Lava Jato denuncia Lula por obras no sítio de Atibaia

Ministério Público Federal acusa o ex-mandatário de corrupção e lavagem de dinheiro. Outras 12 pessoas também foram denunciadas

O ex-presidente Lula discursa em Curitiba, em 10 de maio.
O ex-presidente Lula discursa em Curitiba, em 10 de maio.EFE
Mais informações

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi mais uma vez denunciado nesta segunda-feira pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Desta vez, os procuradores baseados em Curitiba acusam Lula de corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo as obras do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo, frequentado pelo petista e sua família. Outras 12 pessoas também foram denunciadas, entre elas Fernando Bittar, amigo do ex-mandatário e proprietário do imóvel – junto com Jonas Leite Suassuna Filho –; Leo Pinheiro, dono da construtora OAS; o pecuarista José Carlos Bumlai; e os empresários Emílio e Marcelo Odebrecht. Agora, cabe ao juiz Sérgio Moro aceitar ou rejeitar a denúncia feita. Lula já responde a outras cinco acusações, sendo três delas na Lava Jato.

A Procuradoria acusa agora o ex-presidente de ter recebido 1,02 milhões de reais através das obras do sítio feitas pela Odebrecht, OAS e Schanin. A acusação também diz que o imóvel pertence ao ex-presidente, que por sua vez sempre garantiu que o sítio é de seu amigo – que teria comprado o imóvel para que ele tivesse um lugar para descansar depois da presidência.

Mas para o MP, a reforma do sítio foi parte de uma propina, de ao menos 128,1 milhões de reais, que a Odebrecht pagou a partidos e políticos por quatro contratos assinados com a Petrobras. Já a OAS teria pago propinas que somam 27 milhões por três contratos com a petroleira. A força-tarefa acredita que parte da reforma também foi bancada com propinas oriundas de um contrato entre a Petrobras e a Schahin para o operação da sonda Vitória 10.000.

Os procuradores argumentam que o ex-presidente foi o responsável "por comandar uma sofisticada estrutura ilícita para captação de apoio parlamentar, assentada na distribuição de cargos públicos na Administração Pública Federal". O juiz Sergio Moro interrogou o ex-presidente no último dia 10 de maio em Curitiba sobre o caso envolvendo um triplex no Guarujá. De acordo com a Lava Jato, o imóvel foi ofertado pela OAS também como parte do pagamento de propinas referente a três contratos assinados com a Petrobras. Lula também nega que o apartamento seja seu. Espera-se que Moro emita sua sentença sobre este caso – a primeira do ex-presidente – entre o final de junho e o início de julho. Não há uma data definida.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: