Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Contra o ‘habeas corpus’ pra macharada

Não foi a intenção, mas o manifesto francês valeu como uma licença para a selvageria e o crime de assédio

Catherine Deneuve em fevereiro de 2017.
Catherine Deneuve em fevereiro de 2017. GUILLAUME HORCAJUELO (EFE)
Mais informações

Uma certa macharada ficou histérica com o manifesto de Catherine Deneuve & grande elenco. Parecia um gol de final de campeonato. O saloon do Velho Oeste, agora instalado nas redes sociais, veio abaixo — nem a chegada do pistoleiro Shane ao vale do Wyoming, no filme Os brutos também amam, foi tão zoadenta.

A bela de Repulsa ao sexo defendeu o direito à cantada e criticou o exagero de grupos feministas, nesta mesma semana do protesto enlutado em premiação de Hollywood. “Nós defendemos a liberdade de importunar, indispensável à liberdade sexual", escreveu. Nos trópicos, Danuza Leão, no jornal O Globo, esquentou ainda mais a chapa: “Acho que toda mulher deveria ser assediada pelo menos três vezes por semana para ser feliz. Viva os homens.”

A histeria de uma certa rapaziada, célebre ou anônima, chamou a atenção deste cronista envelhecido em barris de carvalho e machismo. O recado da belle de jour soou aos ouvidos de milhares de homens como se fosse uma anistia, uma licença para a bandalheira, um “liberô geral”, um gol de Copa do Mundo contra o time feminista, um cala-boca nas vozes e hashtags que clamam por igualdade e tratamento digno. AgoraSomosNosPorcosChauvinistas de novo na fita.

Por trás de todo homem — grande, médio ou pequeno — há uma ficha corrida de violências e assédios criminosos ou machistices de varejo. Nada inocente, confesso o quanto já fui inoportuno, amada Séverine, digo, Catherine, aqui já confundindo personagem com vida real. O quanto, ao achar que estava dando apenas uma cantada, ave!, importunava miseravelmente — alcoolizado ou não, pouco importa. E haja ressaca moral na solidão da muvuca-jurubeba, afinal de contas, importunar nunca rende o que se pretende, avançar ao sinal do “não e não e não” jamais vigora.

Moço, pobre moço, gaste o latim com uma cantada elegante, isso nunca foi proibido nem fez parte da plataforma dos muitos e diferentes grupos feministas. Não tome o manifesto da amada atriz francesa como um habeas corpus para a velhacaria selvagem ainda em voga. Mire-se no exemplo de um filme no qual a personagem de Catherine (Geneviève) desperta o romantismo do jovem mecânico Guy Foucher. Eternamente em cartaz nos nossos inconscientes: “Não há guarda-chuvas para o amor” (1964). Uma lição contra todas as guerras.

Não é de hoje essa discussão, amigo. Já deu tempo de sacar o que pode e o que não deve. A cantada nunca esteve proibida, como querem fazer parecer os inimigos das feministas. Vamos lá, garoto, prove a sua delicadeza. Será um bom exercício, no mínimo.

Não há nada para comemorar no manifesto das francesas, macharada. É um gol contra ou um gol de mão, pelo menos. Só um certo radicalismo nos educa, aponta o rumo das ventas da sensibilidade. Somos, historicamente, muito folgados e mimados. Chega de mimimi do tipo “não se pode nem mais dar uma cantada” etc. Não é disso que as feministas, que você tanto ironiza no Twitter e Facebook, estão tratando. O jogo é mais bruto. Creio que não careço aqui repetir as estatísticas de violência contra as mulheres.

Desculpa, querida Catherine, sigo amando a ti e ao conjunto da obra, mas é que a macharada compreendeu o manifesto como um álibi, licença para qualquer coisa, um habeas corpus para seguir a mesma brutalidade. Estou fora.

Beijos, como se estivéssemos no último metrô de Truffaut,

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de Os machões dançaram -crônicas de amor & sexo em tempo de homens vacilões (editora Record), entre outros livros.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: