primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez, terá o Governo com a maior presença de mulheres na história do país. À espera da lista completa de ministros - que deve ser anunciada nesta quarta-, o EL PAÍS apurou que o Conselho de ministros (gabinete) terá oito mulheres e dois homens. Elas ocuparão postos considerados chave para o poder Executivo, como o ministério da Fazenda, que será ocupado pela conselheira (secretária) de Fazenda da Andaluzia, María Jesús Montero, e da Administração Territorial (relações com as regiões), que irá para a deputada catalã Meritxell Batet. É difícil exagerar a importância de ambos os cargos. A primeira terá que administrar as contas públicas e o orçamento – isso se for mantido o de 2018, e se o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) de Sánchez conseguir pactuar o de 2019. Já a catalã terá a missão de administrar a crise territorial aberta pelo separatismo de um setor da população na Catalunha.

Montero é, por enquanto, a segunda andaluza no gabinete, depois da confirmação de que a cordobesa Carmen Calvo será vice-presidenta e ministra da Igualdade. Trata-se da figura mais veterana no gabinete que a presidenta regional da Andaluzia, Susana Díaz, formou em 2015, quando Montero foi reconduzida ao cargo após 11 anos participando ininterruptamente do Governo andaluz. Ocupava a pasta regional de Fazenda e Administração Pública desde 2013, e eram conhecidas suas disputas com o ministro da Fazenda do Governo anterior.

María Jesús Montero Cuadrado (Sevilla, 1966), formada em Medicina e Cirurgia, mestra em Gestão Hospitalar pela Escola de Negócios EADA, é casada e tem dois filhos. Meritxell Batet Lamaña (Barcelona, março de 1973) é licenciada em direito pela Universidade Pompeu Fabra (graças a uma bolsa pública), um diploma que se orgulha de ter obtido enquanto trabalhava como garçonete. Foi professora de Direito Administrativo e também de Direito Constitucional.

A atual secretária de Estudos e Programas na Comissão Executiva Federal do PSOE foi colaboradora de Narcís Serra na primeira secretaria do Partido Socialista da Catalunha (PSC) e diretora da Fundação Carles Pi i Sunyer de Estudos Autonômicos e Locais. Integrou-se como independente à lista eleitoral do PSC em 2004, mas posteriormente se filiou ao partido. Atualmente é deputada nacional por Barcelona e porta-voz de Administrações Públicas da bancada socialista.

Outro dos cargos de maior poder será entregue ao secretário de Organização do PSOE, José Luis Ábalos, ministro do Fomento (obras públicas). A escolha de Ábalos tem um grande significado para Pedro Sánchez, já que esse cargo tem um enorme poder. Trata-se da carteira investidora do Estado, com a qual se pode igualar, equilibrar, beneficiar e prejudicar as comunidades autônomas (unidades equivalentes aos Estados brasileiros). Fontes próximas a Sánchez afirmam que o objetivo é "tornar o território coeso" e, portanto, atender às comunidades mais prejudicadas, embora se reconheça que os limites orçamentários condicionarão o esforço de equilibrar as desigualdades. Em Governos anteriores, os ministros escolhidos para esse cargo eram da máxima confiança do presidente do Governo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS