Ricardo Teixeira: “Lula não é nada. Diga o que você tem para mim”

Investigação da FIFA mostra que cartola da CBF menosprezou ex-presidente do Brasil. Para favorecer o Catar, teria recebido 5 milhões de reais em conta da filha de 10 anos

Teixeira e Lula, anunciando a Copa no Brasil, em 2007.
Teixeira e Lula, anunciando a Copa no Brasil, em 2007.Ricardo Stuckert (PR)

O escândalo de corrupção da FIFA arrasta-se em tribunais europeus e norte-americanos desde a prisão de sete cartolas, incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, em março de 2015, na Suíça. Nesta terça-feira, a própria entidade máxima do futebol mundial incluiu um novo capítulo na trama ao divulgar a íntegra do Relatório García, documento elaborado pelo investigador independente norte-americano, Michael García, sobre suspeitas de corrupção envolvendo seus dirigentes. Com mais de 350 páginas, o relatório cita outro ex-mandatário da CBF, Ricardo Teixeira, que, de acordo com o documento, recebeu propina em negociações como membro do Comitê Executivo da FIFA.

Mais informações

Um dos episódios detalhados no relatório remete a 14 de novembro de 2009, quando Lord David Triesman, executivo da Associação de Futebol da Inglaterra que conduzia a candidatura do país à sede da Copa do Mundo de 2018, encontrou Teixeira em um evento no Catar. Triesman revelou-se animado com o apoio público do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva à candidatura inglesa. Quatro dias depois do encontro, Inglaterra e Brasil anunciaram a assinatura de um memorando de cooperação, já que ambos receberiam edições dos Jogos Olímpicos de 2012 e 2016, respectivamente. Ao ouvir a declaração de otimismo do executivo inglês, Teixeira menosprezou a influência política de Lula no processo de escolha das sedes da Copa, que é conduzido pela FIFA, e deixou subentendido que poderia ceder seu voto à Inglaterra em troca de dinheiro. “Lula não é nada. Diga o que você tem para mim”, rebateu Teixeira, segundo o testemunho de Triesman.

Porém, o relatório aponta que, por causa do inglês “relativamente limitado” de Ricardo Teixeira, a frase “Diga o que você tem para mim” possui caráter ambíguo e pode ter sido mal interpretada por Triesman, que revelou desconforto com a abordagem indiscreta do então presidente da CBF. Todavia, o documento apresenta outras denúncias contra Teixeira, sobretudo em relação à suspeita de compra de votos para o Catar, que foi escolhido para sediar a Copa do Mundo de 2022.

De acordo com o relatório de García, o Catar teria concedido uma série de benesses a Ricardo Teixeira para garantir o voto brasileiro no processo de escolha da sede, incluindo hospedagem de luxo no país, propina desviada de receitas de um amistoso da seleção brasileira com a Argentina – repassada por meio de empresas “laranja” e contas em paraísos fiscais – e o depósito de 2 milhões de libras (5,28 milhões de reais pela cotação da época) em uma conta em nome de sua filha de 10 anos. O responsável por enviar o dinheiro a Teixeira, ainda segundo o documento, teria sido Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona que foi preso na Espanha, em maio, sob diversas acusações de corrupção.

Padrinho do segundo casamento de Teixeira, a quem conhece desde meados dos anos 90, quando era diretor da Nike no Brasil, Rosell fechou patrocínio para o Barça com uma empresa do governo catariano em 2011. O acordo era gerido por Andreas Bleicher, alemão radicado no Catar e um dos assessores da candidatura do país pela Copa de 2022. Em depoimento a Michael García, Bleicher afirmou que o pagamento de Rosell a Teixeira não tinha relação com o Mundial, mas sim com um negócio entre ambos envolvendo a venda de um imóvel no Brasil.

Em 2011, a revista Piauí já havia revelado a proximidade entre Ricardo Teixeira e o catariano Mohamed Bin Hammam, que era presidente da Confederação Asiática de Futebol e candidato à presidência da FIFA. Em uma passagem descrita pela revista, a filha de Teixeira – apontada como beneficiária da suposta propina repassada por Rosell – revelava o apoio do pai a Bin Hamman, enquanto o dirigente brasileiro dizia publicamente que votaria em Joseph Blatter. Acusado de corrupção, o catariano desistiu da candidatura naquele mesmo ano e acabou banido do futebol pelo Comitê de Ética da FIFA, que, até a manhã desta terça-feira, vinha se recusando a divulgar o relatório de García. No entanto, diante da publicação de trechos do documento pelo jornal alemão Bild, a entidade se viu forçada a revelar a íntegra de seu conteúdo. A defesa de Teixeira afirma que o relatório é inconclusivo e nega as acusações contra ele, que evita viajar ao exterior para não correr o risco de ser extraditado para os Estados Unidos, onde foi indiciado por corrupção pelo FBI.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: