Wangari Maathai, a queniana que semeou árvores e ideais

Quando essa Nobel da Paz morreu, havia mais de 47 milhões de árvores plantadas graças à sua iniciativa

Mais informações

A vida de Wangari Maathai foi muito diferente da de outras meninas africanas de sua geração. Essa distinção a ajudou a seguir um caminho que terminou por lhe dar o Nobel da Paz em 2004 — a primeira mulher africana a recebê-lo. Nascida e criada no distrito de Nyeri, na época parte da colônia britânica do Quênia, entrou na escola aos oito anos –— um internato da Missão Católica Mathari, onde aprendeu inglês e que lhe abriu as portas para a única instituição preparatória católica de mulheres no Quênia, o Colégio Loreto, em Limuru. Naquele momento, o colonialismo estava chegando ao fim na África Oriental, e os políticos lutavam para dar educação a suas jovens promessas; foi quando John F. Kennedy, então senador dos Estados Unidos, decidiu financiar um programa para que estudantes africanos estudassem no país. Maathai foi um dos 300 escolhidos.

Graduou-se em Biologia no atual Benedictine College, no Kansas, com especializações em química e alemão. Depois, passou para a Universidade de Pittsburg, onde fez um mestrado também em Biologia, em 1966. Ali, pela primeira vez, participou de um evento relacionado com o meio ambiente. Voltou à África e ingressou como ajudante no Departamento de Anatomia Veterinária da Universidade de Nairóbi. Depois de alguns anos ali, fez um doutorado nas universidades de Giessen e Munique, na Alemanha. Foi a primeira mulher da África Oriental a ter um doutorado. Lutou sempre a partir da Associação de Mulheres Universitárias, onde ampliou sua visão como ativista. Fundou em 1977 o Movimento Cinturão Verde, um sistema de plantação de sementes para as mulheres. Ingressou também na política. Foi parlamentar no Quênia e integrou o Conselho de Honra do World Future Council. No dia em que Maathai morreu, por câncer de ovário, em 2011, havia mais de 47 milhões de árvores plantadas graças à sua iniciativa e à ideia de que a luta pelo planeta em que vivemos é a soma de muitas pequenas batalhas.

“Os seres humanos passam tanto tempo acumulando, pisoteando, negando a outras pessoas. E, no entanto, quem são os que nos inspiram mesmo depois de mortos? Os que serviram aos outros, e não a si mesmos.”

Maathai se soma à lista de três mulheres cientistas cujas histórias já foram contadas pela série Mulheres na Ciência, que será publicada pelo EL PAÍS até o dia 8 de março. Este especial, inspirado pelo livro As Cientistas: 50 Mulheres que Mudaram o Mundo, de Rachel Ignotofsky (editora Blucher), já destacou estudiosas como Rosalind Franklin, que ajudou a desvendar o DNA, e Grace Hopper, que tornou a linguagem do computador mais humana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: