Papa Francisco pede “soluções negociadas” para a crise da Venezuela

Oposição reage demonstrando sua total concordância à saída antecipada do Governo de Maduro

O papa Francisco no aeroporto do Cairo (Egito).
O papa Francisco no aeroporto do Cairo (Egito).EFE

Duas menções do papa Francisco à crise política e econômica da Venezuela exasperaram a oposição do país às vésperas de uma nova manifestação pelo Dia do Trabalho.

Mais informações

No sábado, a bordo do avião que o levava do Egito a Roma, Francisco disse que a Santa Sé estava disposta a participar novamente na tentativa de resolução do conflito do país sul-americano com “condições claras”, e deixou subentendido que um dos problemas para mediar novamente era o fato da oposição não estar disposta a conversar com o governo porque “estaria dividida”.

No domingo, já em Roma, o Sumo Pontífice voltou a se referir à Venezuela antes da oração de Regina Coeli na praça de São Pedro. A declaração pareceu satisfazer um pouco mais a oposição, porque instou aos dois lados a evitar a violência, pediu “soluções negociadas” e respeito aos direitos humanos em um país “em grave crise humanitária”.

O fato de Bergoglio dizer que a oposição estava muito dividida gerou muitas críticas no último sábado. O principal argumento era que, desde o agravamento do conflito político após o autogolpe de Nicolás Maduro, há um mês, todas as forças políticas estão convencidas de que somente com o fim antecipado do regime chavista os protestos terminarão e a vigência da Constituição será restabelecida. Os partidos Primeiro Justiça, do governador Henrique Capriles, e Vontade Popular, do já legendário preso político Leopoldo López, são os principais artífices dos protestos que mantêm os venezuelanos nas ruas. O partido do ex-candidato à presidência Manuel Rosales, ausente das caminhadas convocadas desde o começo de abril, é partidário do diálogo e do fim dos conflitos.

Em resposta às declarações do Sumo Pontífice a coalizão de oposição Mesa de Unidade Democrática (MUD) publicou uma carta aberta ao papa Francisco em que afirmam: “Os venezuelanos estão mais unidos do que nunca em torno à demanda de uma mudança política no país e os membros da MUD também o estão”, escreveram. “A última evidência disso é o recente manifesto assinado por todas as organizações políticas”, acrescentaram. O documento exige a realização de eleições presidenciais antecipadas em 2017; a garantia de que também ocorrerão, no decorrer do ano, eleições para governador, prefeito, deputados estaduais e vereadores; a ativação de um canal humanitário para atender as necessidades básicas em remédios e alimentos; respeito à Assembleia Nacional como poder independente; a libertação dos presos políticos e a desmobilização das forças paramilitares, conhecidas como coletivos.

O Papa também admitiu, pela primeira vez desde o recrudescimento da crise, que o grupo de ex-presidentes ibero-americanos que tentaram alavancar o diálogo, entre outubro e dezembro, está preparando um novo processo. “Mas tudo ainda está no ar”, esclareceu o Papa.

“Não param de chegar notícias dramáticas sobre a situação na Venezuela, com numerosos mortos, feridos e presos”, começou a dizer Francisco sobre a situação no país sul-americano. “Enquanto me junto à dor dos familiares das vítimas, para os quais ofereço orações de conforto, envio um pedido cordial ao Governo e a todos os componentes da sociedade venezuelana para que se evitem novas formas de violência”, disse em sua oração dominical.

O pedido chega às vésperas de novas manifestações do governo e da oposição em todo o país pelo Dia do Trabalho. É uma verdadeira incógnita prognosticar como as atividades terminarão. Mas a exasperação dos dias anteriores, recheados de acusações e versões sobre a morte do estudante de oposição Juan Pablo Pernalete, não vaticina resultados diferentes à forte repressão por parte da polícia venezuelana. Em Caracas a oposição pretende chegar às sedes do Supremo Tribunal de Justiça, do Conselho Nacional Eleitoral e da Defensoria do Povo, todas localizadas no centro da capital venezuelana, um setor que o chavismo defende como um santuário.

Na noite de domingo, os governos de oito países latino-americanos – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Peru, Paraguai e Uruguai – tomaram o mesmo posicionamento do Papa. “É imprescindível contar com condições muito claras para uma saída negociada à crise política, econômica e humanitária no país irmão”, disse um comunicado conjunto. “Nesse sentido, concordamos com o papa Francisco de que ‘tudo o que puder ser feito pela Venezuela deve ser feito, mas com as garantias necessárias’, para o qual reiteramos que são requeridos o fim dos atos de violência, a plena vigência do Estado de Direito, a libertação dos presos políticos, a plena restituição das prerrogativas da Assembleia Nacional, e a definição de um cronograma eleitoral”.

O comunicado é quase uma cópia dos pedidos da oposição. O governo, enquanto isso, resiste exigindo respeito à sua política isolacionista. Um movimento que o leva a não reconhecer qualquer decisão que contrarie as ordens do Supremo e a esperar que se recupere nas pesquisas para organizar eleições.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: