Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A prisão de Lula em imagens: choro e raiva de um lado, fogos e panelas de outro

A jornada dramática teve tumulto no Sindicato dos Metalúrgicos até o clímax até as 18h40, quando o ex-presidente se entregou

  • O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva leva ao mão ao peito durante uma missa-ato em homenagem a sua mulher Marisa Letícia, falecida em 2016. A cerimônia, comandada de uma espécie de carro de som, foi realizada nos aforas do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, transformado em 'bunker' desde quinta-feira, quando Lula recebeu a ordem de prisão de determinada pelo juiz federal Sérgio Moro.
    1O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva leva ao mão ao peito durante uma missa-ato em homenagem a sua mulher Marisa Letícia, falecida em 2016. A cerimônia, comandada de uma espécie de carro de som, foi realizada nos aforas do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, transformado em 'bunker' desde quinta-feira, quando Lula recebeu a ordem de prisão de determinada pelo juiz federal Sérgio Moro. Getty Images
  • A missa para Marisa foi um dos últimos capítulos de uma saga que durou 46 horas nas dependências do sindicato. Foi lá que Lula discutiu com aliados, entre eles a ex-presidenta Dilma Rousseff, e advogados, que estratégia seguir. Ele chegou a cogitar não se entregar. Moro lhe havia dado um prazo, até 17h horas da sexta-feira 6 de abril, para que se entregasse à Polícia Federal em Curitiba. Chegado esse prazo na sexta ficou claro que Lula não o cumpriria. Foi mais uma noite no sindicato histórico onde forjou sua carreira política. A essa altura, já se sabia que a negociação era que ele se entregasse apenas no dia seguinte, após a cerimônia para a ex-primeira-dama. Lula se entregaria, mas em seus termos, não nos de Moro.
    2A missa para Marisa foi um dos últimos capítulos de uma saga que durou 46 horas nas dependências do sindicato. Foi lá que Lula discutiu com aliados, entre eles a ex-presidenta Dilma Rousseff, e advogados, que estratégia seguir. Ele chegou a cogitar não se entregar. Moro lhe havia dado um prazo, até 17h horas da sexta-feira 6 de abril, para que se entregasse à Polícia Federal em Curitiba. Chegado esse prazo na sexta ficou claro que Lula não o cumpriria. Foi mais uma noite no sindicato histórico onde forjou sua carreira política. A essa altura, já se sabia que a negociação era que ele se entregasse apenas no dia seguinte, após a cerimônia para a ex-primeira-dama. Lula se entregaria, mas em seus termos, não nos de Moro. Getty Images
  • No sábado de sol em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, a missa-show transcorreu em clima ameno, com o carro de som apinhado de personalidades políticas e um Lula relaxado acenando aos apoiadores, muitos deles que haviam virado a noite ali.
    3No sábado de sol em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, a missa-show transcorreu em clima ameno, com o carro de som apinhado de personalidades políticas e um Lula relaxado acenando aos apoiadores, muitos deles que haviam virado a noite ali. EFE
  • Brazilian ex-president (2003-2011) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a Catholic mass in memory of his late wife Marisa Leticia, at the metalworkers' union building in Sao Bernardo do Campo, in metropolitan Sao Paulo, Brazil, on April 7, 2018.rnBrazil's election frontrunner and controversial leftist icon said Saturday that he will comply with an arrest warrant to start a 12-year sentence for corruption. "I will comply with their warrant," he told a crowd of supporters.  AFP PHOTO  Miguel SCHINCARIOL
    4Brazilian ex-president (2003-2011) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a Catholic mass in memory of his late wife Marisa Leticia, at the metalworkers' union building in Sao Bernardo do Campo, in metropolitan Sao Paulo, Brazil, on April 7, 2018. Brazil's election frontrunner and controversial leftist icon said Saturday that he will comply with an arrest warrant to start a 12-year sentence for corruption. "I will comply with their warrant," he told a crowd of supporters. / AFP PHOTO / Miguel SCHINCARIOL AFP
  • O tom mudaria quando Lula discursou pela primeira vez desde a ordem de prisão decretada por Moro. Por quase uma hora, Lula lembrou sua carreira de sindicalista, ungiu outros nomes da esquerda pré-candidatos à presidência como ele (na foto, de rosa claro, está o pré-postulante pelo PSOL, Guilherme Boulos) e fez duros ataques aos procuradores e ao juiz que o condenaram a 12 anos e um mês de prisão - Lula começa na noite deste sábado a cumprir a pena pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ao final, anunciou que ia se entregar às autoridades. "De cabeça erguida, direi ao delegado: 'Estou à disposição".
    5O tom mudaria quando Lula discursou pela primeira vez desde a ordem de prisão decretada por Moro. Por quase uma hora, Lula lembrou sua carreira de sindicalista, ungiu outros nomes da esquerda pré-candidatos à presidência como ele (na foto, de rosa claro, está o pré-postulante pelo PSOL, Guilherme Boulos) e fez duros ataques aos procuradores e ao juiz que o condenaram a 12 anos e um mês de prisão - Lula começa na noite deste sábado a cumprir a pena pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ao final, anunciou que ia se entregar às autoridades. "De cabeça erguida, direi ao delegado: 'Estou à disposição". EFE
  • O ato terminou de forma apoteótica, com Lula sendo carregado pelos apoiadores, tal qual acontecia quando ele era líder sindical. O PT e apoiadores, sempre atentos à construção da iconografia, não demoraram a circular imagens históricas para efeito de comparação.
    6O ato terminou de forma apoteótica, com Lula sendo carregado pelos apoiadores, tal qual acontecia quando ele era líder sindical. O PT e apoiadores, sempre atentos à construção da iconografia, não demoraram a circular imagens históricas para efeito de comparação. EFE
  • Em um momento quando era carregado, Lula segura um ramo de flores.
    7Em um momento quando era carregado, Lula segura um ramo de flores. AP
  • Uma foto aérea da cena, feita pelo repórter fotográfico brasileiro Francisco Proner, começou a circular rapidamente nas redes sociais simpáticas ao ex-presidente.
    8Uma foto aérea da cena, feita pelo repórter fotográfico brasileiro Francisco Proner, começou a circular rapidamente nas redes sociais simpáticas ao ex-presidente. REUTERS
  • Enquanto Lula discursava, uma plateia atenta e chorosa, em São Bernardo do Campo, acompanhava.
    9Enquanto Lula discursava, uma plateia atenta e chorosa, em São Bernardo do Campo, acompanhava. AP
  • A multidão reagiu a um discurso raivoso e emotivo de Lula.
    10A multidão reagiu a um discurso raivoso e emotivo de Lula. AFP
  • A partir dali começaria horas de espera até que Lula se entregasse de fato à Polícia Federal. Do lado de fora, a militância que permaneceu nos arreadores do sindicato prometia impedir que ele cumprisse a palavra. Por volta das 17h, Lula tentou sair do local, mas o tumulto o impediu de partir de carro. Na imagem, apoiadores arrancam um portão em uma das saídas do sindicato.
    11A partir dali começaria horas de espera até que Lula se entregasse de fato à Polícia Federal. Do lado de fora, a militância que permaneceu nos arreadores do sindicato prometia impedir que ele cumprisse a palavra. Por volta das 17h, Lula tentou sair do local, mas o tumulto o impediu de partir de carro. Na imagem, apoiadores arrancam um portão em uma das saídas do sindicato. REUTERS
  • A tensão aumentou depois do incidente. Ninguém sabia se Lula ainda deixaria o edifício. Em um momento, a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, subiu mais uma vez ao carro de som para pedir calma aos militantes e explicar que o presidente deveria cumprir a ordem do Moro ou, do contrário, o ex-presidente poderia ser prejudicado.
    12A tensão aumentou depois do incidente. Ninguém sabia se Lula ainda deixaria o edifício. Em um momento, a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, subiu mais uma vez ao carro de som para pedir calma aos militantes e explicar que o presidente deveria cumprir a ordem do Moro ou, do contrário, o ex-presidente poderia ser prejudicado. AFP
  • A segunda e definitiva saída de Lula do sindicato também foi tensa.
    13A segunda e definitiva saída de Lula do sindicato também foi tensa. EFE
  • Houve tumulto e até confronto entre militantes se segurança.
    14Houve tumulto e até confronto entre militantes se segurança. EFE
  • Mas, ao final, Lula entrou em um carro em direção à sede da PF em São Paulo.
    15Mas, ao final, Lula entrou em um carro em direção à sede da PF em São Paulo. EFE
  • As manifestações de apoio a Lula não se limitaram em São Bernardo. A foto mostra um grupo lulista nos aforas da sede da PF em Curitiba, onde Lula ficará preso.
    16As manifestações de apoio a Lula não se limitaram em São Bernardo. A foto mostra um grupo lulista nos aforas da sede da PF em Curitiba, onde Lula ficará preso. AFP
  • Um grupo pró-Lula se manifesta em Brasília.
    17Um grupo pró-Lula se manifesta em Brasília. AP
  • O anúncio de que Lula finalmente se entregara à PF também provocou júbilo em grupos críticos do ex-presidente. Alguns, como os da foto, foram para a sede da PF em São Paulo para 'recepcionar' o ex-presidente.
    18O anúncio de que Lula finalmente se entregara à PF também provocou júbilo em grupos críticos do ex-presidente. Alguns, como os da foto, foram para a sede da PF em São Paulo para 'recepcionar' o ex-presidente. AP
  • Manifestantes fazem festa enquanto o carro que leva Lula chega à sede da PF em São Paulo. Em vários bairros nobres de São Paulo houve panelaços.
    19Manifestantes fazem festa enquanto o carro que leva Lula chega à sede da PF em São Paulo. Em vários bairros nobres de São Paulo houve panelaços. AP