Exército toma as ruas no Zimbábue e mantém Mugabe sob custódia

Militares afirmam que o presidente está a salvo e negam que se trate de um golpe de Estado

Um veículo blindado na manhã desta quarta-feira, na rua onde fica a sede da presidência, em Harare
Um veículo blindado na manhã desta quarta-feira, na rua onde fica a sede da presidência, em HarareTsvangirayi Mukwazhi / AP

Mais informações

O Governo do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, de 93 anos, atravessa uma situação crítica nesta quarta-feira, depois que o Exército ocupou posições nas ruas da capital, Harare, e assumiu o controle de meios de comunicação e edifícios governamentais. Segundo a versão dos militares, trata-se de uma operação contra “criminosos” do entorno de Mugabe, no poder há 37 anos. Um porta-voz das Forças Armadas relatou que o nonagenário presidente está a salvo, mas sob custódia. O partido governista União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla em inglês) afirmou nas redes sociais que Mugabe e sua mulher foram presos. “Nem o Zimbábue nem a ZANU são propriedade de Mugabe e de sua mulher”, declarou o partido em um tuíte. A sede da ZANU, no entanto, também está sob o controle do Exército. Segundo o relato do partido governista, o ex-vice-presidente Emmerson Mnangawa assumiria interinamente a chefia do Governo.

O Movimento pela Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês), que há décadas é a principal força de oposição a Mugabe, pediu o retorno pacífico à democracia, acrescentando que a intervenção militar deve conduzir esta ex-colônia britânica ao “estabelecimento de um Estado estável, democrático e progressista”.

Soldados do Exército zimbabuano bloqueiam o acesso a prédios públicos da capital, como o edifício Munhumutapa, onde fica o gabinete do presidente, o Parlamento e o Tribunal Supremo, segundo o canal sul-africano de televisão News24. As informações apontam também para uma forte presença militar na rodovia que leva à residência rural de Mugabe, no distrito de Zvimba, a leste de Harare. O canal também exibiu imagens de soldados controlando o acesso ao aeroporto internacional, recentemente batizado de Robert Mugabe, mas os voos aparentemente continuam ocorrendo com relativa normalidade.

Durante a madrugada, oficiais do Exército leram uma declaração ao vivo pela televisão estatal em que negam ter cometido um golpe de Estado e asseguram que o presidente está a salvo. Momentos antes, um grupo de soldados ocupou a emissora nacional, e a imprensa local noticiou várias explosões em Harare, com causas desconhecidas. Na declaração transmitida pela TV, o general Sibusiso Moyo indicou que seu objetivo “é pacificar uma situação política e socialmente degenerada, a qual, se não for levada em conta, poderia resultar em um conflito violento”. “Assim que completarmos nossa missão, esperamos que a situação retorne à normalidade”, declarou.

Além disso, o general Moyo convocou todos os “veteranos de guerra” da luta pela libertação do Zimbábue a assegurar a paz, a estabilidade e a unidade, e pediu ao resto de forças de segurança que cooperem para o bem do país. Nesta manhã, esse mesmo comunicado era repetido a cada 20 minutos nas emissoras de rádio, que também reproduzem canções da guerra de independência da antiga Rodésia, ocorrida em 1980, segundo a News24.

Em cifras

  • População: 16.150.362 de habitantes em 2016
  • Inflação: 1,6% em 2016
  • PIB do país (em dólares): 16,289 bilhões em 2016
  • PIB per capita: 2.200 dólares em 2016
  • PIB por setor: Agricultura: 12,5%; Indústria: 27%; Serviços: 60,0%
  • Ocupação por setor: Agricultura: 66%; Indústria: 10%; e Serviços: 24%
  • Dívida pública: 69,9%
  • Despesa militar: 2,2%
  • Expectativa de vida: 62,2 anos em 2015
  • Governo: República semipresidencial
  • Capital: Harare
  • Independência: do Reino Unido em abril de 1980

Fontes: Banco Mundial e CIA Factbook.

Entretanto, apesar do aumento da tensão no país e dos rumores sobre um possível golpe de Estado, o comércio abriu as portas, mas o trânsito na rua é “mínimo”, segundo a emissora sul-africana. A incerteza começou a aumentar na tarde desta terça-feira, depois que vários tanques foram vistos rumando para Harare. Na véspera, o chefe das Forças Armadas, Constantine Chiwenga, concedera entrevista coletiva na qual alertou para a adoção de “medidas corretivas” contra o expurgo de veteranos no partido de Mugabe. Flanqueado pelos comandantes do Exército e da Força Aérea, Chiwenga se manifestava uma semana depois de Mugabe afastar Mnangagwa. O partido do presidente reagiu acusando o chefe militar de “conduta de traição” destinada a “incitar à insurreição”.

Também nesta madrugada, a Embaixada dos Estados Unidos pediu aos seus funcionários e cidadãos que trabalhem em suas casas nesta quarta-feira, por causa da incerteza política. Segundo nota da legação diplomática norte-americana, a embaixada contará com um pessoal mínimo e ficará fechada ao público durante todo o dia. Além disso, o texto orienta os cidadãos dos EUA no Zimbábue a se refugiarem em seus lares até segunda ordem e a permanecerem atentos às notícias e aos avisos da embaixada.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50