Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Salto no vazio

A crise da Síria não é tão diferente da venezuelana: não há capacidade de diálogo

Nicolás Maduro, presidente de Venezuela
Nicolás Maduro, presidente de VenezuelaREUTERS

A Venezuela é um país rico, com poucos habitantes e as maiores reservas de petróleo do mundo. Seu povo, porém, morre com a violência nas ruas, de fome, de falta de medicamentos e devido ao caos institucional em vigor. Sua crise, neste mundo cheio de paradoxos, onde tudo está mudando e que parece dar à luz um novo paradigma geoestratégico, põe em evidência a confluência de várias carências.

Mais informações

As instituições internacionais surgidas depois da Segunda Guerra Mundial estão submetidas a uma guerra de desgaste que acabará por transformá-las em instâncias inúteis. Diante da crise venezuelana, a ONU e a OEA não servem ou não serviram para nada. Primeiramente, porque o sofrimento do povo venezuelano, depois do feito histórico de Chávez de se manter no poder ao longo de 14 anos com eleições democráticas, deixou o Governo e a oposição sem rumos e, portanto, continuará existindo. Em segundo lugar, porque não foi possível chegar a um acordo sobre um roteiro que permita uma saída capaz de evitar um banho de sangue e garantir a impunidade dos governantes a fim de que estes não sejam levados a uma espécie de tribunal de Nuremberg por causa dos crimes cometidos.

Desde o 11 de Setembro, os Estados Unidos se esqueceram da América Latina. Não porque os seus interesses na região tenham desaparecido, mas porque toda a capacidade econômica e de guerra do império do Norte se concentrou na operação levada a cabo contra aqueles que o humilharam ao derrubar as Torres Gêmeas e em conflitos impossíveis de ganhar, como os do Iraque e do Afeganistão. Por isso, foi apenas com Obama que surgiram os primeiros sinais de restabelecimento de uma política para a América de fala espanhola e portuguesa – embora já fosse tarde demais, pois, nesse momento, a região já havia criado uma legião de populistas que, em nome da dignidade nacional, forneciam a seus povos petróleo barato, subsídios e sonhos impossíveis.

Nos últimos dois anos de mandato, Obama começou a recompor a sua presença na região com a retomada das relações diplomáticas com Cuba, fator político de primeira grandeza que cedo ou tarde acabaria trazendo consigo a paz no caso venezuelano. No entanto, as coisas não se darão dessa forma, pois ninguém imaginou que chegaria à Casa Branca uma pessoa como Donald Trump, que precisa não só receber aulas sobre o que significa um império, mas também conhecer as obrigações decorrentes do fato de haver uma política para cada uma de suas áreas de influência e sobre em que os interesses políticos, econômicos e militares de um país como os EUA coincidem com os do restante do mundo.

Se somarmos a isso a ideia de que o problema se localiza no seu próprio quintal e que, além disso, ele está relacionado com a questão das reservas mundiais de petróleo, não é preciso ser nenhum gênio para perceber que a situação é tão complicada que nem os interesses econômicos chineses dos últimos anos na Venezuela de Maduro nem as manobras orquestradas por Putin em Havana serão capazes de substituir a ausência de uma política de Washington para a região.

A revolução não devorou apenas os seus próprios filhos. Devorou a si mesma, em uma crise que se combinou com a queda dos preços do petróleo, com a ausência de um modelo político interno e externo, com a incompetência do Governo de Caracas e com o sumiço dos EUA.

Enquanto isso, o fato de Trump ter recebido Lilian Tintori, mulher do oposicionista venezuelano preso Leopoldo López, na Casa Branca serviu ao menos para relativizar o jogo de cena cínico sustentado pelo subsecretário de Estado anterior, Thomas Shannon, que consistiu na fracassada tentativa de estabelecer um diálogo entre a oposição e o Governo de Maduro.

A crise na Síria não é tão diferente da venezuelana, pois ambas ilustram a incapacidade de criar o diálogo por parte de poderes que exibem apenas a força como única razão de ser e de oposições incapazes de articular uma mudança que envolva os que estão hoje no Governo.

O mundo atual deu um salto no vazio sem rede embaixo. Por isso, a instabilidade e o número de mortos continuarão a aumentar, a não ser que se forje rapidamente uma política capaz de restaurar o instinto de sobrevivência dos povos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: