Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Com Trump, EUA vivem polarização como no período da Guerra do Vietnã

Pesquisa realizada pelo ‘The Washington Post’ revela que 70% dos cidadãos acreditam que a política atingiu seu ponto mais baixo e que a atual Administração é “disfuncional”

O presidente Donald Trump em 25 de outubro
O presidente Donald Trump em 25 de outubro REUTERS

Ele foi o candidato da divisão. Venceu com menos votos do que sua adversária. E desde que entrou na Casa Branca não parou de polarizar. Uma pesquisa realizada pelo jornal The Washington Post revela que o presidente Donald Trump levou os Estados Unidos a uma das maiores fraturas da história recente: sete de cada dez cidadãos consultados consideram que existe uma divisão semelhante à que levou à Guerra do Vietnã.

A pesquisa, realizada com a Universidade de Maryland, mostra o pessimismo que se instalou nos EUA e que a chegada de Trump ao poder só o aprofundou. Longe de recuperar a credibilidade da classe política, o candidato que se apresentou como antissistema afundou no pântano que prometeu drenar. Sua agitação é vista como uma nova forma de normalidade e a perda de prestígio das instituições que iria endireitar aumentou até o ponto de 70% dos entrevistados considerarem que sua Administração é disfuncional (80% no caso do Congresso).

É difícil saber se esse descrédito é bom ou ruim para os propósitos eleitorais de Trump e para seu flerte eterno com as margens do sistema, mas representa uma fissura grave. Cerca de 71% dos entrevistados estão convencidos de que a política dos EUA atingiu seu ponto mais baixo. Um desapego que atinge a medula do sonho americano: a confiança em sua democracia. A porcentagem daqueles que já não se sentem orgulhosos dele dobrou em três anos (foi de 18% a 36%) e é o número mais alto, inclusive entre os republicanos, dos últimos 20 anos.

São sinais de uma erosão constante. O declínio de uma era que avança a toque de caixa e cujas causas os cidadãos identificam com clareza. Entre elas se destacam o peso do “dinheiro na política” (65%), os doadores ricos (56%), o extremismo (56%), o próprio Donald Trump (51%), mas também os meios de comunicação (49%) e a correção política (41%). Muitos desafios para uma presidência que se concentrou em manter ativo seu núcleo eleitoral em vez de se abrir e buscar a conciliação.

 

MAIS INFORMAÇÕES