Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Tráfico humano

Resgate de milhares de mulheres mostra o auge da exploração na Espanha

Uma mulher que chegou à Europa, vítima do tráfico de seres humanos.
Uma mulher que chegou à Europa, vítima do tráfico de seres humanos.PACO PUENTES (EL PAIS)
Mais informações
Buenos Aires proíbe todo tipo de prostíbulo
Vítima de tráfico de pessoas conta sua experiência: “Escapei do clube, mas o pior veio depois”

Em apenas cinco anos, a polícia resgatou 5.675 vítimas de tráfico de pessoas que estavam sendo submetidas à exploração sexual ou de trabalho pela força. A grande maioria eram mulheres que tinham sido arrancadas de seu país de origem com enganos ou violência e, quando chegavam à Espanha, eram forçadas à prostituição em condições de cruel escravidão. O relatório da polícia que mostra esses números revela que estão começando a dar fruto as políticas de perseguição do tráfico de seres humanos, mas também mostra a magnitude de uma atividade criminosa multinacional que já atinge quase o mesmo volume, em termos do dinheiro que move, que o tráfico de drogas ou de armas.

Se as 4.500 mulheres resgatadas e as 3.000 prisões realizadas neste período são apenas a ponta do iceberg, como dizem os especialistas, podemos inferir a magnitude do desafio se quisermos erradicar esse tipo de escravidão e as máfias que lucram com ela. O Centro de Inteligência contra o Terrorismo e o Crime Organizado, dependente do Ministério do Interior, estimava no ano passado em 23.000 as mulheres em risco de escravidão sexual. Esses dados revelam a necessidade de revisar tanto os meios destinados à perseguição das máfias como o marco legislativo em que a prostituição ocorre. Os limitados meios disponíveis para proteger tanto as vítimas quanto os denunciantes são um fator de impunidade. Levando em conta a brutalidade com que essas máfias agem, apenas a garantia de proteção pode encorajar denúncias.

Não é por acaso que a Espanha ocupa o primeiro lugar na Europa e o terceiro no mundo, depois de Tailândia e Puerto Rico, de acordo com as Nações Unidas, na demanda relativa de prostituição. A existência de uma demanda em ascensão estimula a atividade das máfias em nosso país e se torna um fator de criminalidade com um grande poder de corrupção ligado à lavagem de dinheiro.

Diferentes estudos demonstraram a crescente banalização da prostituição na Espanha. É surpreendente que muitos jovens recorram com frequência a ela como mais um elemento de diversão. Alguns países penalizam os clientes da prostituição. Desde que a Suécia tomou essa decisão, pela primeira vez, há 18 anos, sete outros países da Europa, sendo os últimos a França e a Irlanda, adotaram diferentes fórmulas de penalidade. Isso é especialmente importante no caso da prostituição forçada. Aqueles que pagaram para fazer sexo com uma mulher que trabalha como escrava sexual também são responsáveis, porque sem clientes não haveria negócio. É necessário abrir um debate sobre essa questão. Na recente reforma do artigo 187 do Código Penal, o Partido Popular introduziu no Senado uma emenda que favorece o lenocínio. Além de lucrar através da exploração da prostituição de outra pessoa, para que haja crime é exigido agora que seja em “condições vexatórias, desproporcionais ou abusivas” ou “uma situação de vulnerabilidade pessoal ou econômica”, condições difíceis de provar.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS