O grande erro de Bill Gates: o CTRL+ALT+DEL

O fundador da Microsoft reconhece que mudaria sua decisão de usar a famosa combinação de teclas

O empresário e filantropo Bill Gates.
O empresário e filantropo Bill Gates.Kamil Zihnioglu (AP)

Há hábitos que já são tão comuns que nem pensamos os motivos que nos levam a praticá-los. Um deles é sem dúvida uma sequência muito familiar a quem acompanha os computadores desde suas origens: o conhecido CTRL+ALT+DEL; uma sequência mágica que nos tira de qualquer aperto e força a máquina a parar um processo, acabando com sua agonia. Sim, o CTRL+ALT-DEL tirou milhões de usuários da Microsoft de apuros ao devolver o PC à vida, mas… por que se escolheu esta combinação tão estranha?

Mais informações

Para apertar estas três teclas –muito distantes entre si, diga-se de passagem- o usuário deve usar ambas as mãos e, evidentemente, três dedos; uma posição um tanto forçada e nem sempre fácil. A dúvida apareceu de forma inesperada em um debate organizado pela Bloomberg entre as estrelas do mundo dos negócios, incluíndo o próprio Bill Gates. O filantropo multimilionário, agora à frente de sua Gates Foundation, se surpreendeu com a pergunta formulada pelo moderador do debate, o também magnata, David Rubenstein. “Bill, vou te fazer uma pergunta que já devia ter feito faz tempo”, começa ele. “Por que você escolheu a sequência CTRL-ALT-DEL?”, referindo-se à estranha posição das mãos.

Risos entre os presentes. Uma divertida cara de surpresa de Gates, que mantém o silêncio enquanto vira os olhos para cima e se remexe -um tanto desconfortável- em sua cadeira. O magnata recupera sua posição e adota o papel de Bill, o fundador da Microsoft, para explicar que aquela era a única forma de se forçar as máquinas da IBM a parar um processo. “As pessoas envolvidas nessa tarefa deveriam ter escolhido uma tecla mais óbvia, claro”, lamenta. “Você se arrepende desta escolha?”, insiste Rubenstein.

Neste momento, Gates volta a ser o garoto tímido que um dia revolucionou o mundo dos computadores para sempre com a Microsoft e responde, divertido: “Claro, se pudesse mudar escolheria uma única tecla”, explicou, acrescentando que o faria se pudesse voltar no tempo. E desde que o retorno não colocasse em risco "outras decisões" de sua vida.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: