Brasil exigirá da Venezuela a quitação de uma dívida de 1,3 bilhão de dólares

Reunidos em Buenos Aires, países do G-20 pedirão ao FMI um fundo de ajuda para acolher refugiados

O ministro da Fazenda do Brasil, na cúpula do G-20 em Buenos Aires.
O ministro da Fazenda do Brasil, na cúpula do G-20 em Buenos Aires.Reuters

A reunião de ministros de Finanças do G-20 que começou nesta segunda-feira em Buenos Aires teve um alto conteúdo político. Depois de uma reunião à margem do encontro oficial, cerca de dez países concordaram em pedir ao Fundo Monetário Internacional (FMI) recursos para ajudar mais de dois milhões de venezuelanos que emigraram durante o chavismo. O dinheiro não iria para a Venezuela, mas para os países de acolhida, especialmente aqueles fronteiriços em que a situação é crítica, como a Colômbia, onde as autoridades de imigração registraram a entrada de 340.000 venezuelanos, e o Brasil, que acolheu 40.000 refugiados que entraram no pais através do Estado de Roraima.

Mais informações
Com 40.000 venezuelanos em Roraima, Brasil acorda para sua ‘crise de refugiados’
“Na Venezuela não há comida, mas no Brasil sim”: a nova fuga da fome na fronteira do norte

Um porta-voz do FMI disse mais tarde ao EL PAÍS que o organismo “entende que essa ideia tem como objetivo ajudar países vizinhos da Venezuela a lidar com a afluência de refugiados”. “Estamos sempre dispostos a ajudar nossos membros a enfrentar circunstâncias adversas imprevistas, utilizando nossas diferentes ferramentas. Esperamos discussões posteriores nas quais nos envolvamos “, declarou.

Paralelamente à ajuda aos refugiados, os países prometeram pressionar de forma bilateral o Governo de Nicolás Maduro. O ministro da Fazenda do Brasil, Henrique Meirelles, já anunciou em entrevista coletiva que o Governo Temer exigirá de Caracas a quitação de uma dívida de 1,3 bilhão de dólares. Outros países, segundo Meirelles, tomarão uma medida semelhante. O ministro brasileiro marcou assim distância de China e Rússia, ausentes da reunião, que “defendem uma moratória que suspenda os pagamentos venezuelanos”. Sobre a ajuda aos refugiados, Meirelles esclareceu que o dinheiro não será destinado ao Governo de Maduro, mas a “ajudar dezenas de milhares de refugiados que deixaram o país caribenho”. A chegada de venezuelanos já obrigou o Governo Temer a duplicar a presença militar em Roraima em fevereiro. “Houve consenso sobre a Venezuela e vamos tentar influenciar uma solução de todas as formas possíveis, especialmente para a crise humanitária”, disse o ministro brasileiro.

A possibilidade de aplicar sanções à Venezuela é um tema recorrente na região, mas qualquer estratégia comum encontra a resistência dos países do eixo bolivariano, com Bolívia e Equador à frente. A Argentina foi um dos principais  impulsionadores. Em julho passado, durante a cúpula de presidentes do G-20 realizada em Hamburgo, Alemanha, Mauricio Macri pediu que o grupo desse especial atenção “à violação dos direitos humanos na Venezuela”. Agora, como país anfitrião, decidiu avançar nesse sentido.

Participaram da reunião no ministério de Finanças, a poucos metros da Casa Rosada, os representantes de todos os países europeus do grupo, além de EUA, Japão e o Brasil. A Argentina convidou também o México, membro pleno do G-20, e Peru, Colômbia, Chile e Paraguai. Das discussões saiu a proposta de se dirigir ao FMI no mês de abril em Washington, onde se realizará a reunião de primavera do organismo, e a decisão de promover sanções.

Os EUA foram representados pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin. Em nota, sua assessoria de imprensa disse que os participantes da reunião procuraram “abordar a tragédia econômica e humanitária” na Venezuela e pediram “eleições livres, justas e duradouras”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS