Coreia do Norte denuncia complô da CIA para matar Kim Jong-un

O plano, que teria a participação de Seul, consistiria em assassinar o líder norte-coreano com substâncias bioquímicas

O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un.
O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un.Wong Maye-E / AP

As autoridades da Coreia do Norte acusaram nesta sexta-feira a CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) de conspirar com a Coreia do Sul para assassinar o líder do país comunista, Kim Jong-un, num momento de crescentes tensões na região. A CIA e os serviços de inteligência sul-coreanos teriam urdido “um vicioso complô” com "substâncias bioquímicas" para matar o dirigente norte-coreano durante cerimônias públicas em Pyongyang, afirma em nota o Ministério da Segurança do Estado.

Mais informações

O uso de “substâncias bioquímicas que incluem substâncias radioativas e substâncias venenosas minúsculas é o melhor método [para cometer um assassinato] sem precisar ter acesso ao alvo; os resultados aparecerão em 6 a 12 meses”, afirma o comunicado do ministério. “Vamos desmascarar e destruir sem piedade até o último desses terroristas que atentam contra a dignidade do nosso líder supremo”, afirma o comunicado citado pela agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O suposto complô é um novo episódio na escalada de tensão, por enquanto verbal, entre os Estados Unidos e Coreia do Norte. O presidente norte-americano, Donald Trump, lançou mensagens em todas as direções nas últimas semanas: desde não descartar nenhuma medida contra a ameaça norte-coreana até manifestar sua disposição de se reunir com o próprio Kim.

O regime de Pyongyang, por sua vez, ameaça realizar um novo teste nuclear, que sem dúvida desataria uma forte reação contrária da comunidade internacional. O grupo de monitoramento 38 North informou recentemente sobre o reatamento de atividades justamente na área de testes nucleares de Punggye-Ri.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50