Kim Jong-un quer a “produção maciça” de armas nucleares

Líder norte-coreano fez nova ameaça aos EUA e se disse aberto a melhorar relações com a Coreia do Sul

O discurso de Ano Novo de Kim Jong-um, em uma cadeia de televisão surcoreana.
O discurso de Ano Novo de Kim Jong-um, em uma cadeia de televisão surcoreana.JUNG YEON-JE (AFP)

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, fez um pedido nesta segunda-feira para que se produza “maciçamente” armas nucleares e mísseis balísticos com a finalidade de utilizá-las caso a segurança da país esteja ameaçada. Pyongyang, reiterou o jovem mandatário, já é um Estado nuclear e tem um “forte poder de dissuasão” contra os Estados Unidos ao qual não renunciará.

“Todos os Estados Unidos estão ao alcance de nossas armas nucleares e há um botão nuclear permanentemente em meu escritório. Essa é a realidade, não uma ameaça”, disse o líder norte-coreano durante seu discurso televisionado pelo dia de Ano Novo, citado pela agência sul-coreana Yonhap. Kim lançou advertências a Washington e mostrou um tom surpreendentemente conciliador com Seul, verbalizando até a possibilidade de enviar uma delegação às próximas Olimpíadas de Inverno, que serão realizadas em fevereiro na Coreia do Sul.

Mais informações

Kim se vangloriou de “ter conquistado a meta de completar nossa força nuclear estatal em 2017” e pediu que nesse ano o país foque na produção em massa de armamento para acelerar sua implantação. Durante o ano passado a Coreia do Norte realizou seu sexto e mais potente teste nuclear e lançou mais de vinte mísseis, três deles de alcance intercontinental. No último discurso de Ano Novo, o líder norte-coreano alertou que estavam finalizando os preparativos para disparar um foguete com essas características.

Os testes de armamento de Pyongyang dispararam a pressão diplomática e econômica contra o regime. O país foi objeto de várias séries de sanções econômicas apoiadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, China incluída, que apesar de continuar sendo a principal linha de segurança econômica do país endureceu sua postura em relação ao programa nuclear norte-coreano. Por mais um ano, e já são quatro, a imprensa norte-coreana mencionou primeiro o presidente russo, Vladimir Putin, em vez do líder chinês, Xi Jinping, quando enumerou os mandatários estrangeiros que enviaram seus cumprimentos de Ano Novo a Kim Jong-un.

Se a mão pesada coube aos Estados Unidos, Kim ofereceu os afagos à Coreia do Sul. O ditador afirmou que as relações entre os dois países “devem melhorar” antes da realização dos Jogos Olímpicos de Inverno, que ocorrerão entre 9 e 25 de fevereiro em Pyeong Chang, uma cidade localizada a apenas 70 quilômetros da fronteira entre as duas Coreias. Kim se mostrou disposto a enviar uma delegação de seu país, mas ainda não inscreveu nenhum de seus atletas capacitados a participar das competições.

“2018 é um ano significativo tanto para o Norte como para o Sul, com o Norte comemorando o 70° aniversário de sua fundação e o Sul recebendo os Jogos Olímpicos de Inverno (...) Esperamos sinceramente que a Olimpíada seja um sucesso. Estamos dispostos a tomar as medidas necessárias, incluindo o envio de nossa delegação”, disse Kim.

O líder norte-coreano, entretanto, vinculou sua presença no evento esportivo à “moderação da tensão militar” entre os dois países, referindo-se às manobras conjuntas realizadas periodicamente pelos exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos na península. “Enquanto nos mantivermos em um estado instável que não é nem de guerra e nem de paz, o Norte e o Sul não podem garantir o sucesso da Olimpíada de Inverno, sentar-se para conversar e avançar em direção a reunificação”, afirmou Kim. O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, partidário da retomada dos contatos com a Coreia do Norte, pediu em dezembro a Washington a suspensão dos exercícios conjuntos porque a próxima data coincide com a realização do evento esportivo. O Executivo sul-coreano considera que essa demonstração de tolerância permitiria pelo menos assegurar que os Jogos ocorram normalmente, sem a interferência e ameaças por parte da Coreia do Norte.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: