Queda no serviço deixa milhões sem Whatsapp durante mais de duas horas

A falha ocorreu durante a apresentação de resultados do Facebook, dono do aplicativo

Caída de WhatsApp a nivel mundial
Caída de WhatsApp a nivel mundial
Mais informações

Os serviços do popular aplicativo de mensagens WhatsApp, propriedade do Facebook, foram suspensas na quarta-feira em várias partes do mundo, segundo indicaram usuários e páginas de monitoramento de redes sociais.

O site Downreport registrou um aumento acentuado de informações sobre a suspensão dos serviços do WhatsApp a partir das 17h, hora local da costa leste dos Estados Unidos (18h em Brasília), tanto nos EUA como em partes da Europa, América Latina e África. Segundo o Down Detector, a queda foi especialmente notável na Europa Ocidental, na Costa Leste dos Estados Unidos e na América Latina. A Índia é outro dos grandes celeiros de usuários do aplicativo, mas, pelo fuso horário em que se encontra, a incidência da queda foi menor.

Nem o WhatsApp nem o Facebook, empresa matriz do serviço de mensagens, informaram, até agora, as causas da queda do serviço do popular aplicativo. Através de um comunicado se limitaram a dizer que estão “conscientes” da falha e trabalhando para “corrigi-lo o mais rápido possível.”

O WhatsApp tem mais de 1 bilhão de usuários ativos e está entre os aplicativos mais populares da Internet.

O aplicativo já sofreu uma queda de quatro horas em fevereiro de 2014, apenas três dias depois de fechar o acordo de compra com o Facebook para 13,8 bilhões de euros. Embora continue sendo grátis, os últimos passos da empresa, cujos escritórios já estão dentro do campus do Facebook em Menlo Park, é que se ligue a marcas e serviços para dar suporte através de chat.

Mark Zuckerberg, depois de compra-lo, assegurou que continuaria sendo grátis e sem publicidade. Esta fórmula de comunicação entre marcas e particulares está na fronteira entre ambas. Embora não tenham integrado os perfis de ambas plataformas, o Facebook deu alguns passos neste sentido. Por exemplo, incluir as histórias efêmeras nas fotos de perfil, ou poder tornar imagens de álbuns da rede social como identidade.

Durante a última conferência de desenvolvedores, David Marcus, responsável pelo Messenger do Facebook, deixou uma mensagem que evidencia a perda de interesse por parte do gigante de Menlo Park. É visto como um serviço para o mundo em desenvolvimento, mas não para os Estados Unidos, e muito menos para sua grande aposta em envio de conteúdo adaptado por bots e inteligência artificial.

São cada vez mais numerosas as vozes que apontam que o WhatsApp foi uma compra defensiva. Fazia anos que um aplicativo não tinha uma recorrência similar nem uma curva de aquisição de usuários tão marcada.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: