Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Joselia Aguiar: “Minha preocupação foi mapear a literatura que está fora dos radares”

Curadora da Flip montou a programação mais diversificada de todas as edições da festa

Flip 2017
Josélia Aguiar, curadora da Flip

Em 2016, logo após assumir a curadoria da Festa Literária de Paraty, a Flip, a jornalista cultural e historiadora Joselia Aguiar conversou com o EL PAÍS. Sua ideia, já clara, era fazer com que um dos principais eventos de literatura do país tivesse mais diversidade em sua programação: com mais presença feminina e de autores negros. Dez meses depois e a menos de duas semanas do evento, a intenção virou realidade. A Flip 2017 é a mais diversa da história do evento, buscando autores que estão fora do radar do grande mercado editorial. Na entrevista abaixo, Joselia conta sobre o processo de curadoria e o que descobriu ao longo dele, além de comentar destaques da programação e refletir sobre o que espera do evento.

Pergunta. A última edição da Flip, em 2016, sofreu críticas de parte do movimento negro pela ausência de diversidade nas mesas. Desta vez, a programação é a mais diversa vista até agora, com grande presença feminina e de autores e autoras negros. Foi uma resposta a uma demanda?

Resposta. Não no sentido de que eu, como curadora, cumpri uma demanda que não era minha. Eu tenho um percurso e as escolhas que fizemos para este ano são condizentes com ele. Nasci em Salvador, estudei a fotografia da Bahia negra do etnofotógrafo Pierre Verger, recentemente finalizei uma biografia do Jorge Amado. Assim, as opções da programação não são apenas uma mera formalidade ou o cumprimento de uma tarefa da “marca” Flip. Ao mesmo tempo, a força que eu tive para fazer essas mudanças no programa veio, principalmente, da internet, onde dois movimentos ativistas fortes [feminista e negro] começaram a receber bem as novidades. Embora não seja uma resposta imediata às críticas, minha curadoria se beneficiou, sim, dessa força e expectativa.

P. E o que você descobriu sobre o mundo editorial brasileiro nesse processo de fazer uma curadoria com mais diversidade?

R. Há um conjunto de nano, micro e pequenas editoras que são fundadas e tocadas por mulheres. Eu poderia sentar aqui e falar logo umas quinze em diferentes Estados. Isso é muito interessante. Eu também percebo que existe uma tradição de literatura afro-brasileira que é publicada por algumas editoras que sempre estiveram um pouco à margem, como a Mazza, em Minas Gerais. Ao mesmo tempo, estão nascendo outras iniciativas de publicação afro-brasileira, como a Malê, no Rio de Janeiro, e a Kapulana, em São Paulo. E, conversando com eles, é possível entender que isso também é resultado das ações afirmativas que colocaram mais negros na Universidade, possibilitando a formação de mais intelectuais interessados em conhecer a própria história afro-brasileira. O tamanho desse mundo editorial é incrível e é impressionante como se percebe um Brasil que não está aparecendo nos jornais. Agora, a duas semanas do evento, eu sinto que as pessoas que querem ir à Flip estão muito interessadas em conhecer essas novidades. Não se trata de rivalizar com uma literatura de massa ou mais estabelecida no mercado, mas de construir uma nova situação, um novo espaço, para outro tipo de projeto.

P. Desse modo, o evento se afasta um pouco do mercado editorial que já tem mais visibilidade?

R. Não é possível dizer que há uma coisa completamente desconectada do mercado. Em benefício do próprio autor, eles querem poder vender os livros. Mas, sem dúvida, minha grande preocupação foi mapear aquilo que não está ao alcance da vista imediatamente. Foi buscar o que há de interessante e está fora do radar: seja porque é uma autora mulher e o mercado está pouco aberto, seja porque é um autor negro e enfrenta barreiras semelhantes, seja porque é um autor que está em um algum lugar distante editorialmente do Brasil, como é o caso da Islândia e Ruanda, representadas pelo autor Sjón e pela escritora Scholastique Mukasonga, respectivamente.

É possível entender que o aparecimento de editoras afro-brasileiras também é resultado das ações afirmativas que colocaram mais negros na Universidade

P. De certa forma, é uma Flip para ser descoberta, então?

R. Sim. Eu acredito que a Flip, por ser a maior festa literária, a pioneira, pode ter o arrojo de sair na vanguarda de alguma coisa. Para que ela permaneça como referência, tenha relevância e paute a imprensa, é preciso trazer coisas novas e não apenas refletir o que já existe no mercado consolidado. Agora, não dá pra dizer nunca que a Flip está desvinculada do mercado editorial. Por quê? Porque o autor vai lá e ele próprio tem suas expectativas. Há uma livraria oficial e as pessoas encontram os livros dos convidados lá. E isso é importante também. Além do mais, a relação com as editoras, com agentes literários e, no caso dos estrangeiros, com as embaixadas, é extremamente importante. O trabalho de curadoria é feito em 10 meses e a conversa é essencial para que ele seja construído.

P. Uma lista publicada pelo NexoJornal mostra que dois dos primeiros livros mais vendidos no Brasil desde 2010 são do bispo Edir Macedo e o terceiro é o best-seller A Culpa é Das Estrelas. Não é estranho estarmos discutindo o mercado editorial quando quem está no topo são esses livros?

R. Isso sempre existiu e eu acho contraproducente ficar reclamando que agora os youtubers, por exemplo, estão fazendo os livros mais vendidos. Eu acredito que é quase como você atacar aliados. O problema não é o best-seller, nunca foi. O problema, de sempre, é que é necessário formar leitores, estimular a leitura, fazer com que as pessoas se aproximem de formas mais complexas de linguagem. E a Flip, acredito, tem capacidade de ajudar nisso um pouco. Por isso, não passa pela minha cabeça ficar reclamando que o mais vendido é o Padre Marcelo Rossi ou o Edir Macedo.

P. Ao mesmo tempo, há um cenário de pequenas editoras com propostas de livros mais artesanais – presente em eventos como a Feira Plana, de São Paulo. Algo que foge não só do grande mercado, mas da velha discussão que se questiona se o papel vai acabar etc.

O problema não é o best-seller, nunca foi. O problema, de sempre, é que é necessário formar leitores, estimular a leitura

R. É curioso, mas acho que isso está sendo possível graças às novas tecnologias. É o desenvolvimento tecnológico que possibilita um barateamento de custos, assim como a facilidade de disseminar uma mensagem pela internet e atingir nichos de muita afinidade. E eu não tenho como provar, mas fazendo uma observação do mercado, parece que quanto mais a crise aperta, mais as pessoas procuram se vincular a essas iniciativas. É quase como uma forma de tentar se fortalecer. São projetos mais independentes e de maior resistência. É na crise que percebemos como as pessoas gostam de livros.

P. Por falar nisso, e a crise política? Como vai aparecer nessa Flip?

R. Muitas vezes os eventos são cobrados a discutir questões que estão acontecendo, mas acho que deve haver o cuidado para não se transformar um evento literário em um programa de debates só sobre a crise. Claro que isso vai aparecer naturalmente e, obviamente, os autores estão liberados para dizer o que quiserem. Também acho que, com a programação, estamos tocando no aspecto mais importante deste país: a desigualdade social e racial. É uma forma de contribuir para o debate da crise política, mas com a contribuição que é possível para a Flip, sendo que ela é uma festa de literatura. Por fim, há também o fato de que o homenageado, Lima Barreto, falava muito de política, apontava os problemas da República e como ela estava se constituindo, abordava também o tema da corrupção. Então, acho que as diferentes crise vão permear as conversas.

P. Você já tinha uma história com o Lima Barreto, não?

R. Em 2013, quando terminou a Flip, o nome dele surgiu em uma coletiva de encerramento. Depois, algumas pessoas começaram a sugerir o nome dele na internet. A partir daí, a historiadora Denise Bottmann teve a ideia de fazer um abaixo-assinado para que o nome dele fosse emplacado. Eu participei disso. Era uma brincadeira de internet, mas acontece que acabamos reunindo mil nomes, como Gilberto Gil, João Ubaldo Ribeiro e Nicolau Sevcenko. Assim, desde essa época, há uma expectativa sobre isso. Quando eu fui escolhida curadora, argumentei em favor dele e também dei sorte de pegar um momento bem oportuno do debate racial no Brasil e no mundo.

Quero que a Flip seja, mais uma vez, um ambiente em que a literatura ocupa o primeiro plano por alguns dias. Isso é tão fora do imediatismo e tão importante

P. E por que o Lima?

R. É um autor que eu só fui conhecer, de fato, na minha pesquisa para a biografia do Jorge Amado. E a influência que ele teve para o Jorge Amado me impressionou bastante. Nos anos 1920, o Jorge Amado fazia parte de um grupo de jovens poetas que tinha como mentor um cara chamado Pinheiro Viegas, um escritor baiano que tinha vivido no Rio de Janeiro e tinha feito parte da turma de botequim do Lima. Quando esse cara chega a Bahia na segunda metade da década de 1920, ele conhece esse grupo de jovens poetas que não era vinculado ao modernismo paulista. Eles eram modernos sem serem modernistas. Naquele momento eles achavam que o pessoal de São Paulo só estava reproduzindo um modelo estrangeiro, mas eles tinham uma pesquisa com a cultura popular baiana muito grande. Algo bem na linha do que defendia o Lima Barreto. Por isso tudo, fui entender quem era o Lima e fiquei muito entusiasmada.

P. E como surgiu o nome da arqueóloga Niède Guidon, fundadora do parque arqueológico da Serra da Capivara, no Piauí, para integrar a programação?

R. Isso tudo tem muito a ver com o Lima Barreto: a ideia de você escavar para encontrar coisas que não estão ali na superfície. Você construir um pensamento através de recolhas que vai escavando, como fez Francisco de Assis Barbosa, que foi o arqueólogo de Lima Barreto ao escrever a biografia do escritor e organizar sua obra completa nos anos 1950. A Flip tem a tradição de sempre ter uma mesa de ciência e, pensando em toda a programação, veio logo a minha mente o nome da Niède Guidon. Ela é mulher, na resistência, trabalhando em uma área mais periférica da ciência, no Piauí, e que, apesar da ressonância mundial que seu trabalho tem, sofre constantemente com falta de verba e o perigo de ter de fechar o parque. E isso também me parece muito próprio do universo feminino. Eu escutei várias vezes isso nos últimos dez meses de curadoria: “repare como a resistência é sempre feminina”. E é verdade. A mulher parece ter predisposição para encarar e estar na frente de projetos de muita resistência. A Niède Guidon também resume muito bem isso.

P. Com tantas novidades, o que você espera que permaneça nessa Flip?

R. O que sempre foi incrível para mim é que existe um espaço em que os escritores estão falando sobre a obra de forma informal, espontânea. E a emoção de ouvi-los é o que ficou para mim depois de todas as Flips de que participei. Quero que seja, mais uma vez, um ambiente em que a literatura ocupa o primeiro plano por alguns dias. Isso é tão fora do imediatismo. É algo tão estimulante e que a gente não consegue ter diariamente. Não quero que o evento perca essa atmosfera. Acredito que vão ser dias felizes, apesar da crise que o país vive.

MAIS INFORMAÇÕES