Seleccione Edição
Login

Chuva em Minas: “Fui obrigado a sair de casa a galope”

Uma semana depois de a chuva alagar 14 cidades de Minas Gerais, moradores ainda tentam colocar a vida em ordem

  • As chuvas que atingiram Minas Gerais nos últimos dias deixaram um rastro de destruição. Os distritos de Vista Alegre, em Rio Casca, e Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, na zona da mata mineira, que ficam a 200 quilômetros da capital Belo Horizonte, foram alguns dos locais mais atingidos. Cerca de 1.000 pessoas tiveram as casas alagadas nessas regiões.
    1As chuvas que atingiram Minas Gerais nos últimos dias deixaram um rastro de destruição. Os distritos de Vista Alegre, em Rio Casca, e Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, na zona da mata mineira, que ficam a 200 quilômetros da capital Belo Horizonte, foram alguns dos locais mais atingidos. Cerca de 1.000 pessoas tiveram as casas alagadas nessas regiões.
  • O Governo federal reconheceu a situação de emergência em 14 cidades mineiras atingidas pela chuva. A portaria, que inclui onze municípios da Zona da Mata, dois da Região Metropolitana de Belo Horizonte e um do Centro-Oeste, foi publicada na edição do Diário Oficial da União da última quinta-feira (7). São eles: Abre Campo; Caeté; Lajinha; Nova Serrana; Pedro Leopoldo; Piedade de Ponte Nova; Ponte Nova; Raul Soares; Rio Casca; Santa Cruz do Escaldado; Santo Antônio do Grama; São José do Mantimento; São Pedro dos Ferros; e Urucânia.
    2O Governo federal reconheceu a situação de emergência em 14 cidades mineiras atingidas pela chuva. A portaria, que inclui onze municípios da Zona da Mata, dois da Região Metropolitana de Belo Horizonte e um do Centro-Oeste, foi publicada na edição do Diário Oficial da União da última quinta-feira (7). São eles: Abre Campo; Caeté; Lajinha; Nova Serrana; Pedro Leopoldo; Piedade de Ponte Nova; Ponte Nova; Raul Soares; Rio Casca; Santa Cruz do Escaldado; Santo Antônio do Grama; São José do Mantimento; São Pedro dos Ferros; e Urucânia.
  • Três pessoas estão desaparecidas em Minas Gerais e foram confirmadas quatro mortes no estado desde o primeiro sábado do mês. Desde o início do período chuvoso, em outubro, sete mortes foram registradas no estado.
    3Três pessoas estão desaparecidas em Minas Gerais e foram confirmadas quatro mortes no estado desde o primeiro sábado do mês. Desde o início do período chuvoso, em outubro, sete mortes foram registradas no estado.
  • O aposentado Antônio Felizardo Sobrinho, de 75 anos, mora no distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, e lamenta ter perdido tudo com a enchente — apesar de agradecer por estar vivo. “Fui obrigado a sair daqui a galope. Não é fácil não, vou passar um aperto, Nossa Senhora. Nascemos de novo, porque água não é brinquedo não, menino, cruz credo, ave Maria.”
    4O aposentado Antônio Felizardo Sobrinho, de 75 anos, mora no distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, e lamenta ter perdido tudo com a enchente — apesar de agradecer por estar vivo. “Fui obrigado a sair daqui a galope. Não é fácil não, vou passar um aperto, Nossa Senhora. Nascemos de novo, porque água não é brinquedo não, menino, cruz credo, ave Maria.”
  • “Eu fiquei com medo porque nunca vi enchente como essa. Dessa altura, eu nunca vi. Achei que não ia parar de encher”, conta o fiscal agrícola Marinaldo Florencio Santana, de 44 anos, morador do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros.
    5“Eu fiquei com medo porque nunca vi enchente como essa. Dessa altura, eu nunca vi. Achei que não ia parar de encher”, conta o fiscal agrícola Marinaldo Florencio Santana, de 44 anos, morador do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros.
  • A escola estadual Omar Rezende Perez, única no distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, foi tomada pela lama.
    6A escola estadual Omar Rezende Perez, única no distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, foi tomada pela lama.
  • A chuva causou estragos nas estradas da região, derrubando pontes e dificultando o acesso aos locais atingidos. Principalmente em rodovias como a MG-329, no entorno de Rio Casca e Ponte Nova, e na MG-262 para Barra Longa.
    7A chuva causou estragos nas estradas da região, derrubando pontes e dificultando o acesso aos locais atingidos. Principalmente em rodovias como a MG-329, no entorno de Rio Casca e Ponte Nova, e na MG-262 para Barra Longa.
  • Sem equipamentos adequados, adultos e crianças se arriscam na lama para limpar o que sobrou das casas e ruas do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros. A ajuda do estado é muito pouca e a maior parte das máquinas utilizadas para auxílio são de fazendeiros e de empresas da região.
    8Sem equipamentos adequados, adultos e crianças se arriscam na lama para limpar o que sobrou das casas e ruas do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros. A ajuda do estado é muito pouca e a maior parte das máquinas utilizadas para auxílio são de fazendeiros e de empresas da região.
  • Quase uma semana após a enchente, moradores ainda retiram lama de dentro das casas no distrito de Vista Alegre, em Rio Casca. Sem água para limpar o que sobrou, a dificuldade é muito maior.
    9Quase uma semana após a enchente, moradores ainda retiram lama de dentro das casas no distrito de Vista Alegre, em Rio Casca. Sem água para limpar o que sobrou, a dificuldade é muito maior.
  • Os moradores da região colocaram muitos objetos em prateleiras, esperando que a água não os alcançasse, mas foram surpreendidos. Em alguns pontos, até mesmo casas de dois andares foram completamente submersas e os habitantes ficaram ilhados em cima dos telhados.
    10Os moradores da região colocaram muitos objetos em prateleiras, esperando que a água não os alcançasse, mas foram surpreendidos. Em alguns pontos, até mesmo casas de dois andares foram completamente submersas e os habitantes ficaram ilhados em cima dos telhados.
  • Moradores do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, formam filas para receber botas que foram doadas. Muitos deles se machucaram após as enchentes por andarem descalços, pisando em pregos, e se cortando em arames farpados.
    11Moradores do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, formam filas para receber botas que foram doadas. Muitos deles se machucaram após as enchentes por andarem descalços, pisando em pregos, e se cortando em arames farpados.
  • A igreja do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, ficou lotada de doações. Além de água potável, as vítimas da chuva na Zona da Mata precisam de alimentos não perecíveis, colchões, roupas de cama, produtos de higiene pessoal e roupas.
    12A igreja do distrito de Águas Férreas, em São Pedro dos Ferros, ficou lotada de doações. Além de água potável, as vítimas da chuva na Zona da Mata precisam de alimentos não perecíveis, colchões, roupas de cama, produtos de higiene pessoal e roupas.
  • O motorista Eduardo Antônio, de 40 anos, morador do distrito de Vista Alegre, em Rio Casca, conta que ficou sabendo da enchente enquanto estava trabalhando na Bahia. “Um colega me passou um WhatsApp, assustei muito. Fiquei preocupado, tentando ligar para minha família, e não conseguia. Cheguei em casa quatro dias depois, eu não imaginava que teria tanta lama, tanta destruição assim.”
    13O motorista Eduardo Antônio, de 40 anos, morador do distrito de Vista Alegre, em Rio Casca, conta que ficou sabendo da enchente enquanto estava trabalhando na Bahia. “Um colega me passou um WhatsApp, assustei muito. Fiquei preocupado, tentando ligar para minha família, e não conseguia. Cheguei em casa quatro dias depois, eu não imaginava que teria tanta lama, tanta destruição assim.”
  • O final de semana foi de muito trabalho para os moradores das áreas atingidas.
    14O final de semana foi de muito trabalho para os moradores das áreas atingidas.
  • Muito comércios foram totalmente destruídos, o que dificulta ainda mais a retomada da normalidade nas áreas atingidas.
    15Muito comércios foram totalmente destruídos, o que dificulta ainda mais a retomada da normalidade nas áreas atingidas.