Astrônomos descobrem anel em planeta anão próximo a Plutão

Brasileiros fazem parte da equipe que conseguiu detalhamento sem precedentes do planeta Haumea

Reconstrução de Haumea e seu anel
Reconstrução de Haumea e seu anelIAA
Mais informações

Mais além de Netuno, o último planeta no Sistema Solar, se estende um cinturão com centenas – talvez milhares – de corpos feitos de rocha e gelo. Plutão, o mais conhecido deles, foi rebaixado a planeta anão em 2006 em parte porque outros corpos de tamanho similar ou inclusive maiores foram descobertos nessa mesma área. Entre eles estavam Eris, Makemake e Haumea, o mais desconhecido do grupo. De acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira, este também é o único dos planetas anões que tem um anel que lembra, em miniatura, os de Saturno.

Esses corpos são muito difíceis de estudar porque estão muito distantes, brilham pouco e são muito pequenos. Uma maneira de observá-los em detalhe é segui-los exatamente quando passam na frente de uma estrela eclipsando parte de sua luz, o que permite calcular sua composição e tamanho exatos.

De acordo com a Agência Brasil, a descoberta resultou de um trabalho conjunto liderado pelo astrônomo espanhol Jose Luis Ortiz, do Instituto de Astrofísica de Andaluzia (IAA-CSIC), e contou com a participação de astrônomos e alunos brasileiros do Observatório Nacional, ligado ao Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Observatório do Valongo, ligado a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Tecnológica Federal do Parana (UFTPR), filiados ao Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA).

Em 21 de janeiro deste ano, Haumea passou diante de uma estrela propícia. Doze telescópios de 10 observatórios europeus acompanharam o fenômeno. “Graças a essa mobilização de meios, pudemos reconstruir a forma e o tamanho do planeta anão Haumea com muita precisão, com o surpreendente resultado de que é muito maior e menos reflexivo do que se pensava”, explica Ortiz. “Também é muito menos denso do que se acreditava anteriormente e isso resolve algumas incógnitas que estavam pendentes em relação a esse objeto”, acrescenta o astrônomo em um comunicado de imprensa divulgado por sua instituição.

O Haumea leva 284 anos terrestres para completar uma órbita em torno do Sol e dá uma volta sobre seu eixo a cada quatro horas

Haumea está a cerca de 7,4 bilhões de quilômetros, 50 vezes a distância do Sol à Terra. Leva 284 anos terrestres para completar uma órbita ao redor da estrela e dá uma volta sobre seu eixo a cada quatro horas, muito mais rápido do que outros corpos de tamanho similar e até menor. Essa velocidade lhe deu sua característica forma de bola de rúgbi. Graças às observações feitas, publicadas nesta quarta-feira na revista Nature, agora se sabe que tem pelo menos 2.320 quilômetros em seu lado mais longo, como Plutão, mas sem atmosfera.

A descoberta mais importante é o anel ao redor do seu plano equatorial, onde também existe a lua Hi’iaka. Até alguns anos atrás, só se conheciam anéis nos planetas gigantes, especialmente os de Saturno. Posteriormente foram descobertos anéis em alguns Centauros, os corpos que orbitam entre Júpiter e Netuno, e é possível que Marte ganhe um quando Fobos, uma das suas luas, colidir com planeta. “Agora descobrimos que corpos ainda mais distantes do que os Centauros, maiores e com características gerais muito diferentes, também podem ter anéis”, destaca Pablo Santos-Sanz, outro membro da equipe do IAA.

O anel tem uma ressonância de 3 por 1, isto é, as partículas de gelo que o compõem dão uma volta ao redor do planeta para cada três que este completa sobre seu próprio eixo.

O anel pode ter se formado “depois de uma colisão com outro objeto ou pela liberação de parte do material de superfície devido à rápida rotação de Haumea”, diz Ortiz. Para a astrônoma Amanda Sickafoose, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), “a descoberta permite especular que os corpos com anéis nos confins do Sistema Solar não são tão raros e que outros podem ser descobertos em breve”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: