Putin busca equilíbrio entre Israel e Irã para atenuar tensão no Oriente Médio

Após Trump romper pacto nuclear, ambos os países procuram soluções para a situação “muito grave” no Oriente Médio

O presidente russo, Vladímir Putin, junto ao primeiro-ministro de Israel , Benjamin Netanyahu, nesta quarta-feira em Moscou.
O presidente russo, Vladímir Putin, junto ao primeiro-ministro de Israel , Benjamin Netanyahu, nesta quarta-feira em Moscou.SERGEI ILNITSKY (AFP)
Mais informações

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, discutiram a situação no Oriente Médio nesta quarta-feira depois do anúncio da saída dos EUA do acordo nuclear com o Irã e do ataque noturno israelense contra instalações militares de Teerã na Síria. A situação é “muito grave, desgraçadamente”, disse Putin.

As informações do Kremlin sobre o conteúdo da conversa entre os dois líderes foram contidas e lacônicas. Putin afirmou que Rússia e Israel têm muitas coisas que os unem, como a “atitude em relação ao nazismo e ao fascismo” e manifestou sua esperança de que não apenas discutam a situação, mas “busquem soluções”.

Moscou está em uma conjuntura bastante delicada, pois o líder do Kremlin tenta compatibilizar suas boas relações com Israel e com o Irã. O primeiro destes dois países é a pátria de um importante e sofisticado lobby pró-russo, com profundas raízes na antiga URSS, enquanto o segundo desempenha um papel especial para Moscou em sua busca de novos sistemas de alianças regionais depois do esfriamento com o Ocidente e também na tentativa de levar adiante negociações entre os atores locais da guerra na Síria.

Para a política russa, a tarefa de compatibilizar essas duas dimensões, árdua por si só, fica ainda mais complicada no cenário sírio depois dos acontecimentos da última terça-feira. Moscou ajuda militarmente o regime de Damasco, que também é comprador e usuário de armas russas, enquanto Israel teme que o Irã use o território sírio para atacá-lo e vê com suspeita a ajuda russa ao regime de Bashar al-Assad.

Antes de conversar oficialmente com Netanyahu, Putin se reuniu com o Conselho de Segurança da Rússia, com o qual abordou a situação “depois que os EUA anunciaram sua saída do acordo sobre o programa nuclear iraniano” e também tratou do ataque noturno israelense. Os participantes da reunião “expressaram sua profunda preocupação” e “enfatizaram uma vez mais a importância desse documento [o acordo sobre o programa nuclear iraniano]”. A reunião teve a presença do primeiro-ministro Dmitri Medvedev; do ministro da Defesa, Sergei Shoigu; do responsável pela pasta de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e dos chefes do Serviço Federal de Segurança e de Inteligência Exterior, entre outros altos dirigentes do Estado.

Em sua reunião com Putin no Kremlin, o primeiro-ministro israelense disse que iriam “refletir em conjunto sobre a maneira de agir para conter as ameaças existentes de uma forma responsável e razoável”. “É difícil acreditar, mas 73 anos depois do Holocausto vimos no Oriente Médio um país, o Irã, que exorta abertamente a destruição de Israel”, disse Netanyahu. Referindo-se à experiência da luta contra o fascismo, afirmou que “quando surge uma ideologia desse tipo, devemos enfrentá-la a tempo”.

Durante a manhã, Putin e seu convidado israelense assistiram ao desfile comemorativo do Dia da Vitória na Praça Vermelha e, em seu discurso aos soldados que desfilaram diante dele, o presidente russo mencionou o Holocausto. Entre os mandatários estava um veterano uniformizado que participou da libertação do campo de concentração de Auschwitz e ambos depositaram coroas de flores no túmulo do soldado desconhecido e caminharam juntos na marcha do “Regimento Imortal”, que teve a participação de um milhão de pessoas, de acordo com dados oficiais.

A Rússia está decepcionada com a decisão de Trump, mas até agora fez poucas declarações públicas. Moscou continuará a cumprir o acordo com o Irã, conforme disse o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov. Em 10 de maio estão previstas conversações na capital russa entre o ministro das Relações Exteriores da Rússia e seu colega alemão. De acordo com o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Aleksandr Grushko, Moscou está em contato com todas as partes interessadas sobre a situação em torno da saída dos EUA do acordo a respeito do programa nuclear iraniano.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: