Temer convoca aliados para tentar frear debandada

PSDB, DEM e PPS debateriam o tema neste domingo, mas aguardam reação do Governo e perícia

Temer ao chegar para pronunciamento no sábado.
Temer ao chegar para pronunciamento no sábado.EVARISTO SA (AFP)

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), convocou líderes de sua base aliada no Congresso Nacional para debater, na noite deste domingo, a maior crise política enfrentada pelo seu Governo. Mais do que reunir possíveis colaboradores no Legislativo, o encontro tem como objetivo frear novas debandadas já neste fim de semana. O peemedebista também quer definir estratégias para minimizar o impacto dos 13 pedidos de impeachment contra ele que tramitarão na Câmara – o mais recente ainda será protocolado pela Ordem dos Advogados do Brasil no início desta semana.

Mais informações

O PSDB, o principal partido aliado do PMDB, tinha uma reunião extraordinária convocada para o fim da tarde deste domingo no qual poderia decretar a entrega de cargo de seus quatro ministros. Os tucanos cancelaram o encontro depois que o chefe da secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, que é membro da Executiva do PSDB, enviou o convite a todas as lideranças governistas para um jantar no Alvorada. A ideia inicial teve que ser mudada após alguns líderes dos partidos avisarem que não chegariam a tempo a Brasília. O jantar transformou-se então em uma reunião informal.    

“Vamos ouvir o que o presidente tem a dizer. Depois, decidiremos o que fazer, se continuamos ou não no Governo”, afirmou um senador do PSDB. A classe política também quer esperar a perícia que o Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal fará nas gravações que o magnata da JBS, Joesley Batista, fez em diálogos com Temer, com o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e com o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Baseado em uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o presidente diz que o áudio passou por edições.

A perícia foi determinada pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, depois que Temer fez um requerimento formal a ele no sábado. O Ministério Público disse acreditar que não havia alterações ou edições nas gravações e concordou com a perícia. Até a próxima quarta-feira, o STF decide se acata outro pedido de Temer, o de suspender o processo até a conclusão da perícia.

O presidente é investigado pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e constituição e participação em organização criminosa. Segundo delatores da JBS, Temer teria concordado em comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e em receber propinas para interceder em favor da empresa – esse último delito teria sido intermediado pelo deputado Loures. O presidente nega que tenha cometido esses crimes e diz que não renunciará ao seu mandato por conta da crise política instalada após a delação da JBS.

Além do PSDB, outras duas legendas desistiram de fazer reuniões internas para discutir o desembarque do Governo: o PPS e o DEM. Líderes dos dois partidos confirmaram participação no jantar de Temer. No sábado, o PSB, que tem 35 deputados federais e 7 senadores decidiu se tornar oposição.

Desde o início da tarde de domingo, ministros que estiveram ausentes do último pronunciamento de Temer no sábado, começaram a chegar no Palácio da Alvorada. A reunião também foi convocada com o intuito de mostrar que ainda há coesão entre a base, apesar de isso não ter ficado claro nas últimas movimentações entre os representantes dos partidos no Congresso Nacional.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: