Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Crimes contra a imprensa

Espiral de violência transforma a América Latina em uma das regiões mais perigosas do mundo para jornalistas

Um grupo de jornalistas protesta no México contra o assassinato de Javier Valdez.
Um grupo de jornalistas protesta no México contra o assassinato de Javier Valdez.HENRY ROMERO (REUTERS)

Exercer o jornalismo onde a liberdade de expressão está sequestrada pela violência, o tráfico de drogas e o crime organizado é um ato heroico. Na América Latina, paga-se com a vida por este jornalismo. No ano passado, 31 jornalistas foram assassinados, segundo os registros de Repórteres Sem Fronteiras, 13 deles no México. O país está a caminho de estabelecer um novo recorde: este ano até agora seis profissionais já foram mortos.

Mais informações

Javier Valdez foi o último. Valdez morreu esta semana a tiros enquanto dirigia seu carro no estado de Sinaloa, após uma vida dedicada a denunciar de maneira incansável a corrupção e a impunidade com que atuam os cartéis de drogas no México, país que ocupa o posto 147 (de 180) no ranking mundial de liberdade de imprensa.

A pressão sobre os jornalistas na América Latina, uma das regiões mais perigosas do mundo para comunicadores, é intolerável. Seja na Guatemala, Brasil ou Honduras, os cartéis e gangues impõem um clima de terror para subjugar os jornalistas usando assédio, ameaças ou sequestro. Muitas vezes, esta espiral de perseguição termina em desaparecimentos forçados ou em assassinatos a sangue frio em plena luz do dia, como no caso de Valdez. Infelizmente, grande parte desses abomináveis atos de violência ficam impunes, fruto da frequente conivência entre as autoridades policiais e judiciais, por um lado, e os grupos de assassinos e paramilitares, por outro.

Os Estados têm a obrigação de investigar crimes, prender e processar os autores, e fornecer uma reparação adequada às vítimas. A proteção dos jornalistas deve ser uma prioridade se quisermos salvaguardar o direito fundamental à liberdade de expressão e evitar que os repórteres caiam na autocensura ou sejam forçados ao exílio.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: