Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Louis C.K. pede perdão por sua conduta sexual: “É tudo verdade”

Comediante faz um pedido público de desculpas às mulheres que o acusam de masturbar-se diante delas

Louis C.K., em uma estreia em Nova York em 2013.
Louis C.K., em uma estreia em Nova York em 2013. REUTERS

O comediante Louis C. K. divulgou nesta sexta-feira um comunicado no qual admite que os relatos sobre sua conduta sexual feitos por cinco mulheres na mídia “são verdade” e expressa remorso pelo ocorrido. O comunicado chega depois de a estreia de seu novo filme ser cancelada abruptamente na quinta-feira à noite e as plataformas de streaming terem retirado seu material.

“Quero tratar das histórias contadas a The New York Times por cinco mulheres chamadas Abby, Rebecca, Dana, Julia, que puderam dar seus nomes, e uma que não”, começa o texto, distribuído por sua assessora de imprensa. “Essas histórias são verdadeiras. Naquele momento, eu dizia a mim mesmo que isso estava correto porque nunca mostrei meu pênis a uma mulher sem lhe perguntar primeiro, o que também é verdade. Mas o que aprendi depois na vida, tarde demais, é que quando você tem poder sobre outra pessoa pedir-lhes que vejam o seu pênis não é uma pergunta. Para elas, era ficar em apuros. O poder que eu tinha sobre essas mulheres é que elas me admiravam. E usei esse poder de forma irresponsável.”

Um total de cinco mulheres, quatro delas com nome e sobrenome, apareceram na quinta-feira no Times acusando Louis C. K., um dos mais famosos comediantes dos Estados Unidos, de um comportamento inapropriado com elas quando estavam a sós. Os relatos descreviam com muitos detalhes como o ator se masturbou diante delas ou tentou fazer isso. Louis C.K. se negou a responder à questão na quinta-feira. Quando lhe perguntaram em setembro sobre os rumores que já existiam sobre esse comportamento, disse que não iria dar corda para rumores.

As consequências para a carreira de Louis C.K. foram imediatas. A estreia de seu mais recente filme, I Love You, Daddy, prevista para essa mesma quinta-feira à noite, foi cancelada. Sua aparição nessa noite no programa de variedades de Stephen Colbert, também. Nesta sexta-feira pela manhã, a HBO anunciou que retirava de catálogo sob demanda todo o material de Louis C.K. e que não contaria com ele para um evento beneficente do qual iria participar. A Netflix anunciou que não produzirá um novo especial que estava planejado com o comediante. Nesta sexta-feira pela manhã, a distribuidora The Orchard anunciou que a estreia de I Love You, Daddy tinha sido cancelada definitivamente.

O comunicado de Louis C.K. é uma novidade na onda de acusações contra homens poderosos da indústria do entretenimento sobre seu comportamento sexual. As acusações vão desde o assédio verbal até condutas exibicionistas e estupro, como no caso do produtor Harvey Weinstein. Louis C.K. se declara profundamente arrependido e, sobretudo, reconhece sem rodeios que fez o que estão dizendo.

“Tive remorsos pelos meus atos. E tratei de aprender com isso. E fugir disso. Agora estou consciente de até onde chega o impacto de meus atos. Ontem (quinta-feira) aprendi até que ponto deixei essas mulheres que me admiravam se sentirem mal consigo mesmas e ficarem em alerta diante de outros homens que nunca as haviam colocado nessa situação”.

“Também me aproveitei do fato de que sou bastante admirado na minha comunidade e na delas”, continua o comunicado, “o que lhes impedia de contar sua história e lhes causava dificuldades quando tentavam, porque as pessoas que me admiram não queriam escutar. Eu não achava que estava fazendo isso porque minha posição me permitia não pensar nisso. Não há nada nisso em que eu perdoe a mim mesmo. Tenho que reconciliar-me com quem sou. O que não é nada comparado com a tarefa que deixei para elas”.

Louis C.K. se desculpa em seguida com todas as pessoas que vão ficar sem trabalho por causa do cancelamento de seus projetos e com as equipes de seu novo filme e das quatro séries de televisão que produz (Better Things, The Cops, One Mississippi e Baskets).

“Trouxe dor para minha família, meus amigos, minhas filhas e sua mãe”, conclui a carta pública. “Passei toda minha longa e próspera carreira falando e dizendo o que quis. Agora darei um passo atrás e me darei um tempo longo para escutar. Obrigado por me lerem.”

MAIS INFORMAÇÕES