Eleições na França

A França onde Marine Le Pen ganhou

Líder da Frente Nacional passou o domingo de eleições em Hénin-Beaumont, sua vitrine política

Marine Le Pen, neste domingo em Hénin-Beaumont.
Marine Le Pen, neste domingo em Hénin-Beaumont.ALAIN JOCARD (AFP)

O prefeito de Hénin-Beaumont, Steeve Briois, sabia bem o que se esperava dele neste domingo. A cidade que conquistou há três anos para a Frente Nacional, sem precisar nem sequer disputar o segundo turno, algo raro em eleições francesas, se tornou a vitrine da formação de ultradireita, um elemento-chave em seu esforço de demonstrar a capacidade de gestão da sua líder, Marine Le Pen. Neste domingo, ela consolidou seu poder – tanto na política nacional como dentro do seu partido – ao passar ao segundo turno da eleição presidencial da França.

MAIS INFORMAÇÕES

Perto da seção eleitoral onde Le Pen votaria horas depois, Briois, aparentemente indiferente às câmeras que seguiam seus passos, passeava no domingo para cima e para baixo na rua, com um sorriso fixo, parando para dar atenção aos moradores que o abordavam para cumprimentá-lo, trocar algumas palavras e abraçá-lo. “Você precisa ir votar!”, dizia Briois a uma das moradoras. “Na Marine, claro!”, respondeu a mulher, com entusiasmo, usando só o prenome da candidata. Essa forma de ser tratada é parte da limpeza da imagem, da “desdemonização” empreendida pela filha de Jean-Marie Le Pen quando assumiu as rédeas do partido, em 2011, e algo de que Hénin-Beaumont também faz parte, como feudo escolhido pela líder ultradireitista para se distanciar do pedigree de parisiense de bairro rico, que no fundo ela continua a ser.

“O prefeito nos ouve, podemos ir vê-lo, vem ao mercado e nos cumprimenta”, elogiava uma sexagenária de Hénin-Beaumont, que preferiu não dizer seu nome. “Com ele, a cidade recuperou a vida”, acrescentava. Tanto ela como sua amiga Patricia, que a acompanhava à seção eleitoral, apesar de votar na vizinha Noyelles-Godault, votaram “em Marine, porque tem ótimas ideias e vai fazer tabula rasa na política francesa”, segundo Patricia, que se diz maravilhada com “a mudança” experimentada por Hénin-Beaumont sob a FN, algo que imagina que pode acontecer também no resto do país.

Briois representa “a estratégia do genro ideal, com seu sorriso Colgate”, ironiza a ecologista Marine Tondelier, eleita vereadora no mesmo ano da vitória da FN, 2014. “O prefeito compreendeu que uma cidade assim se ganha no trabalho de campo, e sabe que aqui precisa se mostrar desideologizado, que aqui temas como o racismo e o fechamento das fronteiras não vendem”, observa ela, em referência à decisão de Briois de autorizar a ampliação de uma mesquita local, o que suscitou não poucas críticas de colegas de partido. Tondelier, de 30 anos, se tornou uma das vozes mais críticas à FN em Hénin-Beaumont, experiência que reúne em um livro, intitulado Novidades da Frente, no qual alerta para a “opressão do poder por trás da vitrine”.

“Isto aqui é como um apartamento-piloto da FN, quando Briois fala da cidade parece a Disneylândia, tudo é perfeito. Mas isto aqui não é Disney, e sim algo como O Show de Truman, fazem as pessoas viverem numa espécie de bolha onde tudo vai bem, tudo é fantástico, sem mostrar jamais o reverso, as indignas sessões da Câmara onde me chamam de totalitária, e chamam meu colega comunista de nazista, e sobre outro dizem que é da Stasi porque faz muitas perguntas sobre o orçamento, e tudo com um público que os aplaude e nos insulta”, lamenta.

Segundo afirma em seu livro, não são só os políticos da oposição que sofrem a perseguição da FN. O jornal mais importante da região, o La Voix du Nord, acaba de denunciar uma “perseguição judicial” contra si por parte do prefeito e da sua equipe de Governo, que em apenas um ano exigiram mais de 25 direitos de resposta no jornal. Segundo Tondelier, essa é também a situação dos funcionários públicos, “que não podem dizer que estão descontentes”, e de ONGs que dependem de subvenções. Marc Drapier confirma. Ele é um dos que precisaram fechar sua associação, que organizava carnavais infantis, porque a FN cortou mais de 45% da subvenção da prefeitura ao grupo. “Se você estiver com eles, tudo vai bem, mas se tiver ideias diferentes, se estiver contra eles, não pode fazer nada”, queixa-se. E isso é o que ele teme que possa acontecer em todo o país se a FN, com Marine Le Pen à cabeça, vier a governar a França. “Seria realmente o blecaute, o apagão da democracia, já vemos o que acontece aqui com quem não compartilha das suas ideias...”, adverte.

Mas muitos dos moradores de Hénin-Beaumont e arredores que votaram na FN neste domingo não estão preocupados com esse tipo de coisa.

Alguns inclusive admitiam ver favoravelmente a possibilidade de que uma vitória de Le Pen leve a França a deixar a União Europeia e o euro, uma promessa da FN rejeitada pela maioria da população francesa. O que motivou Philippe, um morador da vizinha Douait, na faixa dos 30 anos, a votar em Le Pen foi “a segurança do país”. Para outra moradora de Hénin-Beaumont, o que a convenceu foi que “Marine vai sacudir as coisas”.

Essa é também a esperança de Joan Bardella, de 20 anos, conselheiro regional da FN e porta-voz das “periferias patriotas” da agremiação. Ele diz não ter medo de uma França isolada do resto da Europa. “O mundo do amanhã é o mundo do Brexit, é o mundo de Donald Trump, o mundo de Vladimir Putin, é o mundo das nações livres e soberanas, e isso não me dá nenhum medo, porque hoje não se pode falar em liberdade, pelo contrário, e o Reino Unido está muito melhor desde que deixou essa prisão que é a União Europeia”, afirma.

Arquivado Em: