As vítimas do atentado em Barcelona

Autoridades da Espanha indicam que há vítimas de 35 nacionalidades, incluindo mortos e feridos

Um homem é atendido pelos serviços de emergência depois do atentado.
Um homem é atendido pelos serviços de emergência depois do atentado.JUAN BARBOSA
Mais informações
Imagens do atentado terrorista em Barcelona, em La Rambla
Espanha revive terror 13 anos depois do maior atentado da Europa
A polícia detém duas pessoas relacionadas com o ataque
Vítima do atentado em Barcelona: “O que eu vi foi uma verdadeira tragédia”
Bruno Gulotta, um pai jovem que deu a vida pelo filho

Entre os estrangeiros assassinados no atentado de quinta-feira em La Rambla de Barcelona há pelo menos três alemães, dois italianos, uma mulher belga e uma portuguesa, de acordo com diferentes fontes desses países. Apenas o caso da Bélgica está oficialmente confirmado. Há também três espanhóis, dos quais um já foi identificado, entre os mortos no atropelamento. A Agência Espanhola de Proteção Civil disse que há mortos e feridos de 35 nacionalidades, enquanto que o presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, afirmou que a maioria dos feridos são estrangeiros, de mais de 20 nacionalidades. A França informou que 26 pessoas hospitalizadas são cidadãos desse país. A Generalitat informou que entre as vítimas fatais há menores de idade, sem especificar quantos.

Uma van atropelou, na quinta-feira, dezenas de pessoas em um dos lugares mais turísticos da capital catalã, causando 13 mortos e centenas de feridos, 15 deles graves, 23 menos graves e cerca de 50 leves.

Por enquanto, as autoridades espanholas só detalharam que há vítimas, entre mortos e feridos, de pelo menos 35 países, entre esses, Alemanha, Argentina, Austrália, China, Cuba, França, Espanha, Grécia, Itália e Venezuela, sem especificar se eram feridos ou mortos. Já foi feita a autópsia nos corpos dos 13 falecidos e foram tomadas amostras de DNA para identificá-los.

As primeiras informações oficiais divulgadas pelo Governo alemão indicam que seriam 13 os cidadãos alemães feridos. Vários deles estariam muito graves, como foi citado pela imprensa local a partir de fontes do ministério de Relações Exteriores. As mesmas fontes não descartam que pode existir vítimas fatais entre os cidadãos alemães. A rede de televisão pública ZDF informou horas antes, citando fontes dos organismos de segurança, que três alemães teriam morrido no ataque.

A morte de uma cidadã belga foi confirmada pelo ministro de Relações Exteriores do país, Didier Reynders, no Twitter: “Lamentamos uma vítima belga em Barcelona. Minhas condolências à família e parentes.” O ministro detalhou que se trata de uma mulher, e acrescentou que o consulado está em contato com outros dois compatriotas que permanecem hospitalizados, um deles grave. O prefeito de Tongeren, uma cidade flamenca perto da fronteira holandesa, confirmou que a falecida é moradora do município. A imprensa local a identificou como Elke V., de 44 anos, funcionária do serviço postal que estava visitando Barcelona com seu marido, militar, e seus dois filhos de 11 e 14 anos. Não se sabe se eles estão entre os feridos.

O primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, confirmou a morte de dois compatriotas no ataque a La Rambla. Trata-se de Bruno Gulotta, de 35 anos, que estava de férias em Barcelona com sua família, conforme informou sua empresa Tom’s Hardware. “Nosso colega e amigo Bruno Gulotta foi atropelado e morto por um terrorista infame no coração de Barcelona”, afirma a empresa em seu site. O outro italiano morto no ataque é Luca Russo, engenheiro de 25 anos.

Fontes do Governo português informaram à agência EFE que uma cidadã de seu país, de 74 anos, está entre as vítimas fatais. É uma mulher que reside no distrito de Lisboa e que, aparentemente, estava fazendo turismo em Barcelona.

O ministro de Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, confirmou em um comunicado que entre os feridos após o atentado há 26 pessoas daquele país. De acordo com o ministério, 11 franceses estão seriamente feridos, um número que o ministro do Interior, Gérard Collomb, aumentou para 17. Em qualquer caso, trata-se de um “preço alto” que a França pagou no “terrível ataque” em Barcelona, disse em um tuite o presidente, Emmanuel Macron, que voltou a expressar “todo seu apoio” às vítimas e suas famílias.

Le Drian viaja na sexta-feira para Barcelona para visitar as vítimas francesas do que chamou de “ato covarde” e também para “garantir o apoio da França ao povo e às autoridades espanholas”. Também já está a caminho uma equipe médica com psicólogos para atender os franceses afetados, confirmou o vice-porta-voz do ministério de Relações Exteriores, Alexandre Giorgini. A presença francesa é forte na Catalunha, lembrou. Cerca de 35.000 franceses vivem em Barcelona e seus arredores, um número ao qual deve ser somado o forte fluxo de turistas que a cada ano visita Barcelona, um dos destinos favoritos dos franceses.

A Austrália informou que oito de seus cidadãos foram afetados. São quatro feridos, entre eles uma mulher que viajava com passaporte britânico e está hospitalizada com ferimentos graves; outra mulher está em estado grave, mas estável. Uma das feridas é Jom Cadman. Sua família informou de Sydney que seu filho Julian, de sete anos, que estava com ela no momento do ataque, continua desaparecido.

O Ministério de Relações Exteriores da Colômbia informou que um de seus cidadãos está ferido e outro, desaparecido.

Em Tarragona permanecem hospitalizadas quatro pessoas como consequência do atropelamento de Cambrils, no qual cinco terroristas foram mortos e uma pessoa faleceu no ataque.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS