Coreia do Norte acusa professor norte-americano preso de subversão

Pyongyang confirma detenção de Kim Sang-duk por “cometer ações hostis” contra o regime

Imagem de arquivo de dois norte-americanos presos pelo regime de Pyongyang: Otto Warmbier e Kim Dong-chul. Um terceiro cidadão, Kim Sang-duk, foi detido neste mês de abril.
Imagem de arquivo de dois norte-americanos presos pelo regime de Pyongyang: Otto Warmbier e Kim Dong-chul. Um terceiro cidadão, Kim Sang-duk, foi detido neste mês de abril.AP

Como anteciparam no fim de abril vários veículos de comunicação sul-coreanos, Kim, que tem origem coreana, foi preso em 22 de abril no aeroporto de Pyongyang quando se preparava para deixar o país. Ele havia passado as últimas semanas na capital dando aulas de contabilidade na Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST, na sigla em inglês). Segundo a KCNA, ele “foi detido por cometer ações criminosas hostis destinadas a derrubar a República Democrática Popular da Coreia não apenas no passado, mas também durante a sua mais recente passagem pelo país antes da detenção”.

As autoridades o mantêm preso enquanto se realizam investigações sobre os seus “crimes”. Considerando-se casos anteriores de estrangeiros presos, ter cometido uma ação hostil com a finalidade de desestabilizar o regime pode significar desde deixar uma bíblia em um banheiro ou roubar propaganda política até fazer espionagem ou vazar segredos de Estado. O comunicado não traz detalhes sobre o tipo de ação que é atribuída ao professor.

Mais informações

A PUST é a única universidade particular da Coreia do Norte. Nela estudam os filhos da elite do país. Sua gestão é feita por cristãos evangélicos, com capital chinês, norte-americano e até mesmo sul-coreano. Uma parcela do corpo docente provém do exterior, entre eles vários norte-americanos. A instituição é ligada à Universidade de Yanbian, localizada em território chinês na fronteira com a Coreia do Norte e onde o professor agora detido também havia ministrado aulas.

Diante das primeiras informações divulgadas sobre a sua prisão, a Universidade afirmou que ela “não tem nenhuma relação” com suas atividades docentes. A agência sul-coreana Yonhap, que o qualifica como “um homem religioso”, afirma que o professor se envolvera em ações humanitárias –especialmente cuidar de crianças—em áreas rurais do país.

A Coreia do Norte mantém outros dois norte-americanos presos: o estudante Otto Frederick Warmbier, condenado a 15 anos de trabalhos forçados depois de ter sido declarado culpado por crimes contra o Estado, e Kim Dong-chul, um negociante de origem sul-coreana que cumpre pena de dez anos de trabalhos forçados depois de ter admitido que “conspirou com a Coreia do Sul para obter segredos do Partido, do Estado e militares”.

Também está preso um pastor canadense condenado perpetuamente a trabalhos forçados por sedição. Como os Estados Unidos não mantêm relações diplomáticas com a Coreia do Norte, a representação sueca em Pyongyang atua como intermediária nesses casos. Washington desaconselha a seus cidadãos a viajarem ao país.

Mais tensão

A detenção de mais um cidadão norte-americano ocorre em um momento delicado da península coreana, provocado por uma troca intensa de declarações e pela exibição de poderio militar por parte tanto de Washington quanto de Pyongyang. Enquanto o regime liderado por Kim Jong-un continua realizando testes com mísseis de forma recorrente, a administração de Donald Trump deixou de lado a “paciência estratégica” adotada anteriormente pelo ex-presidente Barack Obama e, embora diga apostar na via diplomática, não descarta, agora, uma ação militar caso Pyongyang não suspenda o seu programa nuclear.

De acordo com novas imagens de satélite analisadas pelo portal especializado 38 North, as instalações nucleares da base de Punggye-ri –onde foram realizados todos os testes nucleares anteriores—estão preparadas para uma sexta detonação. Os analistas tinham a expectativa de que o regime faria esse novo teste no mês passado, coincidindo com o aniversário de nascimento de seu fundador, Kim Il-sung, o que acabou não acontecendo.

A Coreia do Sul reforçou seu sistema de defesa diante das cada vez mais frequentes provocações do país vizinho e dos sinais de que seu programa de armamento nuclear continua avançando. Nesta terça-feira, entrou em operação o polêmico sistema antimísseis THAAD, de fabricação norte-americana, que visaria a proteger o país no caso de um ataque com mísseis balísticos por parte da Coreia do Norte. Sua instalação é polêmica não apenas por causa da forte divisão que tem provocado no próprio país, mas também pela oposição frontal da China à sua implantação.

Longe de se mostrar intimidada diante da pressão da comunidade internacional, Pyongyang realizou dois testes de mísseis no último mês, ambos fracassados. Nesta segunda-feira, anunciou que realizará um novo teste nuclear “a qualquer momento e em um local ainda indefinido” a ser determinado por seu líder.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: