Seleccione Edição
Login

“Um redemoinho de fogo nos atingiu e não pudemos fazer nada”

Vento forte, incomum em dezembro, provoca seis incêndios ao mesmo tempo e queima 70.000 hectares no sul da Califórnia em uma semana

Um homem observa desde a estrada o incêndio de Ventura, Califórnia, na quinta-feira.
Um homem observa desde a estrada o incêndio de Ventura, Califórnia, na quinta-feira. AP

Eram cerca das 21h30 locais (2h30 em Brasília) na segunda-feira quando Art Denny recebeu uma mensagem de texto de uma vizinha dizendo: “Saia daí.” O fogo descia pelo monte em frente à sua casa de campo em Santa Paula, nos arredores de Ventura, na Califórnia. O vento era muito forte. Sua esposa e sua filha de 19 anos foram embora da casa. Ele as acompanhou à residência de um vizinho e tentou voltar para proteger seu lote, onde tinha um depósito de 10.000 litros de água que pensava usar para combater o incêndio. Chegou tarde. As chamas atravessaram a estrada rapidamente. “Um redemoinho de fogo nos atingiu e não pudemos fazer nada”, disse ele, no sábado, em frente aos restos queimados de sua casa. “Tinha ouvido falar disso, mas nunca havia visto. Era literalmente um redemoinho de fogo.”

Cenas como essa se repetiam nas localidades situadas nas montanhas ao redor de Ventura, uma cidade turística na costa a uma hora de Los Angeles. O fogo, que começou no domingo passado na região, já queimou 70.000 hectares (área maior que a da cidade de Madri). No sábado, 15% dele havia sido controlado, enquanto quase 4.000 pessoas e 30 helicópteros trabalhavam para combatê-lo. Quase toda a cidade cheirava a queimado. Há dias, o vento faz voar faíscas por todo o condado. A casa de Art Deny é uma das mais de 530 que o fogo destruiu aleatoriamente. Ao redor, há outras casas intactas numa zona de criação de animais. Perto da casa de Denny, salvou-se um estábulo de cavalos e alpacas. Calcula-se que cerca de 30 cavalos morreram devido aos diversos incêndios dos últimos dias. Também é atribuída ao fogo a morte de pelo menos uma pessoa: uma mulher que teve um acidente de carro e inalou grade quantidade de fumaça.

Na outra ponta de Ventura, centenas de moradores de bairros de luxo, que se estendem entre vinhedos e fazendas de frutas, esperavam que o Exército lhes permitisse voltar às suas casas, escoltados pelos militares em pequenos veículos. O fogo continua ativo a poucos metros desses bairros e pode mudar a qualquer momento. Renee Pawn fazia fila esperando que a levassem para recuperar algumas coisas em sua residência, que se salvou milagrosamente no bairro de Hidden Valley, uma zona em que as casas custam entre 700.000 dólares (2,3 milhões de reais) e um milhão de dólares (3,3 milhões de reais).

Art Denny, no sábado, em frente ao que restou de sua casa em Santa Paula, Califórnia.
Art Denny, no sábado, em frente ao que restou de sua casa em Santa Paula, Califórnia.

Às 10h30 de segunda-feira, Pawn já havia colocado para dormir os seus filhos, de seis e oito anos, quando chegaram os avisos de evacuação. Saiu às ruas e “podia ouvir o crepitar do fogo”. Fez uma foto de um muro de chamas que avançava pela colina diante de sua casa. Ela e os filhos saíram com o “que tinham no corpo”. Pawn levou seus dois cachorros, mas não pôde encontrar seu gato, Yoda. “A força está com ele”, brinca, esperando que apareça. Mostra, em seu celular, as fotos de uma fileira de casas que havia logo adiante e das quais restou apenas a chaminé. Sua casa e outras duas da foto estão intactas. “Tenho um anjo em algum lugar cuidando de mim”.

Os ventos conhecidos como Santa Ana no sul da Califórnia (no norte, chamam-se ventos Diabo) são rajadas fortes de ar seco do deserto em direção à costa. Secam o ambiente por onde passam e aumentam drasticamente o risco de incêndios. O fenômeno é comum e ocorre no final do verão, como aconteceu ao norte de San Francisco em outubro. Todo ano, esse é o momento mais propenso aos incêndios nesse estado norte-americano. Mas é muito estranho que ocorra em dezembro. Nos últimos dias, os ventos superaram os 130 quilômetros por hora, com uma umidade relativa não superior a 8% e temperatura de 24 graus. Embora o vento tenha começado a baixar no sábado em Los Angeles, em Ventura continuava soprando com força. A previsão é que volte a aumentar e que a seca continue na próxima semana.

Quase 4.000 bombeiros combatem o fogo em Ventura, Califórnia.
Quase 4.000 bombeiros combatem o fogo em Ventura, Califórnia. AFP

Nessas condições, até seis grandes incêndios foram registrados no sul da Califórnia, a menos de uma hora de Los Angeles. O de Ventura é o maior e o que mobilizou mais recursos. Outro, que ameaça o nordeste de Los Angeles e Burbank, tinha sido 80% controlado depois de queimar 6.000 hectares ao lado da cidade. Dentro da própria zona metropolitana de Los Angeles, foi registrado um incêndio na montanha ao redor de Bel Air. Algumas das casas mais caras do mundo precisaram ser evacuadas. As imagens das chamas descendo pela colina em frente ao museu Getty deram ao volta ao mundo.

Na quinta-feira, surgiram dois novos incêndios ao sul de Los Angeles, um quase em San Diego e outro no interior, em Murrieta, que provocaram novas evacuações. Nesse dia, mais de 200.000 pessoas saíram de suas casas por causa das chamas. Além disso, 265 dos quase 1.100 colégios do condado de Los Angeles suspenderam as aulas. A declaração de estado de desastre, aprovada pela Califórnia e o Governo federal em Washington, permitiu a mobilização de recursos federais. No total, mais de 8.700 pessoas trabalham contra os incêndios, incluindo bombeiros de estados como Montana, Nevada e Arizona.

“Ainda não resolvemos essa situação”, disse o chefe do serviço de combate a incêndios da Califórnia, Ken Plimcott, numa coletiva em Ventura ao lado do governador, Jerry Brown. Plimcott disse que o vento continuará e que o fogo “ainda é muito grande”. “É dezembro, e ainda não saímos da temporada de incêndios. É incrível, mas precisamos reconhecer que isso vai durar o ano inteiro”, disse Plimcott. “É a nova normalidade”, afirmou o governador Brown, um homem que colocou a luta contra a mudança climática no centro de sua política. “Essa é a nova realidade da Califórnia.”

MAIS INFORMAÇÕES