Editoriais
i

Trump provoca o Irã

O presidente dos EUA deveria se lembrar da altíssima tensão no Oriente Médio

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, discursa sobre a política em relação ao Irã.
O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, discursa sobre a política em relação ao Irã.MANDEL NGAN / AFP

Mais informações

A acusação do presidente dos EUA contra Teerã ao afirmar que o Irã “não respeita o espírito” do acordo soa como uma vaga desculpa para voltar a impor sanções ao regime iraniano e reativar o enfrentamento. Os acordos são respeitados ou violados nos pontos redigidos e assinados pelas partes. O “espírito” ao qual alude Trump não aparece em nenhuma parte do documento firmado pelas potências e o Irã há quase dois anos.

Trump e sua equipe de política externa deveriam se lembrar da altíssima tensão vivida no Oriente Médio enquanto o Irã desenvolvia técnicas da indústria nuclear que poderiam facilmente conduzi-lo à obtenção de armamento atômico. Para dar só um exemplo, o primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou várias vezes que seu Governo não permitiria que isso ocorresse e não se pode esquecer que Israel já optou por uma via de ação unilateral duas vezes no passado: com o Iraque em 1982 e com a Síria em 2007.

A assinatura do acordo foi um sucesso por motivos que, além disso, vão além do âmbito regional. Foi uma demonstração de eficácia da diplomacia multilateral, na qual Moscou e Washington colaboraram eficazmente, e afastou os fantasmas de um Oriente Médio nuclearizado, um cenário imprevisível que colocaria em perigo constante a estabilidade global. Antes de fazer declarações genéricas que só servem para agitar fantasmas e dar combustível aos setores mais radicais do regime dos aiatolás, Trump deveria ser mais prudente e ter consciência do que está em jogo.

Mais informações