Mais cortes e imposto: a conta do Governo para subsidiar o diesel ainda não fecha

Brasília busca ainda quase 4 bilhões num contexto de arrocho. Entre 2016 e 2017 obras perderam 17% da verba, enquanto educação perdeu 2,6% e saúde, 3,2%

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.
O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.ADRIANO MACHADO

O Governo Michel Temer (MDB) sabe que terá de desembolsar 9,5 bilhões de reais até dezembro para poder entregar o desconto de R$ 0,46 sobre o óleo diesel que prometeu aos caminhoneiros grevistas em troca do fim da paralisação, que já dura oito dias. O que a gestão do emedebista ainda não sabe é de onde virá todo esse recurso.  A conta não fecha.

Mais informações

Do total destinado para a subvenção ao diesel, R$ 5,7 bilhões virão de um fundo federal usado como reserva emergencial. E os R$ 3,8 bilhões restantes? Ainda são uma incógnita. Por essa razão, poderá haver corte de despesas, o aumento de algum tributo federal e/ou o fim de concessões fiscais a algum setor da economia. O imposto sobre a importação de diesel já será majorado.

Segundo o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, a ideia é manter a carga tributária como a atual, com uma espécie de compensação. “Haverá aumento [de imposto] para alguém? Sim. Em contrapartida para a redução para outro”, disse ele nesta segunda-feira em entrevista coletiva em Brasília.

Essa mudança na tributação e o possível corte de investimentos para bancar os gastos com o diesel dos caminhoneiros vem em um momento em que a União está enxugando cada vez mais o orçamento. Conforme dados do Tesouro, entre 2016 e 2017 houve uma série de cortes em áreas como obras (17%), educação (2,6%) e saúde (3,2%).

A decisão é não mexer no modelo de preços de combustíveis da Petrobras, atrelados ao mercado internacional de petróleo e do dólar. Para se chegar à essa redução de R$ 0,46 foram feitas duas contas: uma do combustível que sairá da refinaria haverá um desconto de R$ 0,30 e os outros R$ 0,16 provêm da redução de três impostos federais: CIDE, PIS e COFINS. Esses cortes desses tributos dependem da aprovação do Congresso Nacional.

A Câmara já aprovou essas medidas na semana passada. E o Senado deve votá-lo nesta semana ou na próxima com alguns ajustes no projeto avalizado pelos deputados. Questionado sobre a data em que ocorreria essa votação, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, não soube responder quando exatamente ela ocorreria.

Em princípio, a perda de arrecadação com as medidas será compensada pela reoneração da folha de pagamento de diversos setores e outras ações, que totalizarão R$ 4 bilhões. As outras medidas serão anunciadas após a aprovação da reoneração, de acordo com Guardia, que não quis antecipar quais seriam as alternativas. “Ainda estamos trabalhando com o ministro Esteves (Colnago, do Planejamento) para definir quais dotações serão canceladas. Do ponto de vista da meta, tudo está compensado”.

O ministro Eduardo Guardia espera que no decorrer desta semana, toda a questão legal seja resolvida e o desconto de R$ 0,46 no diesel já chegue às bombas dos postos de combustíveis.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: