Daniel Alves: “Deixei o Barcelona pela porta que queriam me empurrar”

O lateral da Juventus regressa ao Camp Nou, que foi sua casa durante oito anos

Dani Alves, em coletiva de imprensa.
Dani Alves, em coletiva de imprensa.JOSEP LAGO (AFP / ATLAS)

"Olá!”, soltou Daniel Alves, exibindo óculos de sol e seu sorriso habitual ao pisar na sala de imprensa do Camp Nou, contente de estar de novo naquela que durante oito anos foi sua casa, embora saiba que já não é mais seu clube, como também não é azul-grená a camisa que vestirá esta noite no confronto entre Barcelona e Juventus. “Agora represento outras cores e, desde o momento em que entre no Camp Nou, essa parte ficará guardada em um cantinho especial. É duro e difícil porque tenho sentimentos e saudades, mas não me arrependo da escolha que fiz”, afirmou.

Mais informações
AO VIVO | Barcelona x Juventus pela Champions League
Juventus vence o Barcelona por 3 x 0 e fica perto das semifinais da Champions
Daniel Alves é acusado de dever 4,6 milhões de reais ao fisco espanhol
Neymar mostra sua melhor versão no Barcelona

Ocorre, no entanto, que Dani Alves saiu mal do Barça, porque pediu dois anos de contrato para renovar e o clube só lhe ofereceu um, pelo que decidiu assinar com a equipe italiana. “Deixei o Barcelona pela porta que queriam me empurrar. Ao menos foi essa sensação que me causou. É verdade que o que vivi aqui foi incrível, sensacional. Mas não gosto de levar más energias e por isso disse que minha saída se deu de uma forma elegante”, disse. Não hesitou quando lhe perguntaram pela possível continuidade ou não de Iniesta e Messi: “Eu daria uma estátua a cada um, porque é preciso cuidar das lendas. Como culé, espero que renovem para que possamos seguir desfrutando destes fenômenos com a camisa do Barça”.

Questionado sobre se receberá vaias ou aplausos, o lateral se abriu: “Acho que no Camp Nou a maioria das pessoas gosta de mim. Os catalães são muito especiais porque meu estilo de vida não bate muito com o que eles gostam ou que acham que deva ser. Não sei como eles me receberão, mas estou feliz por voltar a casa ainda que seja como rival. Sou um culé, mas deixarei meus sentimentos de lado assim que a bola comece a rolar”. “Mas voltaria ao Barça tal e como pediu Xavi?”, questionaram-lhe. “Para eu voltar teriam que retificar muitas coisas. E penso que o ego, que é gigantesco, não os permitiria reconhecer o engano, o que me fizeram sentir”, respondeu. O que não impede que seja um duelo especial para Alves: “Estou muito feliz de pisar no Camp Nou outra vez. A emoção é brutal, uma carga de energia incrível”.

Questionado sobre as possibilidades de classificação da Juve, diante de uma nova tentativa de remontada do Barcelona, ele não titubeou: “Estamos em 60 a 40%, sendo cautelosos e respeitosos. Mas sei que no Camp Nou as partidas são muito longas e duras. Por isso temos que tentar fazer gol, pois seria um golpe de ânimo enorme na equipe deles”, disse. E prosseguiu: “Há de se fazer um esforço bárbaro, mas vale a pena porque, se superamos o Barça, e tomara que assim seja, penso que eliminaremos à melhor equipe do mundo. Poucos vão ter essa honra de dizer que eliminaram o Barcelona”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS