Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Sem oposição

Os franceses deixam Macron de mãos livres para empreender suas reformas e seu programa europeísta

Emmanuel Macron posa para uma foto antes de depositar seu voto.
Emmanuel Macron posa para uma foto antes de depositar seu voto.C. ARCHAMBAULT (EFE)

Imparável, a onda Macron se impôs na França. Os franceses ou apostaram nela ou ajudaram-na a triunfar com uma abstenção recorde, já que a vitória era dada por certa. O programa sócio-liberal centrista do movimento A República em Marcha vai poder abrir seu caminho sem oposição real no Parlamento.

Mais informações

No caminho ficou ferido de morte o Partido Socialista e muito dizimado o Partido Republicano. Ambos apresentaram líderes fracos e foram vítimas de sua própria divisão interna. Pelo caminho também ficaram as ambições frustradas da extrema direita e, em menor medida, da extrema esquerda, castigadas por suas propostas anti-europeias e pelos erros de seus dirigentes, Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon.

Desde que ganhou as eleições presidenciais em 7 de maio, Emmanuel Macron lançou gestos promissores e palavras positivas. Após as definitivas eleições deste domingo para a Assembleia Nacional (principal Câmara legislativa, já que o Senado tem um papel secundário), chegou o momento de governar. As primeiras propostas estão prontas para cumprir com um programa que tenta conciliar medidas da direita, especialmente na economia, e da esquerda, na área social. É um projeto relativamente novo, do qual os franceses – alarmados pelo desemprego e pela fragilidade da economia – esperam respostas com certa pressa sem que seu modelo social seja prejudicado. Macron, sabendo da urgência, acelerou o arranque de seus projetos.

A aposta europeia, para a qual Macron também recebeu um enorme apoio em casa, chega em um momento difícil, quando as costuras da União Europeia estão sendo postas à prova com o Brexit, com as tensões com Moscou e Washington e com o princípio de rebelião dos países do Leste. Chegada a hora de governar, o resto dos membros da UE devem cerrar fileiras em torno do novo fôlego europeísta de Paris.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: