Greve no Brasil

Greve geral: cidades esvaziadas e bombas em frente à casa de Temer

Centrais sindicais paralisam atividades e realizaram protestos. Em São Paulo a Polícia Militar dispersou ato com bombas

Manifestantes se concentram no Largo da Batata, em São Paulo.
Manifestantes se concentram no Largo da Batata, em São Paulo.Ricardo Stuckert
São Paulo / Brasilia / Rio de Janeiro - 29 abr 2017 - 01:28 UTC

Mais informações

A greve geral realizada esta sexta-feira contra as reformas da previdência e trabalhista propostas pelo Governo afetou grande parte dos transportes públicos (ônibus e metrô), bancos, escolas (públicas e privadas), comércio, entre outros setores de São Paulo e outras capitais. Protestos foram realizados em várias partes da capital paulista, no Rio de Janeiro, em Brasília, Porto Alegre, Fortaleza e outras cidades do país, e mobilizaram milhares de pessoas. Na capital paulista os manifestantes se concentraram no Largo da Batata, zona oeste da capital, e seguiram até a casa do presidente Michel Temer, em São Paulo. A rua do peemedebista foi isolada pela polícia, que dispersou o ato com bombas e gás de pimenta quando parte do protesto se aproximou da barreira. Alguns adeptos da tática black bloc depredaram bancos e restaurantes em retaliação. Por volta das 21h45 a manifestação se dispersou.

Veja como foi o dia de manifestações

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete